NA MARCHA RÉ

segunda-feira, 26 de julho de 2021

Na semana passada as bolsas mundiais bombaram positivamente. A de Nova York subiu nos três índices. Enquanto isso a bolsa brasileira amargava baixa, consequência da saída dos estrangeiros, aborrecidos com a situação política e com rumores de golpe institucional.


Isso é ruim. A economia precisa de estabilidade para crescer. Os empresários estão preocupados. A inflação continua elevada, o dólar voltou a subir, o ministro da economia está desencantando. Agora o Guedes está querendo tributar os fundos de pensão e a reforma tributária tem itens que  prejudicam os fundos. Seria praticar de novo a bi tributação que fez surgir inúmeras ações judiciais no passado.

Algumas medidas poderiam ser tomadas para aliviar a situação financeira da classe média brasileira sufocada pela pandemia e são adiadas.

Parece que a corrida eleitoral já começou e os ataques de lado a lado fazem estragos em nosso dia a dia.

O clima também não tem ajudado. Geada, frio intenso, falta de chuvas em algumas regiões, estão prejudicando o único setor que vai bem, que é o setor primário.

O BB está realizando concurso e está procurando se adaptar aos novos tempos, que valoriza a área digital.

Temos que parar de ir para trás e voltar a olhar para a frente sob pena de um retrocesso de consequências imprevisíveis.

Espero que esta semana engate positiva. Afinal hoje é o dia dos avós, o dia da experiência e do amor. Parabenizo todos os avós. Os netos são os filhos com açúcar.

ESPERANÇAS PERDIDAS ?

sábado, 10 de julho de 2021

Sei que as coisas não estão fáceis em nosso mundo , em especial para nossa derradeira faixa de idade.


Um cenário de medo nos acompanha e não quer nos abandonar tão cedo. Quando parece que a onda vai passar, surge uma nova, vinda da Índia ou sei lá de onde, de nomes esquisitos. Alguns lugares que abriram estão amargando recrudescimento da pandemia e a olimpíada em Tokyo vai ser sem público,apesar de todas as medidas tomadas pelos japoneses.

Só uma coisa parece ser certa, a vacinação em massa de toda a população. Os números mostram isso.

Nesse panorama, ainda sombrio, as esperanças de uma retomada na economia ora parecem promissoras ora não. Só a economia chinesa resplandece. E no Brasil ainda por cima vivemos uma instabilidade política, com desacertos entre os poderes constituídos.

Há quem se desespere com essa situação, especialmente os endividados. O Governo acionou um pacote de negociação de dívidas. Porém os resultados me parecem tímidos se olharmos o lado prático. Mas estamos acompanhando.

A bolsa deu uma desacelerado, caíram especialmente as ações fortes, e se fala em acomodação, mas ruim para a Previ que decidiu agora investir em ações novas.

Houve uma notícia na imprensa de que a Previ perdeu no tribunal de justiça do Rio uma ação que favorece os aposentados. Não saíram detalhes, a não ser que cabe recurso ao Supremo. Parece que só favorece 
aqueles aposentados que recebem parcelas da Previ e parcelas do BB. Detalhes virão na próxima postagem.

Até dia 13/deste mês podem aderir ao Cassi essencial sem ônus nem carência. 

O frio melhorou aqui em Porto Alegre. O calor deixa a gente mais otimista e o sol brilha no horizonte acenando tempos melhores. Não se desespere, há esperanças ainda. Elas são as últimas que morrem.

Precisamos construir juntos um futuro melhor para o planeta e precisamos começar já.

ENDIVIDAMENTO

sábado, 3 de julho de 2021

O endividamento das famílias brasileiras anda muito alto. Supera cinquenta por cento. Alguns falam em setenta por cento. A culpa é atribuída à pandemia. Houve perda de receita com as limitações impostas, fechamento do comércio, restrição ao turismo, restaurantes encerrados. Tribunais fechados. Enfim, tudo o que deixou de funcionar no lock  down.


Junto com a pandemia, no meu entender, outro ponto obrigou o endividamento, tal seja a inflação, que anda voraz. A dívida virou, portanto, mais um fator de preocupação nestes dias bicudos que estamos vivendo.

Aqui em Porto Alegre alguns credores resolveram ativar os cartórios de protestos de títulos, infernizando a vida de pensionistas e de aposentados. É pouca sensibilidade com o atual momento. Um desses carrascos é a Prefeitura, vejam só.

Nesse cenário desfavorável a gente precisa navegar e sobreviver.

O Banco do Brasil ressuscitou e o presidente Bolsonaro prestigiou o lançamento do plano safra envolvendo recursos de 145 bilhões. O agro vai bem. As exportações de vento em popa. Coisa boa.

A bolsa vinha amargando queda e na sexta feira ressuscitou. Boas notícias da economia mundial e norte americana.

Aos poucos vou me inteirando dos acontecimentos. Tem novidades na Cassi com o plano essencial e na Anabb existem turbulências.

Vamos que vamos aqui no RS com um frio congelante e dolorido para os ossos dos idosos. Vai melhorar.


DE VOLTA AOS PAGOS E AO BATENTE

domingo, 27 de junho de 2021

PAssei duas semanas no nordeste, mais especificamente em Alagoas, quase na fronteira com Pernambuco, no paraíso de Maracogi. Mar tépido, águas límpidas, corais e areias finas, bordado de palmeiras altíssimas.


Apesar da pandemia as praias estavam com bastante gente e o turismo voltou a florescer nos hotéis e pousadas.

O que me chamou atenção foi que as pessoas aprenderam com a pandemia a dar mais valor às pessoas. Parece que sentiram falta dos abraços, beijos, da confraternização, do relacionamento humano. 

E com isso o amor voltou a ser relevante na vida das pessoas.

Senti o calor humano transbordando, tanto nos empregados, garçons, bugueiros, hóspedes, que demonstraram mais simpatia, empatia, mais amor.  

Senti também que os empresários estão mais esperançosos na melhora das coisas, no crescimento do PIB, voltando a investir , renovando as esperanças.

Viajar é viver, dizem. A gente se renova, se energiza, se desestressa.

Vou recomeçar a trabalhar segunda, amanhã. Vou me atualizar e comentar as novidades com vocês.

Então é isso. Até.

PREVI E BOLSA DE VALORES

quinta-feira, 10 de junho de 2021

Estou voltando ao blog depois de comemorar meus oitenta e três de idade, os cinquenta e oito de casado e minhas duas doses da vacina Oxford. 


As felicitações no blog foram pobres, mas desculpo por causa da pandemia e mesmo porque nesta altura já não tem a relevância de antes. Produto da idade avançada e da experiência.

A Previ acaba de anunciar um superávit acumulado de vinte e um bilhões. Um belo resultado quadrimestral. Que dependeu muito da melhora da bolsa de valores, especialmente das ações da Vale. E por isso esse superávit vai piorar em maio e vai melhorar em junho onde a bolsa vem alcançando recordes, chegando aos 130.000 pontos.

O que se descortina na frente ?

Tem gente muito otimista com a economia melhorando e o PIB subindo para cinco por cento.

Tem gente pessimista, falando numa terceira onda de COVID, com receio de apagão em virtude da crise hídrica, produto da falta de chuvas na região central.

Como sempre existem oportunidades de negócios bons para quem está atento, como na Embraer que arrancou de sete reais para dezenove e hoje estava subindo mais de dez por cento, por causa de novas encomendas de aviões. 

O presidente Bolsonaro há pouco declarou que lamenta as mortes por COVID mas que o Brasil vai bem.

Sempre existem preocupações em nosso  meio.. Agora se comenta que o Governo quer enfraquecer a presença de funcionários e empregados na gestão dos fundos de pensão e o pessoal dos sindicatos está gritando com medo de perder a boquinha. Para mim o que é importante é a governança  dos fundos, quando funciona junto com a transparência temos certeza dos caminhos adotados.

Já surgiu há pouco outro boato de que querem terminar com os fundos de pensão para passar o patrimônio para os bancos patrocinadores. Há quarenta anos escuto alarmes falsos e tentativas frustradas graças ao nosso trabalho de resistência.

Portanto, vamos em frente.Meu blog, com a interrupção do blog do Zanella, por problemas de saúde, é dos poucos que permanece. Sou mesmo duro na queda. Graças a Deus.

NOVO PRESIDENTE DA PREVI

segunda-feira, 31 de maio de 2021

Nos interessa muito que o novo presidente da Previ seja bem escolhido, que possua um bom perfil técnico e não seja um político indicado pelo centrão. Afinal, como aposentados e pensionistas, dependemos da Previ para viver, pagar nossas contas e nos propiciar um padrão digno .


Estive um pouco afastado do blog em virtude das comemorações de meu aniversário natalício, 83 anos, e meu aniversário de casamento, 58 anos.

Foram diversos eventos familiares, 
com um mínimo de aglomeração,  e uma viagem à Gramado na serra gaúcha.

Depois disso veio o terrível trabalho da elaboração da declaração do imposto de renda, sempre fatigante e estressante, que só agora terminou.

A saída do presidente José Maurício da Previ foi cercada de notícias e especulações a respeito de uma operação de venda de parte das ações da BRF. 

O nome mais cotado para substituir é de um funcionário de carreira do banco, Daniel Stiller, de 56 anos, atualmente presidindo o economus, da Nossa Caixa, me parecendo um bom nome.

Enquanto não se define essa nomeação as ações do BB ficam patinando.

Por hoje é só. A vida segue. Agora estou mais maduro com 83.

Sim sou um idoso. Porém um idoso descolado, tatuado e agora duplamente vacinado.

Vamos que vamos.

MELHORANDO O ES

quarta-feira, 19 de maio de 2021

Tenho reparado na minha vida que as conquistas acontecem por etapas. Elas nunca vem de forma plena, do jeito que a gente quer e precisa. Conquistado um degrau, se passa para outro, até chegar ao topo.


Comprovei isso na viagem que realizei no final de semana, de carro, aos aparados da serra e a serra do rio do rastro onde fica o ponto mais alto de SC, o topo, com 1470 metros de altitude.

Fiz trilha ,difícil naquela altitude, venci um a um os obstáculos, até chegar ao cume ou vislumbrar a cascata. Um verdadeiro teste de eletronesforco. Mas foi necessário vencer etapa por etapa.

No caso do ÉS será assim. Conseguimos aumentar o limite para duzentos mil reais, o que muitos achavam impossível. Entretanto, esse aumento não adiantou para os mais necessitados, sem margem consignável. Torna se necessário dilatar o prazo.

Há muito tempo luto pelo prazo de 180 meses, para mim a fórmula definitiva era 180 x 180.

Agora passei a lutar , na impossibilidade declarada pela Previ, por um prazo de 144 meses, ou seja 12 anos. Vai resolver muita coisa,sim. E é viável, e é possível. Basta boa vontade.

O ofício da Afabb RS já está pronto para ser expedido. Na próxima postagem, eu publico.

Agora estou debruçado no imposto de renda e sofrendo muito. Arre, que trabalho medonho para preencher a declaração.

E estou próximo de comemorar os 58 anos de casado com minha doce e amada Ana.

Vamos que vamos.