SEMANA DECISIVA E PAIXÃO INCURÁVEL

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Esta é uma semana decisiva.

Até o final da semana decorre o prazo para a interventora na Cassi apresentar o seu relatório.  O prazo vai até o dia 20 de outubro. E a partir daí começa a contar o tempo para apresentação de proposta que atenda às exigências da ANS.

Eu aguardo esses trâmites para concluir o protesto judicial. Um encontro das entidades com o BB na semana passada resultou em nada.  A Contec se retirou da mesa por discordar frontalmente das pretensões do BB, que quer agir unilateralmente, tirando vantagens da situação.

Quinta feira o STF vai julgar definitivamente a questão dos presos por julgamento de segunda instância. Dizem que Tofolli já tem os sete votos necessários que vão beneficiar ao Lula e acabar de sepultar a Lava Jato.  E´ um julgamento importante, que mexe com muita coisa no país.

As eleições da ANABB também prosseguem já na reta final. Tem muito interesse em jogo e ninguém, nenhum associado, deve se omitir nesta hora.  Alguns expedientes  estão sendo utilizados.  Eu recebi telefonema de um forte candidato, que tem uma estrutura organizacional trabalhando para ele. Não gostei.

Teve boa repercussão a matéria sobre a vitória judicial do Rossi e do Zanella, mas não pude publicar a maioria dos comentários por causa de agressividade e linguagem inapropriada. Não vamos fazer o jogo do adversário.

A semana inicia alvissareira. Obtive importante conquista junto ao BB, justamente no dia do aniversário de 211 anos de nossa instituição bancária. Bom sinal. Milagre da nova Santa Irmã Dulce. Eu, apesar dos pesares, continuo um apaixonado pelo BB, que me deu ótimo ambiente de trabalho, excelentes amizades, uma boa aposentadoria e um bom plano de saúde. Sei que é um amor antigo, mas incurável.

Vamos que vamos.

TROPEÇOS JUDICIAIS DA DIRETORIA DA PREVI

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Faz tempo que eu falo que os diretores da Previ são muito sensíveis e avessos a críticas.  Isa Musa Noronha já escreveu a respeito com muita propriedade.  Quem desempenha cargo público ou mandato adquirido em pleito eleitoral tem que saber conviver com críticas e saber distinguir o que é crítica, ofensa ou calúnia.  A crítica é salutar, serve para corrigir rumos e aperfeiçoar processos.


Eu sofri inquéritos na Previ quando era conselheiro deliberativo suplente. Tive clara percepção de que se tratavam de tentativas de me amedrontar.  Ledo engano. Eu não tenho medo e disponho de farta artilharia para me defender.

Ontem recebi a informação de João Rossi Neto de que as ações movidas pelos diretores da Previ contra ele e o Ari Zanella, sete ações unificadas em uma só, na comarca de Joinville, SC, foram julgadas improcedentes em primeira instância, bem como os embargos declaratórios. Ontem os diretores da Previ ajuizaram recurso para o Tribunal de Justiça de Santa Catarina.

Naturalmente que o João Rossi Neto e o Ari Zanella estão exultantes com a vitória obtida no tribunal de Joinville.  Eles estão pugnando contra forças jurídicas poderosas. Defendendo a tese de que a crítica é possível e útil. Abaixo reproduzo a parte final da mensagem que recebi de João Rossi Neto.

¨Demais disso, por confundirem aborrecimentos com ofensa à honra, os membros da Diretoria Executiva que não sabem receber críticas técnicas, administram os conflitos internos, com queixas-crime, o que é um absurdo, tendo em vista que, em última análise, de acordo com o artigo 16 da LC 109/2001, são equiparados a condição de empregados dos associados, dado que é o dinheiro do fundo de pensão deles que paga o salários desses dirigentes. Outra coisa errada e irregular que os membros da Diretoria Executiva estão fazendo, é usar o dinheiro da PREVI para pagar as custas processuais e despesas judiciais de processos movidos pelas pessoas físicas dos dirigentes, em defesa de interesses próprios, nos quais a PREVI não é polo passivo, sequer foi citada e não tem direitos ou obrigações em jogo, a defender.

Por se tratar de processo público, quem quiser ter acesso cabal aos autos e aos puxões de orelha que a Douta Magistrada da 1ª Vara Criminal de Joinville-SC deu nos querelantes, consubstanciados no bojo das suas duas sentenças, inclusive com a condenação de cada querelante pagar R$ 1.000,00 de honorários de sucumbência aos advogados dos dois querelados (ARI ZANELLA E JOÃO ROSSI NETO), basta acessar o site do Judiciário de Joinville-SC: https://esaj.tjsc.jus.br/esaj/, senha: "gcaomo" em nome de Paula Regina Goto, PROCESSO: 0311017-36.2019.8.24.0038¨.

Vamos aguardar o desfecho do recurso. Mas desde já cumprimento ao Ari e João Rossi Neto por terem se defendido bravamente e pelo sucesso obtido na primeira instância, que espero seja confirmado pelo Tribunal de Justiça.



A NOSSA FORÇA

sábado, 5 de outubro de 2019

Nos temos força. Unidos temos ainda mais força. Pena que alguns colegas, em vez de colaborar e participar positivamente, se preocupam apenas em criticar e obstruir.


Dou um exemplo. Fiz, junto com o presidente Lahorgue, palestra na Afabb Rs sobre o protesto judicial. La estivemos por três horas prontos para responder a quaisquer perguntas ou esclarecer dúvidas.

Quem não compareceu ao evento agora indaga se quem participou do protesto anterior precisa participar deste. Ora o protesto anterior foi de 2008. A proposta atual é mais abrangente, invasiva a nossos direitos. Como não complementar a anterior ?  Quem não quiser fazer o protesto que não faça, mas assuma os riscos sozinho. Maldade é querer influenciar negativamente os colegas.


Também insistem, aqueles que não compareceram à palestra, de que o melhor seria uma ação judicial coletiva, declaratória, gratuita aos associados. Cansei de explicar que essa ação é demorada, até ser julgada definitivamente vai correr varios anos. A AAFBB já teve uma experiência nesse sentido, ação foi julgada improcedente e criou um precedente negativo. Eu tenho 81 Anos e optei pelo protesto. Cada um que faça suas escolhas, mas com propriedade e isenção.

Prova de nossa força é a declaração do ministro Salim Mattar de que o Governo atual não fará a privatização do Banco do Brasil, da Caixa e da Petrobrás. Valeu a luta e o posicionamento positivo. E houveram os críticos de sempre . Arre.

A atual eleição para a Anabb transcorre com pouca movimentação nesta primeira semana. Apenas cercado 2.500 associados votaram. A Anabb é importante . Eu já votei nos meus candidatos. Óbviamente estou torcendo pelo Lahorgue e Maeda, por causa daAfabb Rs.

A economia está complicada. A reforma da previdência sofreu um tropeço. A guerra comercial entre a China e EUA continua. Há risco de recessão mundial. A bolsa baixou de 105.000 para 99.000, mas se recuperou um pouco no final do pregão  sexta-feira, ficando em 102 mil pontos.

Eu estou reiniciando minhas atividades, agora com foco no jurídico. Tem novidades, sim. Aos poucos, vou contar. Aguardem.

ELEIÇÕES DA ANABB COMEÇAM HOJE

segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Hoje, primeiro de outubro, começam as eleições para os órgãos diretivos da ANABB.

Eu não sou candidato;  Já fui conselheiro deliberativo da ANABB. há muitos anos, de 2004 a 2008.  Não gostei da experiência.  O Conselho possui nada menos do que 21 membros titulares.  As decisões são tomadas por grupos.  Eu fiquei muito isolado e tive dificuldades de cumprir o meu mandato.

Tive vários convites para participar de grupos que pretendem administrar a ANABB.  Somente um não me convidou.  Mas declinei de todos os convites.

                                                             Claudio Nunes Lahorgue
Tenho vários amigos e colegas que  pediram o meu voto. Vou votar naqueles com quem me comprometi e fazer campanha para os que entendo possam fazer algo de bom para a entidade. Estão nesse rol a Teresa Godoy, o William Bento e o Arnaldo Fernandes.
                                                               Ricardo  Maeda

Aqui no blog decidi manifestar meu apoio pessoal e incondicional tão somente para o CLAUDIO NUNES LAHORGUE, número 126, e para o RICARDO MAEDA, número 194, por razões óbvias, pois o primeiro é o presidente da Diretoria da AFABB RS , e o segundo é o presidente do Conselho Deliberativo da AFABB RS.

O Lahorgue visa a re eleição. E´o atual secretário do Conselho Deliberativo e tem desempenhado um papel sério e responsável na ANABB, voltado para os legítimos interesses dos associados e da entidade. Tem honrado sempre o seu mandato e merece ser reconduzido.

O Maeda pretende pela primeira vez a eleição. Trata-se de figura demais conhecida, em especial por sua brilhante atuação como coordenador do Conselho de Usuários da Cassi no Rio Grande do Sul, cargo que exerce há vários anos. Merece uma oportunidade no conselho deliberativo da ANABB.

 O Rio Grande do Sul estará muito bem representado por ambos.

Votem em LAHORGUE, NÚMERO 126 E EM MAEDA , NÚMERO 194.

DE VOLTA

domingo, 29 de setembro de 2019

Porto Alegre é demais !


Estou de volta aos pagos. Inter empatou no Beira Rio, Grêmio perdeu no Rio. 

O Parcão lotado, domingo de sol.  Churrasco, picanha, costela e coração de galinha no almoço.

A vida retoma sua rotina. Muito trabalho pela frente.

A Cassi na mesma. O BB se recusa a reiniciar a mesa de negociação. Não quer transigir em nada , a não ser no famigerado artigo 83, o qual afirma que a alteração não foi dele mas sim dos diretores da Cassi. Pode ? Que tiro no pé foi esse de nossos eleitos ?

O BB está às voltas com a Lava Jato que está investigando o envolvimento de gerentes do banco nos desvios da corrupção de empreiteiros.

Está pegando fogo a eleição para a Anabb. A propaganda está correndo solta. Existem candidatos ansiosos por votos.

Quanto a Previ existem muitos assuntos a ser abordados.

Estamos reiniciando a jornada.




RETORNANDO

domingo, 22 de setembro de 2019

Estou voltando de viagem ao exterior, com as energias renovadas, pronto para reiniciar nossas lutas pelos direitos que o BB guloso quer garfar de forma sorrateira e capciosa.


Tive problemas com a internet, com o chip da Vodafone e com vírus que os nossos adversários despejaram em meu blog, dificultando o acesso e a operacionalização.

Mas. Nada desses percalços me tira a disposição para continuar na peleia.

Estou voltando com mais lucidez e força espiritual.

Como devem ter reparado não sou candidato para a Anabb. Não quero desperdício de meu tempo. Estou concentrado no aspecto jurídico de nossos direitos e nada me afasta do caminho. Recebi varios convites de grupos para a eleição e recusei gentilmente..

Estou cada dia aperfeiçoando o protesto judicial e não estou gostando do andamento dos entendimento para a construção de uma proposta de consenso.. Querem esvaziar o protesto é me perguntam seguidamente onde vou atacar.

Chego quinta feira se Deus quiser.

Me aguardem. Tenho novidades.

Vamos que vamos.

PIOR É NADA !

sexta-feira, 6 de setembro de 2019

Ontem fiz palestra na Afabb Rs e esclareci aos colegas que compareceram todas as dúvidas a respeito do protesto judicial, demonstrando a eles porque cheguei à conclusão que se trata do melhor remédio jurídico para enfrentar a proposta de reforma estatutária da Cassi.


As principais indagações foram as seguintes.

Até quando pode aderir ?  Quanto antes melhor. Não deixe para a última hora. Você pode ficar de fora. O prazo vai até o dia que for anunciado o novo plebiscito para votar a alteração estatutária. 
Vou fechando grupos de cem.

Por que avisei que o BB ia reiniciar a mesa de negociação depois que anunciei o protesto no blog e isso não aconteceu ?  Porque o BB está acompanhando a adesão. Quer saber da repercussão.  Conforme sentir a adesão virá com uma proposta melhor ou pior. Delírio meu ?  Não é.  O BB quer pisar firme desta vez.

O protesto adianta ?  Adianta sim. O protesto anterior provou isso. Houveram casos de colegas que utilizaram o protesto para fundamentar suas ações contra o BB e ganharam a causa e recuperaram valores gastos em hospitais e exames caros e desenquadrados. Pode ser útil, sim.

A quantidade dos participantes no protesto importa ?  É de fundamental relevância. No protesto da Previ em 1997, impediu o BB de fazer a migração do nosso plano de benefício definido para contribuição definida. Naquela época mais de dez mil fizeram o protesto. Quem me disse hoje é ministro do STJ.

Quem fez o protesto anterior em 2008 agora tem que fazer de novo ? Tem. As alterações atuais são diferentes e mais graves do que aquelas de 2008.

Quais os riscos de represálias por parte do banco ?  Nenhum, por se tratar de notificação. Não se trata dê ação. O protesto não gera represália porque não é considerado litígio.

Se a maioria aprovar as alterações o protesto pode não valer nada ?  O processo de votação pode ser considerado viciado juridicamente pelo terrorismo imposto pelo banco.

Qual o valor do protesto ? O protesto é um instrumento a nosso dispor para ser utilizado quando necessário. Uma arma, cujo calibre depende do número.Quem fizer sempre estará melhor municiado do que aquele que não fizer É bom, bonito e barato. BBB x BB. Conhece a história do "peor es nada". Devia conhecer. Conhecendo, a adesão é imediata.

PIOR É NADA. VENHA CONOSCO. ANTES QUE SEJA TARDE DEMAIS.

Obs. Este é o ultimo post sobre o protesto. Outros assuntos aguardam. E tenho uma viagem a fazer.