ENCONTRO DE CAMBORIÚ DIA 17 DE JULHO

terça-feira, 30 de junho de 2015

O Encontro de Camboriú já está inserido no calendário anual de eventos dos aposentados e pensionistas do Banco do Brasil.


É patrocinado por cinco associações de aposentados da região sul. A AFABB RS, AFABB SC, AFA PR, AFABB Joinville e AFABB Itapema, e o local é a sede da AABB de Camboriú.

O nome certo da linda cidade catarinense é Balneário Camboriú e lá residem inúmeros colegas aposentados do BB, desfrutando das praias e das demais belezas naturais da região.

Este ano o Encontro promete. Confirmaram a presença os presidentes da Previ e da Cassi.  Os assuntos são palpitantes. Interessam à todos nós. A sobrevivência da Cassi é fundamental. O que vai acontecer ?  A Previ passa por dificuldades. Perdemos o BET. Retornaram as contribuições. As prestações do ES estão assustando. As reservas caindo. O que vai  acontecer ?

Muita gente reclama e critica pela internet, mas não participa de reuniões e de encontros onde os dirigentes comparecem, mesmo dispondo de recursos para viajar ou até morando na própria cidade , ocasião onde podem debater e expor suas ideias abertamente, de viva voz, olho no olho.

No ano passado o Encontro de Camboriú foi histórico. Lá foi anunciado pela primeira vez a situação financeira alarmante da Cassi, com o fim de suas reservas acumuladas. Também lá vazou pela primeira vez a notícia dos bônus para a diretoria da Previ concedido mediante voto de minerva.  Uma moção denúncia sobre as cobranças , consideradas abusivas pelos participantes, das liminares da cesta alimentação foi entregue oficialmente ao diretor de seguridade. E lá compareceu o senador Paulo Bauer para falar sobre a resolução 26 e seu projeto para impedir a expropriação do superávit por parte do patrocinador.

Então aqui fica meu convite para você participar do Encontro de Camboriú. O investimento vai valer a pena. Seu futuro está em jogo. Não se omita. Levante da poltrona e venha para a luta conosco. A hora é agora. A diretoria da AFABB Rs vai estar lá presente. Quem sabe conseguimos contar com a valorosa Leopoldina para falar em nome das pensionistas. Estaremos lutando por seus direitos e suas reivindicações, mas precisamos do seu apoio e do seu prestígio.

Vamos !  Mobilize se !  Temos encontro marcado em Balneário Camboriú no dia 17 de julho, uma sexta feira que pode ser decisiva para nosso futuro.

ES CAPEC

sábado, 27 de junho de 2015

Estou de volta a minha Porto Alegre.  Retornei ontem de noite num voo pela Azul, assistindo na TV individual do jato da Embraer o jogo entre a Argentina e a Colômbia. A Azul está despontando com uma das principais empresas aéreas do país.


Como se esperava a reunião da Previ foi demorada. Iniciou as 9'oo e foi até as 18'oo horas. Mesmo assim não esgotou a pauta. Vários assuntos ficaram para a próxima reuniao.  O que levou mais tempo foi o da consultoria Accenture, que tem sido objeto de debate nas redes sociais, inclusive sendo abordado no Congresso dos Funcionários do Banco do Brasil como preocupante.

                                             O Rio no inverno, praia vazia, frio e ressaca

A minha opinião pessoal é de que se trata de um diagnóstico interessante e proveitoso sobre a PRÉVI! que merece profunda reflexão, onde são sugeridas medidas para aperfeiçoamento de sistemas e de processos operacionais e administrativos, especialmente na área de TI. Quanto à questão de governança existem dúvidas e as proposições deverão ser melhor estudadas. O que se quer é uma PRÉVI  funcionando com eficiência e eficácia.

Muitos me indagaram sobre o dito ES CAPEC, falado pelo Presidente Gueitiro em Goiânia. Queriam saber se a idéia frutificara ou se teria sido apenas uma proposta ilusória ou até enganadora do novo Presidente. Alguns falaram em mentira, com o que eu reagi. Houve debate também sobre se era uma boa ou má idéia.

Falei com o Presidente Gueitiro a respeito. O estudo foi feito realmente e submetido a PREVIC. A idéia é simplesmente utilizar a Capec como garantia do ES para aqueles cerca de 7.000 que estão fora das condições para tirar o ES. Como se trata de uma situação inovadora envolvendo a utilização de um pecúlio como garantia, se achou necessário consultar a PREVIC. 

O Presidente Gueitiro me confirmou sua ida a Camboriu no dia 17 de julho, ocasião onde poderá ser questionado sobre esse assunto é quem sabe poderá dar alguma notícia mais positiva a respeito.

Portanto, o ES CAPEC não morreu. Está em análise na PREVIC.

Este mundo anda todo virado mesmo. O Everest, maior montanha da terra, se movimentou cinco centímetros. O Rio de Janeiro fez mais frio do que o Rio Grande do Sul. O clima está quente na PRÉVI. Será culpa do desmatamento da Amazônia ? Consultei a respeito minha amiga Marina Silva, uma das mais respeitadas ambientalistas do universo. Ela  me respondeu: - Fique firme, Medeiros. Fique firme.

Bom final de semana para todas e para todos. Vamos pular a fogueira, comer rapadura é dançar no arraial. Viva São Joao e São Pedro !

RECADO DA PREVIC NO ENCONTRO DE GOVERNANCA

quarta-feira, 24 de junho de 2015

O segundo e último dia do terceiro Encontro de Governança da Abrapp foi bem melhor do que o primeiro. A estrela certamente era o Dr  Carlos Alberto de Paula, superintendente da Previc.


Entretanto quem apresentou um trabalho super interessante foi o coordenador do escritório regional da Previc em São Paulo, Dr. Petersen Gonçalves, que chamou a atenção para a importância do conselho fiscal  na governança dos fundos de pensão.

Até esse momento só se falava em conselho deliberativo, na diretoria , na auditoria, no compliance, nos controles internos, desdenhando se o conselho fiscal.



O Dr. Petersen demonstrou o valor do conselho fiscal como balisador de uma boa governança, mediante um acompanhamento rigoroso dos negócios e dos investimentos, com emissão de apontamentos e relatórios tempestivos para a prevenção e correção de desvios.

Em certa altura de sua exposição, o Dr. Petersen afirmou categoricamente que as ATAS DO CONSELHO FISCAL  DEVEM SER LEVADAS AO CONHECIMENTO DOS INTERESSADOS. Está inclusive escrito num slide. Vou reproduzir e divulgar.

É aí como é que fica a tal lei da mordaça?  No plenário ninguém se animou a questionar.   É mais um sinal inequívoco de que se caminha para a transparência total com o participante. O CD da Previ já tem o seu canal de divulgação. O conselho fiscal , segundo penso, deve seguir o exemplo e adotar mesmo caminho,  sob pena de descumprir o determinado pela Previc.

O Dr Carlos de Paula traçou um histórico do sistema, chamando atenção para a resolução CGPC 13/2004 e depois apresentou um levantamento sobre os autos de infração lavrados pela Previc. A maioria envolve investimentos anormais, depois vem problemas de governança, na seguinte proporção: 80% investimentos e 20% governanca. A grande maioria é em fundos estatais.

Citou três casos de operações irregulares que causaram acentuado prejuízo em fundos. Eram operações com créditos imobiliários, sem garantias consistentes. Uma delas gerou prejuízo de quinhentos milhões. Também tem operações que envolvem constituição de fundos sem bases sólidas.

O Dr de Paula fez a pergunta:  enquanto se desenrolavam essas operações onde estava o Conselho Fiscal ?  

Anunciou que a Previc vai iniciar uma nova etapa de suas atividades, de maneira a fiscalizar mais os fundos de pensão, procurando resguardar um sistema que é o oitavo maior do mundo, que está sendo atacado ultimamente pela mídia.

Tivemos uma interessante conversa sobre a Previ, que, infelizmente, por ter sido reservada, não posso divulgar. Mas que foi interessante, foi.

Fiz uma manifestação no encontro no painel sobre a responsabilidade dos órgãos estatutarios, conduzido pela famosa Dra. Pagliarini Falei que lá estava no encontro para me atualizar e que tinha constatado que as regras de governança eram tão antigas quanto eu, pois datavam de 14 anos com as leis 108 e 109, e principalmente da CGPC 13 de 2004, de onze anos atrás, quando eu era presidente do conselho fiscal da Previ e fui o primeiro a assinar o então temido relatório de controles internos. Tinha também constatado, assim, que meu livro sobre conselho fiscal, cujos últimos exemplares foram requisitados e estavam sendo vendidos no standard da Abrapp, continuava atual e útil.

Lamentei que nesse período todo de onze anos eu não tivera notícia de nenhuma responsabilização de dirigente ou conselheiro de fundo de pensão por desvio de conduta, sabido de casos escabrosos como o do Postalis e da PETROS. Eu entendia que essa impunidade comprometia o nosso sistema perante a opinião pública e a sociedade, trazendo prejuízo para nossa credibilidade e imagem, sendo um dos fatores que estão travando o crescimento da previdência complementar fechada.

Portanto, dei o meu recado. Estou velho, mas não estou obsoleto.

TERCEIRO ENCONTRO DE GOVERNANÇA DA ABRAPP

terça-feira, 23 de junho de 2015

Nao foi feliz a escolha dos palestrantes do primeiro dia do encontro de governança.  Quatro ex diretores da Previ lá estavam na mesa principal dando seu recado.

Vitor Paulo, ex diretor de planejamento, representando o ICSS, Sérgio Rosa, ex presidente, José Sasseron, ex diretor de seguridade, ambos participando de painel sobre dever fiduciário nos órgãos estatutarios, e Rene Sanda, ex diretor de investimentos, fazendo a palestra magna.

O que que é isso ?  Tentativa de ressureição dos mortos ?  Eleições a vista ?  Interesses contrariados ?

Expliquem, quero entender. Porque os participantes do encontro também não entenderam. Rene Sanda se declarou um tanto desatualizado e demonstrou isso num slide totalmente equivocado. Na Previ, ao contrário do que acontecia no seu tempo, não existe mais limite para os honorários percebidos por dirigentes do fundo nas empresas participadas , onde são conselheiros.

Sergio Rosa  falou que na época que estava na Previ não sabia nem a metade do que tinha que saber a respeito de governança e legislação previdenciaria, e agora que está fora desde 2012 muito menos. E então o que fazia ali na mesa ?Além disso, inoportuno o convite da Abrapp ao Sergio pois ele recebeu, como consultor, pagamento de seiscentos mil reais da OAS, empresa investigada no Lava Jato. Na atual conjuntura, por mais que se defenda, pega mal essa ligação, mesmo que profissional. Vários comentavam o caso durante o intervalo para o cafezinho, criticando a presença dele num evento de governança,  no instante que o país discute o assunto das propinas ao PT pelas empreiteiras.

Sasseron ficou marcado na Previ por causa da questão do desrespeito ao teto dos benefícios de 2008, das mudanças no ES , onde contam que ferrou os velhinhos, e da sua saída do recinto do CGPC por ocasião da votação da resolução 26. Perdeu por isso a eleição de 2014 para conselheiro deliberativo da Previ, e agora lançou uma carta libelo contra a Cecília totalmente despropositada a respeito de empréstimo imobiliario, que a diretora já respondeu em seu blog. Pode ?  O clima está pesado.  A transparência maior e algumas mudanças administrativas na Previ, como a saída da Ccoopersysten, estão mexendo com os nervos de muita gente do time oficial.

Conselheiros da Previ participando do encontro só tinham dois, eu e o Willians do conselho fiscal. Encontrei também o Dr. Marcelo Coelho, chefe de gabinete da presidência da Previ, sempre acessível ,  educado e gentil. Teve que voltar mais cedo, pois precisa secretariar a reunião de diretoria da Previ, que se realiza sempre às terças feiras. Pena, tínhamos muitos assuntos para conversar.

Não aprendi quase nada nesse primeiro dia que merecesse registro. O Rene Sanda terminou sua palestra afirmando que GOVERNANCA ê questão de atitude e que devemos estar atentos porque um clic faz toda a diferença. Qual clic ?  Respondeu com um vídeo que deixou todo mundo mais confuso. Alguns acharam até que o vídeo era discriminatório com os negros e com os homossexuais. Se eu conseguir o vídeo eu passo para vocês. Aí vocês chegam a uma conclusão. É bastante engraçado. Mas enigmático. Japonês tem cada uma !

Uma coisa ficou evidente. GOVERNANCA não é o forte da ABRAPP.

SEMANA INTERESSANTE

domingo, 21 de junho de 2015

Amanha se inicia uma semana interessante para nós.


Os números da CASSI começam a ser conhecidos e digeridos em Brasília. Os atuarios e consultores entram em ação. Nossos negociadores acompanham de perto.

Eu estou indo para São Paulo para participar do 3 Encontro  de Governança promovido pela Abrapp. A palestra magna será de Rene Sanda, ex diretor da Previ.  Num dos painéis estarão Sergio Rosa e Sasseron, este como vice presidente da Anapar, substituindo a presidente na última hora. Volto na terça. O que me interessa mesmo nesse seminario é a palestra do superintendente da Previc no final. Tenho um papo importante com ele.

Na quinta feira parto para o Rio a fim de participar da reunião mensal do Conselho Deliberativo da Previ, que acontecerá na sexta. Acabo de mudar meu voo de retorno. A agenda é grande e complexa, a reunião vai até tarde.  O clima está pesado por conta do tal do relatório e de outras coisitas.Uma das mudanças ocorridas no CD é esta. Anteriormente as reuniões aconteciam só na parte da manhã. Tudo se resolvia rapidamente, sem muito debate. Isso mudou com a chegada nossa no CD. Mudancas e melhorias começam a ocorrer também na área administrativa. Alguns feudos estão começando a cair. Exemplo: a Ccoopersysten, que ocupava parte do segundo andar do Mourisco. Daí , quem sabe, a gritaria e a cortina de fumaça.

Lamento não permanecer na segunda em Porto Alegre para me encontrar com a senadora Ana Amélia, que vem acompanhando a Ministra da Agricultura.  Temos que conversar sobre a CPI. Sexta o Gabinete dela me informou que o impasse está em que a situação até agora não indicou os membros. A oposição já se manifestou há tempo.

Com a notícia de que Renan teria recebido trinta milhões do Postalis e da Petros vai ficar ainda mais complicado a implantação da CPI.  Temos que insistir e pressionar. O Governo não quer, a Abrapp não quer, a Contraf Cut não quer. Só isso já é suficiente para a gente desconfiar e querer.

A Policia Federal está encurtando as rédeas com relação as empreiteiras, construtoras e incorporadoras. Começa a chegar perto da fonte. Esquenta PF !  Esquenta ! A rejeição do Governo é alarmante e Lula declara que ele, a presidente Dilma e o PT estão no volume morto. Que coisa !

Por último, uma informação super importante. O  tradicional Encontro de Camboriu das AFABB do  Sul acontecerá no dia 17 de julho e contará com a presença dos presidentes da Previ e da CASSI. Participe você tambem. Vai valer a pena. Agende se. A hora é agora.

Vamos que vamos !

COMUNICAÇÃO, EXPOSIÇÃO E TRANSPARÊNCIA

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Está um debate intenso nas redes da internet a respeito de comunicação e exposição de eleitos da PREVI.  

Tudo por conta da divulgação da notícia a respeito da nova política de remuneração variável da diretoria da PREVI e da listagem, em vigor a partir de abril,  dos conselheiros de empresas participadas .  Debate oportuno e necessário, que merece ser aprofundado , mas começa a ser desviado do seu foco principal, como ultimamente costuma acontecer quando se trata de PREVI e CASSI.

Não vou tomar parte nessa briga, que tem fogo amigo por trás.  Tenho muita coisa pela frente e nessa pretensa fogueira de vaidades eu não entro.   Na segunda feira, dia 22,  por exemplo, fui convidado pela senadora Ana Amélia para um encontro em Porto Alegre, onde ela vem para uma reunião da comissão de agricultura e pecuária. Na nossa pauta estaria conversar sobre a CPI dos fundos de pensão no Senado, que está patinando. Infelizmente, na mesma data, já tinha marcado encontro de governança em São Paulo, promovido pela Abrapp. Vou penetrar com mais profundidade nessa área para balizar meus enfrentamentos. Faço o que posso. Só não posso me virar em dois, embora seja do signo de gêmeos.

                                                         Falando em Xerém=RJ

Estou de consciência tranquila com relação à minha atuação como suplente de conselheiro deliberativo da Previ, em especial desde que me declarei independente em fevereiro. Estou trilhando o caminho que tracei.  Mantenho o blog atualizado três vezes por semana.  Ficou  um pouco mais aberto e insinuante, sempre personalista, traz informações importantes, provoca situações e cumpre os objetivos pelos quais foi criado, como recentemente no caso do canal de notícias do CD, que demorava a ser lançado. Respondo sempre que possível as perguntas feitas no blog. Por isso frequento pouco as redes sociais. 
                                                     Confraternizando em Xerém

Sobretudo procuro estar presente fisicamente junto aos participantes da PREVI, me expondo em reuniões e encontros de aposentados, onde não me furto de prestar esclarecimentos e informações que me são solicitadas, desde que não representem quebra da confidencialidade de operações e atos do nosso fundo de pensão, nem implique no fornecimento de documentos reservados. Assim foi recentemente em Xerém, no encontro nacional de associações de aposentados, promovido pela FAABB, onde fiz, a pedido de Isa Musa, o uso da palavra. Estavam lá 35 associações. Ademais, mantenho um canal muito estreito com o MSU, que apoio desde a primeira hora, tendo inclusive em minha diretoria na AFABB RS um de seus expoentes, o colega Gilberto Steffen.
                                                  Falando sobre a PREVI em Xerém

Aliás, para todos os que me procuram na AFABB RS, onde dou expediente todas as tardes como presidente, forneço as informações que disponho e procuro manter os sócios atualizados.  Acho que essa é uma obrigação que me compete, que faz parte de um cargo sujeito a eleição, que é uma obrigação com os eleitores e os demais. Sei das minhas limitações como mero suplente, que não vota e, portanto, não participa das decisões no CD da Previ. Só direito a voz não adianta nada, pois ninguém liga a mínima. 

Tenho sentido que as pessoas estão mais interessadas naqueles que efetivamente tem o poder do voto e de tomar decisões. Isso não me perturba e realizo o meu trabalho sem me preocupar com a maneira como os outros se comportam e se relacionam com os seus eleitores ou com os demais participantes. Não olho para os lados, só para a frente, em busca de melhorias e soluções. Cada um na sua.  Titular é titular, suplente é suplente.. Como dizia David Nasser, Ninguém é de ninguém. Sou maior e  não procuro dividir a responsabilidade dos meus atos. Ninguém fala por mim.

Feito esse registro, acho - falei acho = que nada me resta senão informar que a rodada de negociação da CASSI, marcada para hoje, foi suspensa, para que os números sejam analisados pelos atuários. Desejo um ótimo final de semana para todas e para todos. 




CONFIANÇA E CREDIBILIDADE

quarta-feira, 17 de junho de 2015


A crise de confiança que acomete este país afeta, sem dúvida, as nossas vidas, pois contamina a economia, a administração pública e a sociedade. A imagem dos governantes e dos gestores sofre com a perda de credibilidade e com o desgaste.  Tudo fica difícil. Ninguém acredita mais neles.

A presidenta Dilma começou a perder a credibilidade quando prometeu energia elétrica mais barata e não cumpriu;  quando prometeu juros mais baratos e não cumpriu;  quando não viu a corrupção da Petrobrás;  quando consentiu nas pedaladas fiscais do Mantega e do Arno Augustin;  quando permitiu os empréstimos mirabolantes do BNDES;  quando sustenta um ministério composto de 39 membros; quando desconhece uma inflação que está estampada nas feiras ;  quando procura enfrentar a crise com ironias, quando escolhe o Bendine, que saiu do BB arranhado, para presidir a Petrobrás. As pesquisas demonstram que a confiança na presidenta despencou. A entrevista com o Jô Soares não ajudou em nada. Despencou também a audiencia do Jô, especialmente depois que se descobriu que ele depende da Dilma para conseguir um donativo de mais de um milhão para uma peça de teatro.

Uma imagem se constroi com atos positivos e com um discurso consistente. Mas pode ser destruída em pouco tempo se os acontecimentos demonstrarem incoerencia, retardamento e equívocos nas decisões.  Também pode ser descontruida com notícias a respeito de que a pessoa está se aproveitando do cargo em proveito próprio, de familiares ou de amigos.

Para mim a principal crise que nos afeta é essa, a crise de confiança nas pessoas e nas instituições. Temos que enfrenta-la para restabelecer a segurança que necessitamos e alimentar a nossa esperança em dias melhores.

Falo disso porque estamos passando por momentos turbulentos na CASSI e na PREVI.  E torna-se indispensável que exista confiança nas pessoas e nos dirigentes para que as propostas e as decisões adquiram a necessária credibilidade.  E´ justamente nessas horas que precisamos identificar quais os verdadeiros interesses que movem os protagonistas, bem como separar devidamente o joio do trigo. Difícil ? Sim, mas imprescindível.

Quanto à CASSI a proposta da FAABB, iniciada na histórica e pioneira reunião realizada na AFABB RS em janeiro, costurada e concluida na reunião de Xerém recentemente acontecida, é um sinal inequívoco de que a nossa união é possível e que temos condições de sugerir medidas consistentes e objetivas. Deverá ser apresentada na rodade de negociação de amanhã, dia 19 .

Quanto à PREVI temos que festejar e debater. Festejar a divulgação das decisões do CD, ainda precária e incompleta, ao meu ver, mas finalmente colocada no ar; a nova política de remuneração variável, ainda defeituosa, mas certamente melhor do que a existente; e o teto dos benefícios que deverá sair este mes, uma reivindicação que vem desde 2008, ainda de conteúdo indefinido, mas real.  Devemos e podemos partir para o debate e a crítica desses assuntos, e certamente de outros  indigestos que aos poucos serão conhecidos, como a questão dos conselhos para os dirigentes, abordado pelo professor Ari Zanella em seu último post, o auxilio moradia, as mordomias,  pois a transparencia está melhorando, e ainda por cima existe um grupo de funcionários da Previ descontentes, que sstão se encarregando de divulgar situações e fatos que eles desaprovam no fundo, como a viagem a Londres de conselheiros em final de mandato.

Espero, porém, que essa crítica e esse debate seja feito com o devido respeito, sem agressões desnecessárias, embora reconheça que o clima de indignação e de inconformismo seja bastante acentuado. E o meio campo do BB não está inspirado. Haja paciencia !  Repito, imagens se constroem e se destroem. Esperanças vêm e vão. Os tempos atuais não são fáceis. Há muito insensatez e oportunismo, promessas não cumpridas, expectativas que se desvanecem, decisões inoportunas e retardadas.. Tempos de Allan Toledo e de Pizzolato. Tempos de pedaladas. Tempos modernos ! Tempos difíceis !

Vamos que vamos !  Ou não vamos ?




O QUE ESTÁ ROLANDO

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Muita coisa rolando em nosso meio. Alguns perdem o foco. Cortina de fumaça, bode na sala, distrações, atrapalham a visão daquilo que é mais prioritário e importante. E´ preciso estar atento.

O CINFAABB é um evento que movimenta milhares de colegas das AABBs de todo o país. E´ organizado pela FENABB e tem o apoio do Banco do Brasil.  Acontece este ano em Belém do Pará e teve seu início no sábado, dia 13, com a presença do presidente do banco e da Previ.  Já participei de vários encontros anteriormente disputando tênis, em duplas, conquistando várias medalhas, mas este ano não consegui ir, cheio de compromissos profissionais e funcionais. Não me lembro nunca de ter visto um presidente do BB na inauguração. Dá para desconfiar...

Hoje passei o dia envolvido em uma questão do INSS. Depois que assumi na Previ substabeleci os mandatos das ações que possuía contra o nosso fundo de pensão.  Mas ainda advogo em antigos processos contra o INSS e a CEF. A demanda que estudei hoje já dura cerca de vinte anos, vejam só. Um dos cinco autores já morreu e outro está a perigo. A matéria em discussão diz respeito ao interesse de agir para melhorar o benefício do INSS, tendo em vista o fato de receber complementação por parte da PREVI.  Minha tese é de que essa circunstancia não exime o INSS de pagar a menos. Tem que ser condenado a pagar o valor que pagou a menos. Ao autor é que cabe restituir para a Previ a quantia dos atrasados que recebeu. O Judiciário acha que a Previ é rica e o INSS é pobre, porque está deficitário, com um baita rombo. Daí tenta favorecer a autarquia e nos ferrar.

Está fervendo a rodada de negociação a respeito da CASSI marcada para o dia 19 de junho.  O BB tem pressa inaudita. Dá também para desconfiar. A FAABB concluiu sua proposta a respeito da CASSI e vai levar para a comissão de negociação.  Tratam se de medidas que foram elencadas e aprovadas na reunião de Xerém da semana passada e é uma comprovação de que as associações de aposentados trabalharam de maneira concreta para apresentar uma solução para a CASSI.  Esses estudos iniciaram numa reunião histórica que aconteceu em janeiro na AFABB RS, lembram ?

Também está fervendo a notícia da prisão e envolvimento do ex vice presidente do BB, Allan Toledo, numa operação da Polícia Federal no Paraná.  E´ uma vergonha 1  Seguidamente somos sacudidos por notícias similares.  Falando nisso, o Pizzolato conseguiu adiar, na última hora, seu regresso ao Brasil, mediante recurso judicial que teve acolhida no tribunal italiano. Ele estava fazendo greve de fome.  Por sinal, aparecia bastante gordo na imagem transmitida pela TV.

Falando em TV, uma vergonha deprimente e repleta de bajulação rasteira a entevista conduzida pelo Jô Soares com a presidente Dilma. Manchou a biografia do Gordo.  Precisava tanta baixaria, Jô ?  Já fui fã dele, mas ultimamente decaiu muito. Está mais do que na hora de parar.

Tem outras notícias rolando e fervendo, como , por exemplo, a decisão sobre a remuneração variável dos diretores da PREVI.  Mas por hoje é só.

Vamos que vamos .  Ou não vamos ?

DIVULGAÇÃO DE DECISÕES DO CD DA PREVI - NOVA POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO VARIAVEL DA DIRETORIA

sábado, 13 de junho de 2015

Finalmente saiu o canal de divulgação aprovado pelo Conselho Deliberativo da Previ .  Está no site, meio tímido, meio sem jeito, meio escondido. Mas o importante é que está lá.  Deveria ter sido inaugurado em abril. Demorou, demorou, demorou. Quinta feira reclamei aqui no blog, impaciente. Sexta feira saiu.


Ainda não está cem por cento. Pode melhorar. Mas deve ser saudado como um marco histórico. Nunca antes a Previ disponibilizou aos seus participantes notícias de decisões tomadas em reuniões do Conselho Deliberativo, sempre sob o argumento de confidencialidade.

Essa abertura faz parte de um conjunto de propostas de campanha. Difícil implementa las pois somos minoria absoluta, mas essa passou, a bem da transparência.  Sabem que o Carvalho e eu temos blog e sabem que prezamos a comunicação com os participantes. O presidente Gueitiro disse em alto e bom tom, em Porto Alegre, que sabia que o blog do Medeiros nunca deixaria de divulgar algo de errado que acontecesse na Previ. 

Entre as notícias ontem publicadas certamente o destaque é a que trata da aprovação pelo CD da nova política de remuneração variável para a diretoria. Como fala em dirigentes, não diretoria, vários já interpretaram que os conselheiros estão incluidos. Não, não estao. Os conselheiros têm honorarios fixos mensais. A diretoria é que recebe bônus por resultado.

Agora os parâmetros para a concessão de bônus não mais são os do BB, mas são proprios dos fundos de pensão. Foram estipulados um máximo de seis salários anuais a título de remuneração variavel, dependendo do resultado alcançado no exercício.

Vou deixar para o Carvalho fazer uma análise aprofundada da matéria, pois ele teve participação direta na construção desse novo modelo, como coordenador do comitê que apresentou a proposição, e  trabalhou bastante na discussão de suas premissas, empenhando se na defesa de suas ideias, especialmente de colocar um freio nos bônus.

video

Todos sabem que eu não voto. Portanto, não participei da votação desse assunto e tenho várias discordancias pessoais sobre o modelo que foi aprovado.  Mas uma coisa é inegável. Trata se de um avanço sobre o modelo anterior, que era moralmente anacrônico.

Ontem foi o dia dos namorados. O amor estava solto no ar e era saudado pelas flores e pelos sorrisos daqueles que cultuam esse sentimento tão indescritível. Meus parabéns a todos os namorados de qualquer idade . Eu sou um velho enamorado. Daqueles da moda antiga. Meu namoro com a Ana já dura cinquenta e sete anos. E o primeiro dia de namoro, retratado na foto antiga ao lado, parece que foi ontem. O filme acima foi no mesmo lugar do primeiro dia, cinquenta e cinco anos depois. O tempo voa, o amor perdura, ajuda a vencer o tempo. O dia dos namorados desperta recordações e reacende o romantismo do primeiro encontro. O amor é lindo !

DESCONFORTO NA PREVI

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Na reuniao da FAABB em XERÉM, me pediram para falar sobre a PREVI.  Concordei.  O tema Previ fazia parte da programação pela parte da manhã.  Durante a noite anterior preparei alguns tópicos para abordar na minha fala.


Entretanto, não utilizei o material que preparei e alinhavei numas folhas de papel. Acontece que a maior parte da manhã foi ocupada com a exposição da Célia Larichia sobre como tinha sido a rodada de negociação sobre a CASSI, da qual ela participara.  Quando a Célia terminou já eram 11,15 da manhá, e um grupo de dez colegas se retiraram para elaborar uma proposta sobre a Cassi. Com o plenário um tanto esvaziado e limitado no tempo, decidi fazer apenas algumas considerações sobre a minha situação de conselheiro deliberativo suplente na Previ, falando do meu desconforto, que todos aqui, que acompanham o blog, sabem de cor e salteado.



Ocorre que esse desconforto, que eu esperava melhorar com a chegada do novo presidente, vem aumentando cada vez mais.

Foi aprovado no Conselho Deliberativo que as decisões lá tomadas, que não implicassem sigilo, seriam divulgadas aos participantes. Essa abertura na transparência do CD tem sido uma constante nas reuniões desde que o Carvalho e eu assumimos no conselho há um ano.

Pois bem. A primeira divulgação deveria ter ocorrido em abril. Ficamos aguardando. Nada. Na reunião de maio foi feita a reclamação.  O que aconteceu ?  Nada.  No final da reunião a área de comunicação compareceu e tomou ciência dos principais assuntos a serem divulgados. Até agora nada. Incrível.

Tem um assunto de magna relevância que finalmente foi aprovado no CD e deve ser divulgado aos participantes o quanto antes.  Trata se da nova política de remuneração variavel da diretoria da Previ, que foi totalmente desvinculada do BB. Agora a remuneração variavel dos diretores está sujeita a parámetros próprios. Pois até agora nada da divulgação. O que está em destaque no site da Previ é o patético programa de integração com os aposentados lançado pelo BB, que realmente nada interessa aos participantes do fundo.

Igualmente não temos nenhuma novidade a respeito de uma solução para a cobrança da devolução da cesta alimentação e sobre o anunciado estudo de melhoria no ES com a combinação com a Capec.

São essas coisas que desgastam o nosso trabalho e causam ruído desnecessario, como acontece com a novela sobre o tal do relatório, que até hoje eu não sei porque o presidente não larga uma nota oficial sobre a questão.

E depois haja paciência!  O que há de sobra é desconforto.



QUEREM LUCRO A QUALQUER PRECO

terça-feira, 9 de junho de 2015

A minha impressão a respeito da negociação sobre a Cassi é de que o BB decidiu mesmo se ver livre da responsabilidade com os aposentados, não mais contribuindo mensalmente para o plano de associados, mediante liberação da provisão de 5,8 bilhões. Isso está decidido terminantemente. O que se discute agora é o que o BB vai ceder para conseguir o que quer.


Na primeira rodada de negociação o BB guloso estava bastante duro no atendimento das demandas dos representantes dos associados. Cantou grosso. Ameaçou. Falou que não tinha nenhum compromisso com os pós laboral. Só com o pessoal da ativa. Agora já está mais mole, já admite algumas concessões.

O que está evidente é que o BB tem pressa e que vai com sede ao pote. Nova rodada foi marcada para o dia 19. Essa urgência não pode mais ser argumentada com base no fim das reservas. Descobriu se que existem reservas suficientes até o mês de novembro, em outras palavras, até o final do ano. O contingenciamento pode ter ajudado a melhorar o quadro. Ou então a previsão alarmista era só para precipitar o debate. Acredito mais nessa última hipótese.

O que também está na cara é que o projeto do BB é obter lucro a qualquer preço. Se necessário mesmo às custas da saúde dos aposentados e pensionistas. O lucro do BB representa pagamento de remuneração variavel, representa pagamento de PLR. Querem porque querem. Pois então vamos exigir bastante coisa em troca. Coisas concretas. Não vamos fazer como no superavit que aceitamos promessa de revisão de benefícios, só promessas, não cumpridas.

                                                              Claudio Lahoegue

Na reunião da FAABB , em XERÉM, sede campestre da AAFBB, onde está o famoso sítio do Zeca Pagodinho e o campo de treinamento do Fluminense, estavam vários colegas estudiosos da CaSSI, como o Sergio Faracco, o Ebenezer, o Arnaldo, o Paim, e o nosso Cláudio Lahorgue, que está na foto acima,  todos com trabalho visando um projeto de salvação e de estruturação da Caixa. Foi criada uma comissão para tentar unificar as propostas e criar uma alternativa robusta para levar à mesa de negociação. Foi bom ver esse pessoal debruçado trabalhando junto. Uma união necessaria e salutar.

Procura-se  manter, custe o que custar, o princípio de solidariedade e a responsabilidade do banco com os aposentados em caso de futuro deficit.  Oxalá consigam. Não podemos se entregar pros homens, de jeito nenhum.


REUNIÃO DA FAABB EM XERÉM RJ

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Em busca de medidas concretas estou indo hoje ao Rio de Janeiro para participar, na sede da AAFBB, em XERÉM, duma importante e bastante concorrida reunião da FAABB, que vai tratar da CASSI e da PREVI.


Temos que sair das conversações e das postagens para ações. Chega de blábláblá ou de mimimi. Vamos nos mobilizar e partir para ações enérgicas e corajosas. Vamos para o enfrentamento na linha de  frente. Temos que definitivamente sair da nossa zona de conforto, sair do sofá, da frente da TV e do computador, e ir para as ruas. Cadê as nossas lideranças ? Cadê os nossos colegas ? Cadê as queridas pensionistas ?

Hoje tem a terceira rodada de negociação da CASSI.  Marcaram para a mesma data de nossa reunião. Terá sido de propósito ? Passei a desconfiar de tudo. Considero indecorosa a proposta do BB, de se livrar da sua responsabilidade na CASSI com os aposentados e pensionistas mediante liberação da verba aprovisionada no balanço de cerca de cinco bilhões e meio.

Alguns colegas acham que os diretores atuais do BB querem se ver livre da CASSI por um motivo fútil e egoísta. É que o saneamento financeiro da CASSI representa ónus para o banco, redução do lucro em seu balanço, e isso representa perda de participação nos resultados , o PLR,  o que, em outras palavras, quer dizer diminuição da remuneração variável dos dirigentes. E isso é muito triste, se for verdade. O fim do mundo.

Eu sabia que existia esse projeto do BB de se ver livre dos aposentados na CASSI. Quando foi falado pela primeira vez  pelo diretor de recursos humanos do banco , Luiz Oswaldo,  eu entrei na Justiça com um protesto de ressalva de direitos, provando a responsabilidade da instituição conosco. Houveram outras ações declaratórias. O banco recuou e agora, aproveitando se da dificuldade financeira por que passa a CASSI,  voltou à carga. Temos que fazer valer nossos direitos.

Vou propor na reunião que a FAABB , a AAFBB e as demais associações estaduais promovam uma grande manifestação de protesto contra essa situação e contra as medidas propostas pelo BB com relação a CASSI. Não podemos fazer greve, como o pessoal da ativa, mas podemos fazer bastante barulho. Podemos chamar a atenção da mídia. A saúde é muito importante. Não podemos perder a CASSI de jeito nenhum. A sociedade dará apoio às nossas reivindicações pois o tema da saúde sensibiliza muita gente, ao contrário das aposentadorias, que  acham privilegiadas. Isso não quer dizer que descarto manifestação no Mourisco contra a Previ. Não. Ambas têm que sair. Uma em Brasília, outra no Rio. Não posso mais organizar manifestação contra a Previ pois faço parte da gestão. Apenas posso incentivar. Mas a  da CASSI é urgente e posso ajudar a coordenar.Temos que nos mexer. Nada de distrações como a tal de integração proposta pelo BB. É preciso mantermos o foco. Vamos nos mobilizar, gente !

Vamos que vamos !   Boa semana a todas e a todos.




PENSAM QUE SOMOS IDIOTAS

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Nao fui, não assisti e não gostei da patética cena promovida pelo BB sob o pretexto de integração dos aposentados com o banco. Aliás sequer fui convidado. Não sei porque os dirigentes atuais do BB não gostam de mim. Os antigos me apreciavam, especialmente Nestor Jost, que me convidou para secretário, Oswaldo  Colin , que me convidou para diretor da CREAI,  e Karlos Rischbieter, que me convidou para consultor jurídico do banco. Não pude aceitar nenhum dos convites. A Ana se recusou a morar em Brasília. Não quis criar os quatro filhos no meio da politicagem e da corrupção.

Segundo inúmeros relatos, o ato da integração foi um espetáculo deplorável, de muito mau gosto e surrealista Quem idealizou ou organizou tal evento deveria ser despedido se pertencer ao quadro funcional do BB, ou forçado a devolver eventuais honorários, se contratado de fora. Não agradou, exceto à ANABB,  e gerou até revolta de vários colegas.


Querem integrar para nos tirar a CASSI. Nos tratam como idiotas. No crachá e na carteirinha que pretendem nos dar deveria estar escrito a palavra idiota, em vez de aposentado do BB. É o que pensam que somos ou no que nos transformamos ao nos aposentar.

Muitos pretendem devolver o kit da integração. Quanto será que custou ?  Será que não foi impresso na gráfica do Vaccari , a Bancoop,  a mesma que imprimia os informativos da Previ ?  Temos que saber  a bem da transparência.


Em todos esses anos  nunca o banco esteve tão distanciado dos seus aposentados e pensionistas, nunca a diretoria da instituição foi tão insensível aos direitos e aos reclamos daqueles que deram seu sangue, suor e lágrimas para construir a sua grandeza,  nunca estivemos com a CASSI e a PREVI tão a perigo. Nunca antes na história deste país aconteceu situação igual à que estamos vivendo.

A diferença salarial entre a elite de altos funcionários com o quadro básico do BB é um verdadeiro abismo. Antes o Banco do Brasil primava por um quadro de carreira homogêneo, sem distorções gritantes como acontece hoje. Aposentadoria como a do ex presidente Bendine é um acinte e um escárnio.

Se querem a integração nossa vou dar uma singela sugestão. Comecem saneando financeiramente a CASSI. O BB é igualmente culpado por problemas de gestão. Esse é o espetáculo que esperávamos ver. O presidente anunciando que o banco continuaria a cuidar de nossa saúde. E em vez disso veio falar de voluntariado e de orgulho. Ora ...

Nós não precisamos de crachá para mostrar quem somos. Trazemos o verdadeiro espírito do Banco do Brasil gravado indelevelmente em nosso olhar. Basta isso. Nos olhem como nós somos e nos respeitem pelo que fomos. Basta isso. Chega de palhaçada ! Não nos tirem do sério com espetáculos burlescos e não nos tirem a CASSI. Não somos idiotas. Nós somos os donos da PREVI, os associados da CASSI e aqueles que escreveram a história e a grandeza do Banco do Brasil. Nos respeitem como tal.Não precisamos nos integrar, já estamos dentro. Quem estão precisando de integração são os dirigentes. Acordem, antes que seja tarde demais.

AVALIANDO O NOVO PRESIDENTE DA PREVI

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Sei que estão bombando outros assuntos, como a questão do relatório da Previ, nos blogs da Cecilia e do Adaí, da caravana da alegria a Londres, no blog do Ari Zanella, da desintegração do BB com os aposentados, no blog do Marcos Cordeiro, da negociação da CASSI no blog dos bancário, mas me comprometi a avaliar os cem dias iniciais do novo presidente da Previ e tenho que me desincumbir da missão, espinhosa por sinal.

Os participantes, especialmente os meus eleitores, há tempos me cobram uma avaliação sobre o novo presidente da Previ, Gueitiro Genso. Querem saber se sua vinda será boa ou ruim para a nossa Previ. Querem saber se sua inexperiência no sistema de previdência complementar e sua pouca idade, 43 anos, irá comprometer sua atuação. Querem saber se será um salvador da pátria ou um mero fantoche ou pau mandado do patrocinador BB. Querem saber se é um idealista ou um carreirista. Enfim , querem a minha opinião. Acham que minha bola de cristal funciona.


Todos sabem que divergi do Carvalho quando ele votou aprovando a indicação do Gueitiro. Sugeri um voto de desconfiança e justifiquei.

O novo presidente chegou com uma proposta de melhoria de relacionamento com os participantes. Pior não poderia estar. Dan Conrado nunca se aproximou. Marco Geovanne ameaçou processar a presidente da FAABB. Marcel está queimado com a maioria das associações de aposentados e pensionistas por conta da cesta alimentação e do ES restritivo e discriminatório.

Gueitiro manifestou  de pronto disposição de visitar a Afabb Rs em Porto Alegre e manter diálogo. Dei prazo. Alimentei expectativas de melhorias. Promovi um encontro cordial e amistoso em nossa sede no dia 27 de abril. E aguardei a tomada de providências concretas e rápidas, na cesta alimentação e no ES. Uma das famas do Gueitiro era de que se tratava de um gestor hábil e ágil. Entretanto, decorridos cem dias de sua posse nada ou quase nada aconteceu digno de registro. Abertura para troca de idéias? Já é alguma coisa, mas muito pouco. Frustração e decepção.

O que se comenta nos corredores sombrios do fechado Mourisco é de que o novo presidente não gosta de ser pressionado pelas redes sociais. Está incomodado. Então, sinto muito, aceitou o cargo errado e vai seguir o mesmo caminho do seu antecessor, sempre indisposto com os blogs e com os reclamos dos participantes.

Outra mimimi que corre na central de boatos que se instalou entre os funcionários descontentes na sede da Previ é sobre os conselhos de empresas participadas que o Gueitiro pretende assumir, sabido que o conselho de administração da Vale cabe ao presidente da Previ.As empresas participadas exigem tempo, além de pagar honorários polpudos. O novo presidente terá que explicar aos participantes como vai arranjar tempo para gerir a Previ, que na atual conjuntura difícil por que passam os fundos de pensão está a exigir tempo integral, e as empresas participadas das quais for conselheiro, se assumir mais de uma, e quanto ganha nelas por mês. Fala se que os honorários das empresas participadas agora são melhor do que bônus. Será mesmo ? Terá de dar muitas explicações para sustentar sua imagem ou então se recolher ao confinamento dos presidentes anteriores.

Também nos bastidores se fala é de como o clima ficou pesado na diretoria da Previ depois da chegada do Gueitiro. Parece que teve diretor que achou que , face à alegada inexperiência do novo comandante, poderia deitar e rolar. Quebrou o pau. Houve denúncia de violação de ética e sigilo. O presidente está mudo. Precisa mostrar autoridade o quanto antes. Largar uma nota oficial tranquilizadora aos participantes do fundo.

Por último, se comenta que Gueitiro não conseguiu fazer o sucessor do Geovanne. Pretendia trazer um colega amigo para diretor de investimentos, mas o atual, Márcio, não quis sair da área para a de participações. Veio outro, então. 

A postagem de hoje contém conversas de bastidores e corredores, mas onde tem fumaça tem fogo, e são dessas coisas que se constroem a imagem e uma avaliação inicial de um novo presidente, que tem repetidamente declarado que sua atuação está contingenciada por um colegiado. Certamente vai dizer o que há de verdade ou não nessas insinuações e provocações.

Concluo afirmando que torço pelo GUEITIRO, que acho ele simpático, educado e inteligente.
Entretanto, me parece que entrou com o pé esquerdo, que precisa se afirmar mais como presidente e
se cercar de conselheiros e assessores sinceros, que não tenham medo de criticar algumas decisões inoportunas e inadequadas que vem tomando, nem de sugerir medidas concretas e positivas para a real melhoria dos participantes e da Previ. Minha avaliação inicial sobre o novo presidente da Previ, infelizmente, é negativa. Tomara venha a melhorar. Tem condições para tal.

COMEÇANDO A CHUTAR O BALDE UM ANO DEPOIS DA POSSE NA PREVI

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Atendendo alguns apelos, não vou chutar o balde de uma vez só. Vou devagar. Chutando aos poucos, pelas beiradas. Vai ser mais doloroso para eles e mais proveitoso para nós. Sigo os ensinamentos do mestre chinês, autor da Arte da Guerra.

Realmente, a paciência acabou. Passou-se um ano inteiro da minha posse na Previ como suplente do conselho deliberativo. Um ano ! Um ano de desconforto !  Um ano procurando melhorias para os participantes e para o nosso fundo de pensão !  Um ano de desconsideração,  frustração e decepção ! Chega. Enchi o saco.

Assumi consciente de meu papel de oposição, pelo qual fui eleito. Mas disposto ao diálogo e a conviver com as divergências de idéias. Jamais me furtei à crítica construtiva, nem a exteriorizar meus pontos de vista, desde que coerentes e fundamentados.

Não fui bem recebido na Previ. Senti me discriminado e injustiçado, pois sequer respeitaram minha história e meus serviços prestados como presidente do conselho fiscal anteriormente. Um estranho no ninho, tratado não como adversário, mas como inimigo.

Lembro que critiquei honestamente aqui no blog a programação do encontro de conselheiros, organizado pela área de participações da Previ, realizado em agosto no Hotel Sofitel, no Rio. O diretor Marco Geovanne não gostou e falou pra mim que queria discutir a respeito. Prontifiquei me, mas ele nunca mais voltou a tocar no assunto e, rançoso,  nunca mais falou comigo. Comentaram que em razão dessa crítica eu não seria indicado nem nomeado conselheiro de empresa participada, como de fato não fui. Pelo jeito criticar na Previ é proibido. Significa ofensa.Ainda mais vindo de mim.

 Eu não me importo de não ser selecionado. Não preciso. Só acho que os critérios utilizados tem que ser os de mais valia para a PREVI e , a propósito, lembro que a Vale não comprou a Xstrata graças a minha intervenção  quando conselheiro fiscal da empresa. Hoje ela estaria quebrada. Para isso é que servem os conselheiros.


No caso da liberação do Geovanne da quarentena para trabalhar no Bank of America, sobre a qual meu parecer era contrário, mas eu não tenho voto no conselho deliberativo, só voz, eu não recebi o parecer jurídico proferido a posteriori sobre o caso.  Considerei essa omissão mais um desrespeito à minha condição de conselheiro, que tem direito a receber toda a documentação.

No final da reunião do dia 22 solicitei o registro em ata dessa grave omissão e manifestei meu desconforto com esse tratamento que me era dispensado, injusto e contrário às normas de governança do fundo, fazendo também outras colocações, como, por exemplo, sobre a minha situação como advogado, colocada sob suspeição, como impedimento a concorrer a conselhos, reiterando a informação de que , após minha posse na Previ, substabeleci todas as ações em andamento que possuía contra o fundo para outro advogado, de acordo com as normas éticas da OAB, o que pode ser perfeitamente conferido pelos funcionários da Previ, se tiverem disposição política e administrativa para tal.

Esses os esclarecimentos iniciais que achei necessário fazer ao dar início à série chutando no balde. E os faço preventivamente porque sei da maneira como eles se defendem, sempre com insinuações maliciosas ou acusações tortuosas. A verdade está aí em cima.

Na próxima postagem, farei , conforme prometido, minha avaliação sobre os primeiros cem dias do Presidente Gueitiro na Previ. Aguardem. Contém informações interessantes.

Vamos que vamos.