EXPERIÊNCIA VALE NA PREVI ?

sábado, 21 de fevereiro de 2015

O novo presidente da Previ, já aprovado pelo CD, em consulta virtual, Gueitiro Genso, não tem nenhuma experiência em previdência complementar e teria declarado que isso não teria importância pois assumiria o posto desprovido de quaisquer vícios do sistema.


Instalou se alguma polêmica a respeito. Uns não deram bola, tanto faz, outros apoiaram, deram luz verde, e houve aqueles que, como eu, acharam que a escolha deveria recair em pessoa com conhecimento da previdência complementar. Democracia é isso. Direito de divergência.

Paralelamente, nas redes sociais, travou se um debate interessante a respeito da capacitação dos dirigentes e conselheiros eleitos para o nosso fundo de pensão. Houve quem afirmou que os indicados pelo BB são altamente preparados, ao contrário dos eleitos. Esse desnível tecnico é que justificaria a maioria dos problemas que nos afetam na CASSI e na Previ.

Vou enfiar a carapuça, já que estou incluído na onda. E vou concordar com a tese, defendida por ex conselheiro da Previ.

De fato, o nosso conhecimento da previdência complementar é bastante superficial, básico, mais conjuntural do que estrutural. Até porque ela é fechada mesmo e pouco transparente. Os estudiosos do sistema, entre nós, são poucos. Atualmente se destacam o mestre Ruy Brito, Ebenezer, Isa Musa, Sérgio Faraco, Tolendall, e outros que deixo de citar, e peço desculpas,  por falta de espaço, como, por exemplo, o Piani.

Tratam se de colegas que se aprofundam nos estudos e procuram examinar os assuntos com consistência, coerência, bom senso e sobretudo sob a ótica das leis e normas que regem a matéria,  e o jugo dos números, que, embora a contabilidade criativa, não podem mentir nem nos enganar.

Como sempre opino , e essa é uma das características fundamentais do blog do Medeiros, digo que considero experiência fundamental para o bom exercício de cargo na Previ ou em qualquer outro fundo de pensão.  Por isso a Abrapp realiza inúmeros cursos de aprendizagem e de aperfeiçoamento para dirigentes e conselheiros de fundos de pensão, especialmente para os novos.

De minha parte na Previ, embora minha experiência anterior de quatro anos como conselheiro fiscal, 2002/2006, senti a necessidade de realizar cursos e seminários de atualização a fim de poder me preparar melhor para exercer meu cargo na instituição e colaborar com alguns trabalhos eventuais, já que não tenho voto nas reuniões. Sou zero nas decisões. Nesse sentido participei de um curso da Abrapp sobre investimentos em cenário dificil, no Rio, um curso da Abrapp sobre integração de órgãos de governança, em Porto Alegre, um encontro da Abrapp sobre ações judiciais contra fundos de pensão, em São Paulo, um seminário da Anabb sobre o Banco do Brasil, em Brasília, Congressos da Abrapp e do IBGC, em São Paulo, e agora pretendo participar de um curso sobre demonstrações contabeis, em Porto Alegre.

Com esses cursos e mais os estudos particulares que venho fazendo nos normativos da Previ e da Previc, é que estou me sentindo em melhores condições para apresentar, com bases sólidas e quicás irrefutáveis, trabalhos verdadeiramente consistentes na Previ.  Talvez outros, mais jovens, aprendam mais rápido, como o novo presidente de apenas 43 anos. Mas eu , com 76 e coluna avariada ultimamente, preciso de um certo tempo para amadurecer e assimilar, ainda mais num cenário e num clima hostil, com um padrão de difícil convivência.

Por tudo isso é que mantenho a minha posição de um voto de desconfiança no novo presidente e continuo torcendo para que ele, que exibe, segundo a mídia, excelente folha funcional e técnica e contra o qual, repito, nada tenho contra sua pessoa, prove que estou errado. Estamos precisando muito, muito mesmo, de uma gestão eficiente, fraterna e transparente na Previ.


55 comentários:

Anônimo disse...

Dr. Medeiros,

O doutor tem razão. Eles se aproveitam de nosso despreparo. Há necessidade de cursos e seminários para atuar com maior eficiência. Precisamos de líderes preparados. Você é um deles.

Rubens

Anônimo disse...

Caro Medeiros,

Muito bem escrito. Imagino que agora você se sente mais apto a atirar suas bombas e acertar no alvo. Sinto cheiro de pólvora no ar. Conte conosco.

Grupo de aposentados de São Paulo

Anônimo disse...

Sempre lhe achei conhecedor da matéria, um mestre. Mas você humildemente ainda diz que precisou se atualizar para agir. Sinal que as barreiras são fortes. Chegou a nossa hora de cobrar responsabilidades e de apontar as irregularidades. Vamos que vamos.

Arnaldo

Anônimo disse...

Um grande texto. Mais um. Parabéns, mestre Medeiros. Respondeu ao Aristophanes e a outros com sua costumeira classe e sapiência.

Sim, vamos que vamos.

Alda

Anônimo disse...

O voto de divergência significaria voto de indignação, de inconformismo.

edsomn disse...

Todo mundo sabe quem é nocivo mas ninguém faz nada, eu sou a favor de um voto de confiança ao novo mandatário e depois caso contrário porrete nele.


Anônimo disse...

Dr. Medeiros,

Isso seria o correto principalmente se houvesse autonomia nas decisões. Na Previ assim como no BB a assessoria é que salva a pele dessas figuras.
Trabalhei na DG com vários analistas que tem currículo infinitamente superior ao do presidente. O que eles não tem é padrinho.
Experimenta colocar o Tiririca na presidência da Previ que tudo continuará funcionando. Funcionou até com o Dan Conrrado...
Para dizer amém às vontades do patrcinador qualquer macaquinho adestrado consegue

Aristophanes disse...

Prezados colegas(inclusive os anônimos).
No combate, é fundamental conhecer o adversário, para melhor conduzir os enfrentamentos. Também, é improdutivo perder energia e tempo, atirando contra alvos, sabidamente, intransponíveis, ou sem significado estratégico. A liga BB(Patrocinador)+Previ é pétrea e, como instrumentos estatais, se amoldam ao Governo, mormente, pelo significado patrimonial da Previ.(Vejam as análises oferecidas pelo estudioso colega Ebenézer).
Sei que estou repetindo o óbvio. Mas, o faço porque, aqui e em outros blogs, muitos comentaristas repetem palavras de ordem, desaforos e inconformismos, buscando atingir e denunciar aquela monolítica trindade. Perda de tempo. Governo/Previc, BB e Previ, por coerência política e mandamentos administrativos têm de SER alinhados. Podem, eventualmente, não ESTAR alinhados. Nesse caso, a corda quebra na parte mais fraca... Portanto, não se espere, pelo menos em tese, que os gestores sejam independentes e autônomos. É natural, entretanto, que tenham personalidade própria, pensamentos próprios e limites de tolerância. Por isso, é importante conhecermos a personalidade, a competência técnica e o perfil ideológico de gestores que nos dizem respeito, como é o caso, agora, do Abreu(BB) e Gueitiro(Previ). Por isso, cabe-lhes o benefício da dúvida e o período de carência.
O jovem e, até agora bem sucedido bancário, que começa a dirigir a Previ, deve fazer uma profunda reflexão sobre sua nova e distinta missão. Chega num momento difícil para o País e particularmente grave para o Previplano1, do qual ele próprio precisará no futuro(espero que sem os tetos e abonos imorais). É um momento de marcante inflexão na sua carreira. Há pendências estruturais que maculam os destinos da instituição, como a Resolução 26, o voto de minerva e a exclusão do corpo social. Na conjuntura, avolumam-se procedimentos pontuais que, resolvidos com boa vontade e ânimo de atender carências e reclamos justos, muito aliviariam sofrimentos de milhares de assistidos, tais como o corte prematuro do BET, o odioso modelo atual do ES, discriminatório e impraticável, a abrupta cobrança da cesta alimentação, a defasagem de benefícios e, sobretudo, a falta de transparência, da instituição e de seus dirigentes(nomeados e eleitos), dobrados pela lei da mordaça e pela acomodação às mordomias do poder.
O caminho do novo presidente ensejará, com certeza, o encontro de bifurcações, que conduzirão a destinos distintos. Não tenho a sabedoria, para antecipar as opções da sua caminhada, mas uma boa bússola é ter sempre presente o Artigo 1º, do Regulamento do Plano 1, que diz: “Este Regulamento estabelece as normas gerais do Plano de Benefícios 1 (...) que tem o objetivo de promover o bem estar social de seus empregados e respectivos dependentes, por meio da concessão de benefícios e serviços de natureza previdencial”. Na aplicação dessa regra, caso a caso, cumpre, sempre, o questionar: Está promovendo o bem estar social dos assistidos? E quando não for de todo possível, deve-se mostrar a cara e explicar. Sofre-se menos, quando se sabe que a dor é inevitável e atinge a todos, sem poções mágicas para privilegiados.

Em tempo. Medeiros: Grande respeito e admiração, pelas suas posições e combatividade. Mas, viva as diferenças! Por isso sou seguidor e frequentador do seu cantinho azul. Bom fim de semana, que vou tomar minha umbuzada e comer minha tapioca, com queijo de coalho. Ontem foi dia 20! Aristophanes Pereira.

Nei Vaucher disse...



Dr. Medeiros,
A vida tem me mostrado ao longo dos anos, que as pessoas quanto mais cultas e possuidoras de conhecimento, em sua maioria, são também simples e modestas.Gostaria que o senhor, com tudo que escreveu, hoje me contasse porque concorreu como suplente e nao como titular na chapa 3.Creio que muitos colegas também gostariam de saber.
Bom domingo.
nei vaucher.
















Anônimo disse...

O Dr. Medeiros é de uma sapiência à toda prova. Humilde, mas não subserviente, continuou e continua na busca do conhecimento nas diversas áreas.
Agora, mais do que nunca, no que se refere à PREVI e CASSI.
Quanto ao novo presidente da PREVI acredito que foi infeliz em sua afirmação, pois em área tão complexa, onde muitos atuários derrapam, o conhecimento prévio é obrigatório para quem deseja efetuar gestão produtiva.
Talvez sua afirmação -- e isto é uma suposição que faço -- decorra do fato de que o presidente da PREVI não deixa de ser simplesmente um pau mandado do BB-Guloso. Executa conforme manda o patrocinador e fica por isso mesmo.

Anônimo disse...

Segundo corre a bocas miúdas, a indicação do Genso não foi unanimidade no Governo, que queria o Robson Rocha que é filiado ao PT. Vamos aguardar, quem sabe teremos boas surpresas com o novo presidente.

Anônimo disse...

É verdade. Dizem que teve diretor da Previ que trabalhou contra Robson Rocha e agora está apostando que ele vai ficar fragilizado no CD.

Everton disse...

Bonus para diretores e aposentadoria deles na estratosfera para investir dinheiro nosso no lava jato. Previ aplicou 180 milhões na sete brasil e com certeza escafedeu. Até quando vamos ficar parados e deixando que dilapidam o nosso patrimônio?

Haroldo disse...


A experiência é indispensável para a execução de qualquer trabalho. Tenho por opção própria pós-graduação, entretanto, tanto comigo como milhares de alfabetizados, vi, estou vendo e vou continuar vendo entre os "formados", com raras exceções, que esses pedaços de papéis -chamados diplomas - entregues no final de qualquer curso,
nada sabem fazer. Quem faz acontecer é o próprio indivíduo, "colocando a mão na massa".

"Meça a força de seus adversários e só ataque quando sua força for suficiente para vencer. Caso contrário, torne-se amigo de seu adversário, até que seu próprio poder aumente".

Anônimo disse...

E o Pete quer saber de experiência, Medeiros? na folia de Arraial da Ajuda/Porto Seguro/Trancoso, conversando com alguns petistas lunáticos, fiquei convencido que o projeto do lulo-petismo(na realidade, um neo-comunismo, onde a bandeira vermelha vai na frente da brasileira, como na campanha eleitoral) continua de pé, com um recuo estratégico. Enquanto a totalidade das pessoas com alguma inteligência neste País, como é o seu caso, não perceberem, dentro do seu coração, que o Pete representa um perigo de controle total de tudo, nada nos salvará. Os fundos de pensão serão (in)devidamente assaltados, e pouco restará para os velhinhos. Quem viver, verá. Alguns já viram.
Ziriguidum dum dum...acabou...snif.

Anônimo disse...

O PROJETO NEOLIBERAL AMERICANO - O QUE A PREVI E O BB E A PETROBRAS TEM COM ISSO -
É conhecido que a propaganda neo liberal americana prega o estado pequeno, mais forte, e iniciativa privada grande, mas subordinada ao estado fiscalizador. O que ainda temos no Brasil, mesmo com as privatizações que já ocorreram, as principais estatais e o espirito paternalista do estado brasileiro, de longe o maior empregador do país, ainda demonstra um estado enorme e fraco, e uma iniciativa privada capenga (que não se consegue aprumar e disputar mercados internacionais sem a intervenção/ajuda do governo. O que vem ocorrendo no BB e agora torna-se público também na Petrobras, e logo logo, será no BNDES, é o desmonte das grandes estatais (se fosse privada não haveria tanta corrupção - esse é o jargão propagandistico). A questão é isso será melhor para o povo brasileiro ou não. Acredito que não por um simples motivo, nosso povo, infelizmente não tem instrução e não tem raízes políticas - esse foi o grande mal da ditadura militar, ou seja, castrou os brasileiros no que concerne a participação ativa na política (fato esse facil de constatar, pergunte no seu círculo de amizada quantos pessoas participam ativamente dos diretórios politicos de sua cidade, as vezes nem de partido politico e não quer saber disso, e como se diz, e tem raiva de quem sabe). Mas voltando ao tema principal, o desmonte do BB, cujo braço que impede uma ação mais rápida, é o braço internacional, o governo precisa dele e não está sabendo, ou ainda não começou publicamente a sua separação do resto do corpo. Mas mesmo assim está andando e um lance que nos afeta diretamente é fazer com que queiramos a saída do patrocinador de nossas vidas (cassi e previ, provavelmente com a previ assumindo a cassi).
Mas o pior de tudo é que nós somos e como tal somos tratado como simples trabalhadores encarregados das fazendas americanas, inglesas, japoneas, chinesas (que estão se tornando - ou já são - os proprietarios do país.

fernando disse...

Medeirão, parabens pela colocação. Mas ,no meu pensamento ,não sei o que é melhor - um que conheça pouco e tente fazer alguma coisa, mesmo rodeado por aspones, ou aquele que sabe demais(que nos tiraram o BET, voltou as contribuições, colocou nossos ativos em grande parte em ações voláteis, criou os benefícios sem teto. Enfim, não sei para que lado vamos. Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come....

Anônimo disse...

Emérito Mestre MEDEIROS:


Deve-se dar ao filho do SOL-NASCENTE, o mesmo que foi concedido a NAPOLEÃO BONAPARTE: CEM DIAS E CHEGA (desculpe a brutalidade, mas a paciência já torrou)!!!

Anônimo disse...

DR. Medeiros/

O povo gostou e apoiou e teve ate esperanças, com o ministro BARBOSA na presidência do STF. O que mais transpareceu em sua administração? Conhecimento e CORAGEM.
Eh so o que precisamos.

Abrs,.

Anônimo disse...

Colegas,
Com tanta gente inteligente que milita entre nos, não sei como a situação dos blogs e nossa continua a mesma. fazem mais nossos ou menos 5anos que entro em nossos blogs e dou um premio para que alguém enumere um mísero benefício conseguido. Vou repetir com tantas inteligências privilegiadas ninguém dá uma ideia diferente. Vou expor um ponto de vista: nos precisamos penetrar na mídia. Uns dez de nós fariam uma carta para a seção de leitores de grandes jornais, por exemplo Folha, Globo, Estadão. Com várias assinaturas. Outra coisa que estouraria na mídia e o governo esta na defensiva seria a renuncia de toda a chapa 3 eleita. Vamos ter peito. Não adianta sempre levar pancadas em cada reunião e os que levaram bordoadas ainda saírem rindo. RENUNCIA, atitude de homens peitudos.

Anônimo disse...

SR. MEDEIROS,

1-COM A CRISE NA PETROBRÁS, A PREVI FOI AFETADA?
2-SE FOI, QUANTO FOI O VALOR?
3-SE FOI, QUAIS PROVIDÊNCIAS A DIRETORIA DA PREVI, ESTÁ TOMANDO PARA QUE OS ASSOCIADOS NÃO SEJAM PREJUDICADOS?
4-TENDO SIDO AFETADA OU NÃO, JÁ NÃO ERA TEMPO DE A DIRETORIA DA PREVI VIR A PÚBLICO, PRONUNCIAR-SE?

Qual é a opinião do sr?

Abs.

Minas Gerais

antonio americano do brasil borges disse...

Caro Dr. Medeiros,
A divisão de poderes entre os diretores nomeados e eleitos é muito grande, principalmente pelo voto de minerva. Ocorre que antigamente a contribuição era na proporção de 2x1, muito embora até recentemente o BB ainda devia contribuições referentes aos PRÉ-67, e hoje na base de 1/1, acredito que nós teríamos que "brigar"no bom sentido, no sentido de se alterar essa norma. Pergunto: há algum estudo entre as nossas associações nesse sentido?
Caso não haja mudanças, tanto faz tanto fez elegermos nossos representantes, pois na realidade eles não podem fazer qualquer mudança.
Atenciosamente
Antonio Americano
Goiania (GO)

Anônimo disse...

DOUTOR MEDEIROS, PARABÉNS PELO ARTIGO, EXCELENTE. MAS, DESCULPE-ME, AQUELE "HOUVERAM" DOEU NOS MEUS OUVIDOS, NÃO SERIA "HOUVE"? ASSIM COMO O"AFIRMOU", NÃO SERIA "AFIRMASSE"? E O "TRATAM-SE, NÃO SERIA "TRATA-SE". MIL DESCULPAS, MAS, POR FAVOR, NÃO ASSASSINE A NOSSA BELA LÍNGUA PORTUGUESA!!!D!

Anônimo disse...

URGENTE -
Prazo encerra em 02/03/15

Aos Colegas associados da ANABB
que ainda não enviaram a devida "AUTORIZAÇÃO" -
AÇÃO IR 1/3 PREVI- COLETIVA

Em 2010, a ANABB ajuizou ação coletiva, buscando a restituição do imposto de renda pago indevidamente sobre a complementação de aposentadoria (1/3), correspondente ao que já foi tributado sobre as contribuições vertidas pelos participantes no período de 1989 a 1995.

Para execução da ação, conforme postado no site da ANABB, WWW.anabb.org.br é necessário que o associado assine autorização e encaminhe para ANABB, até o dia 02/03/2015, conforme abaixo:

- Visualize e imprima a autorização: clique aqui.

- Imprima, preencha e assine a autorização e envie para a ANABB: pelo correio: SHC/Sul - CR - Quadra 507 - Bloco A - Loja 15 CEP 70351-510 - Brasília – DF ou por FAX (61) 3442-9655 ou ainda por e-mail no endereço acaojudicial@anabb.org.br.

Dada a relevância do assunto, solicito repassar esta informação a maior quantidade possível dos colegas aposentados.

Anônimo disse...

Ontem. em programa da Globonews, Claudio Ábramo, do transparência Brasil, declarou que na Petrobras, maior empresa brasileira (com participação governamental)para que se desviassem aquelas montanhas de dinheiro como propina para diretores, propiciadas pelas mais notáveis empreiteiras do país, o que faltou foi gestão!
Aí eu pergunto, e se isto acontece na maior empresa o que esperar então das demais onde o governo participa?
Sabe-se, que o partido PT, já faz tempo, que, nas eleições pelo pais afora, negocia sua "grife" para empregar sua turma. Na cidade onde resido o PT faz parte da base aliada de apoio ao Prefeito (que é PMDB, ex DEM) e garantiu pelo menos 50 cargos na Prefeitura. Noventa e cinco por cento deles sem preparo algum para os cargos que ocupam (o partido recebe o dízimo mensal).
Somente uma grande mobilização popular poderá mudar este quadro.
Por isto é que devemos apoiar e aumentar nosso apoio ao Medeiros
Colegas, tirem a bunda da cadeira e mobilizem-se!

Anônimo disse...

22/02/2015 12:57

Renúncia é palavra que não deve constar de nosso dicionário, ao menos no caso da PREVI e CASSI.
Com nossos eleitos lá dentro ao menos muitas possíveis tramoias de bastidores poderão vir a público.
E o voto contrário, registrado nas reuniões, é prova cabal de que não somos um rebanho de cabeça baixa.

Anônimo disse...

A não eleição de nossos representantes significaria, a meu ver e s.m.j., puro derrotismo.
Seria a pá de cal sobre nossos anseios e apesar da enorme desvantagem apontada em face do voto de minerva, dos regulamentos, resoluções (a 26), etc., não se entra em uma batalha para perder.
Como dizia o estrategista: se não podes com eles, alia-te em um primeiro momento pois, assim que descoberto o ponto fraco, é por ali que irás derrubá-los.
E, para isto, é necessário que estejamos lá dentro, cientes das manobras nefastas -- principalmente as de bastidores.
Essa aliança inicial sugerida não significa apoiar atos ignominiosos.

Medeiros disse...

Muito obrigado pelas correções devidas. Ando com instinto assassino ultimamente e trato de descarregar nas letras. Realmente não tenho revisado meus textos e fico agradecido para quem o fizer. Faz duas semanas que estou dedicado aos numeros e apavorado. Desculpem os erros.

Anônimo disse...

Essa renovação da capec pede para que se declare que estamos muito bem de saúde, com todos os órgãos perfeitos. Por quê isso!
E se daí à alguns dias se ficarmos doentes?
Seremos prejudicados?
Na declaração anterior (2014) não se pedia isso!
Por favor, alguém responda!

Anônimo disse...

Caros Aposentados,

Os diretores eleitos assinaram documento afirmando que não podem comunicar absolutamente nada, sobre a previ sob pena de serem destituídos.
Ninguém vai falar nada pois perderá o rico salário de QUARENTA E PICOS DE REAIS E AINDA GRATIFICAÇÕES SOBRE ASNNEIRAS EM APLICAÇÕES FINANCEIRAS.
Ou não?

Anônimo disse...

23/02/2015 16:55

Não se preocupe, pois não somos médicos. A declaração é válida para o momento da assinatura e visa informar os que tem doença pré existente e, principalmente, aquelas relacionadas no anexo 1 do regulamento da CAPEC. Como poderia o colega prever, por exemplo (toc toc toc na madeira), um eventual infarto?
Estes, aliás, não é raro acontecerem logo após consulta com cardiologista.
Eu mesmo sofri um deles ao fazer reabilitação cardíaca em academia especializada, acompanhado por cardiologistas.

Valim disse...

Medeiros,
A SAIA JUSTA DA BOA ADMINISTRAÇÃO

SOLUÇÃO DOS CONFLITOS DE INTERESSES PRÓPRIOS VERSUS A FORÇA DOS PODEROSOS.

Nunca ninguém quando tentar se eleger ou reeleger-se numa candidatura estará fazendo sem levar em conta essas duas vertentes: interesses pessoais e a força maior dos poderosos.

Não costumo criticar interesses pessoais, pois os tenho e ninguém vai com a idade que tenho, vir a me dizer que tudo é para o povo parafraseando o falecido Chico Anísio.

O claro que fica para todos nós é que os interesses dos representados ficam em segundo, terceiro, quiçá quarto plano.

O que isto acarreta é que você não perdoa os políticos, pois estes erros não vieram de culpa e mesmo que tenham vindo, para eles a responsabilidade é objetiva, não cabe excludentes de ilicitudes : negligência, imprudência e imperícia.

A própria omissão fere frontalmente o direito real pois a assinatura de um contrato de mordaça é uma lei ficta, usado com a invalidade do mesmo por abuso de poder, num contrato com erro, dolo, e coação, e sem contraditório devido a interesses de não perderem os cargos se eleitos.

A balança da justiça deve estar literalmente equilibrada. Sem atacar estes abusos, os políticos gerenciais estarão em omissão.

Nossos pais cometem erros mas estão dispostos a nos dar as suas vidas e quando estamos na idade deles vemos que somos tão crianças como eles ainda são. Mas a eles cabem culpa (sem intenção) e não dolo ( com intenção) pois nos dão o que mais precioso existe: “SUAS VIDAS”, suas joias caso estejamos precisando de médicos, e eles, mesmo sem situações financeiras “momentâneas” não nos deixam sem esperança de vida e se expõem para nos defenderem. A eles não o perdoamos somente, pedimos perdão pelos contraditórios da vida.

Os políticos não, vemos como são protetores de interesses pessoais que não estão dispostos a correrem nenhum risco por nós, que o colocamos lá, não vendem nem uma bijuteria para nós, para serem palatáveis ao gosto dos poderosos, longe de ser minha mãe nem ao menos meu irmão.

Creio que solução existe para tudo, primeiro: o que queremos e estamos dispostos a buscar. O mundo não é feito de fracos. Segundo: Uma consultoria jurídica sobre este acima mencionado contrato mordaça. Nós aposentados pagaríamos quanto fosse, acredito sinceramente nisso. Terceiro: qual mundo os eleitos querem deixar para seus filhos. Quarto: no nosso caso, sem meia dúzia de gatos pingados, uma nova NOVEMBRADA, daí dou mea-culpa, não vamos chegar a lugar algum. E aqui fica aberta outras idéias.

Esta última, NOVEMBRADA, serviu para as eleições e para as reivindicações porque não fazem algo para acontecer? Os aposentados acredito, esperam este desfecho.

Valim.

Anônimo disse...

"Fundos de pensão já estão incluídos no lava a jato". Previc é uma farsa.

Anônimo disse...

Dr. Medeiros /


Dane-se o Portugueis !

Me dei conta agora /////

O Ministro BARBOSA também
tem dores na coluna.

Não corta grama nem deita
em rede

Hummmmm........

Anônimo disse...

AÇÃO IR 1/3 PREVI - SERÁ QUE OS NETOS DOS NOSSOS NETOS VERÃO O DESFECHO DESSA AÇAO?

Anônimo disse...

As pessoas que criticam os representantes eleitos deveriam, antes de atirar suas pedras, fazer uma profunda reflexão sobre o nível de participação que tiveram nas discussões dos nossos problemas, que não são recentes e nem tão pouco surgiram de uma hora para outra.
Se olharmos para as eleições anteriores da PREVI, vamos encontrar um baixíssimo comparecimento às urnas de aposentados e pensionistas.
sabemos que nestas épocas eleitorais os funcionários da ativa são bombardeados com mensagens nos sistemas do BB que os intima a votar. E no final, o peso desses votos são essenciais para o resultado do pleito.
No entanto, na eleição de 2014, aumentou o número de votantes entre os aposentados, mas a abstenção ainda é muito grande.
Durante muitos anos (14, se não estou enganado) assistimos passivamente os membros da Contraf/Cut (ligados ao sindicalismo do Governo), tomarem assento na PREVI, hegemonia esta que só foi quebrada ano passado.
Durante boa parte deste período a grande maioria que hoje reclama nem tomava conhecimento do que acontecia na PREVI. Afinal o ES nosso de cada dia estava garantido, renovações certas, superávits todo ano, suspensão das contribuições. Enfim, nossa vida era mais tranquila e podíamos nos acomodar em nossos sofás e curtir a vida.
Mas esta realidade começou a mudar há cerca de 5 anos, e só agora acordamos de fato para enxergar a PREVI e seu contexto atual, quando praticamente tudo nos foi tirado. Fim do BET, ES, volta das contribuições, superávits não distribuídos, etc.
Agora nos damos conta de que a nossa situação é pior do que se supunha. No pleito que elegeu o Sr. Marcel Joviniano Barros a luz amarela já estava acesa, muitos viviam implorando por melhorias no ES e sem saber (ou sem querer saber) permitiram mais uma vez que a (nossa) omissão conduzisse ao cargo de representante alguém sem qualquer compromisso conosco.
Vale lembrar que naquele pleito, o Dr. Medeiros era candidato, mas foi "rejeitado".
De lá para cá assistimos incrédulos a versão moderna de Judas tomar copro na figura do Sr. Marcel, que se elegeu prometendo transformar o BET em BEP e acabou por suspendê-lo antes do prazo e ainda fechou as portas do ES, tornando impossível o acesso de muitos ao crédito, que antes era farto e certo.
Hoje, pagamos o preço da nossa omissão ou de uma má escolha.
A PREVI hoje é um arcabouço de trapaças, negociatas, puxadas de tapetes, tudo para desviar os recursos deste fundo bem sucedido para outros cofres.
Junte-se a isso investidas do Governo Federal em outras frentes, como a PREVIC e sua malfadada res.26, outro desvio de recursos sob a forma de uma resolução imoral, mas legal, dentro da legislação vigente. Busca-se uma forma de levantar a inconstitucionalidade da resolução, mas até agora não foi possível sensibilizar políticos ou a justiça.
Este foi o cenário encontrado pelos nossos representantes para agir.
O BB, como patrocinador, tem a maioria e o voto de minerva.Vale lembrar que o voto do Marcel desequilibra o jogo a favor do BB.
É um voto que nos faz falta, muita falta.
Não estou defendendo os nossos atuais representantes, nem os eximindo de suas responsabilidades. Alguns tem falhado na comunicação com a base, mas é inegável o esforço em tentar mudar o atual quadro, ainda que muitas vezes sem muito sucesso. Mas não foram eles que criaram tudo o que aí está e não será de uma hora pra outra que recuperaremos nossa tranquilidade no sofá, se é que a teremos de volta algum dia.
No meu ponto de vista, somos todos responsáveis pelo atual contexto, que não surgiu de repente, mas que veio crescendo à nossa frente, sem que se percebesse.
Muitos aqui querem a varinha de condão, o coelho da cartola, o passe de mágica que nos devolverá tudo o que nos foi tirado.
A varinha, o coelho e a mágica existem. Está dentro de cada um de nós. São as nossas atitudes, a nossa consciência, a nossa participação na luta pelo nossos interesses.

Só assim chegaremos lá.

Anônimo disse...

A sorte está lançada ... dr Medeiros agende um encontro com o novo presidente temos que sair dos blogs e ir para a rua ou melhor para o mourisco sem medo de ser feliz.

Anônimo disse...

Dr Medeiros, desde ontem estou tentando fazer um saque no Alfa Cash mas me informam que as operações com crédito no Banco do Brasil estão bloqueadas temporariamente. Tem como saber as razões?

Anônimo disse...

Colegas,
Parece-me que uma sugestão que formulei para uma RENÚNCIA~, alguns, não aceitaram. Agora, vou repetir, me digam, estamos a vários anos neste rame- rame. Oque resultou.


Eu respondo: Nada. Enquanto não rasgarmos essa casca que envolve o nosso mundinho não conseguiremos nada. Não podemos fazer greve, estamos dispersos pelo mundão brasil o que impede grandes manifestações. Temos que entrar na mídia. A RENUNCIA seria explosiva. Repercutiria dentro do governo que eu já disse está na defensiva. cartasaos grandes jornais, também. Parece-me que o que vários colegas querem e continuar tudo como esta e eles fazem peças literárias lindas. Estou abandonando os blogs. Continuem na letargia. abraços. Nos próximos anos continuaremos empacados. Parabéns a todos.

Anônimo disse...

Doutor Medeiros. Desculpe-me o atrevimento.Aprecio imenso o seu trabalho e a sua capacidade intelectual. Os seus textos são muito bem escritos e essas falhas apenas falta de revisão. Um fraterno abraço e muito, muito obrigado pela sua luta à frente de nossos interesses.

Anônimo disse...

Emérito Mestre MEDEIROS:


O Comentário do colega das 22:30 horas, de 23/02/15, foi um dos melhores que já vi nesse ilustre blog. Resumiu toda a NOSSA TRAGÉDIA e o NOSSO FUTURO NESSE VALE DE LÁGRIMAS CHAMADO PREVI.
RENÚNCIA da Chapa 3, JAMAIS. Será que o exemplo histórico de JÂNIO QUADROS não serve como lição e ensinamento?

Anônimo disse...

Dr Medeiros, pede para o Genso suspender por 6 meses o desconto do ES, por favor.Nao tenho comida na minha mesa.
Me ajude.

Anônimo disse...

Colega das 08,19.
Entenda. V. é dos que querem a continuação do rame rame. A RENUNCIA, além da explosão, depois da poeira baixar seria convocado novo pleito. Em vez de dizer renúncia não de, pelo menos, uma boa sugestão. Em vez de escrever abobrinhas. Leia tudo que escrevi, vão outra sugestões. Continue se lamentando deve ser disso que v. gosta. Desta vez fui mesmo.

Anônimo disse...

Hoje fui impedido de contratar empréstimo junto a Alfacash. O motivo alegado é de que a Preví bloqueou as transações com essa financeira.Alguém teria maiores informações a esse respeito?.

Anônimo disse...

Desde ontem Alfa Cash informa que as transações envolvendo a Previ estão temporariamente suspensas.
Pelo que parece é por conta da ação dos 30% de consignações.

Anônimo disse...

A persistir este impedimento do empréstimo Alfacash, resta-nos proibir, por escrito, que os valores sejam debitados na FOPAG.

Anônimo disse...

Fui informado nesta data, pela ALFHA, que o convenio esta suspenso temporariamente, mas nao disseram o motivo.

Valim disse...

Medeiros,

PARA QUE SERVEM DESCULPAS VAZIAS?

As respostas surtiram de imediato mas o que adianta um calhamaço de escritas com lacunas ilógicas de significado e sem coerência, o que vemos é que não podemos viver de passado e esperar o bolo crescer para depois dividi-lo, isso é fala de uma ditadura recente sem repartição das riquezas e o povo da PREVI não pode esperar, isto sim é genocídio. Essa é uma ideologia da esperança de esperar e não de agir.

As desculpas vazias servem para mostrar dificuldades, para desmotivar e para que saibamos novamente a reaprender esperar. Fique bem claro que ao contrário da assertiva de “muitos” posso afirmar que quem concorreu , estes sim, sabiam das dificuldades a serem enfrentadas e que tomava conhecimento do que acontecia na PREVI e estariam dispostos a mudarem tal situação, se não, para que se elegeram?


Conhecemos logicamente numa metáfora, que um filho leva nove meses para nascer, mas se você não amar sua esposa algumas noites, este filho nunca virá. Então por vontade de ter um filho ou de amar a sua esposa terá que amar mesmo cansado e sabendo que não terá por longos anos a paz de um “casal solteiro”, ganhando seu tempo, para mim não é perder, em prol de quem você quer muito bem.

Os pensionistas e até o pessoal da Ativa não tinham padrinhos para estarem na PREVI e orientação, eram pura massa de manobra, como os novos da Ativa de hoje, que só sabem trabalhar que nem robô. Agora, quem teve o privilégio dos sofás das ANABB, DG, PREVI, Conselhos puderam aprender alguma coisa e assim mesmo cabe uma provinha, ficaria mais democrático.


Não comungo com o pessimismo. Imagine você um General comandando a sua tropa e dizendo: “ Agora damos conta de que a nossa situação é pior do que se supunha” e “ Hoje pagamos o preço da nossa omissão ou de uma má escolha” “ A resolução 26 é imoral, mas legal dentro da legislação vigente” e “ não será de uma hora para outra que recuperaremos nossa tranquilidade no sofá, se é que a teremos de volta algum dia”. Torceria para este General morrer na guerra ou para trocá-lo. Imagine o BOPE subindo o morro e chorando para não morrer.

Este discurso não sei se veio dos eleitos ou do BB, PREVI, PREVIC ou de Marte pois trata-se de um anônimo. Com certeza de quem quer que tenha vindo se tornou situação em pouco tempo ou já era, e talvez sem interesses pessoais... eu duvido.


A minha conclusão é que não podemos e nunca mais nos sentiremos um gado, e eu, me desculpe, nunca fui e que o blá blá blá do texto é hoje num país em efervescência um escárnio de menosprezo de nossa inteligência, onde afirmado que o status quo permanecerá.


A única coisa certa do texto e que serve de conclusão é:” ESTÁ DENTRO DE CADA UM DE NÓS, SÃO AS NOSSAS ATITUDES, CONSCIÊNCIA, A NOSSA PARTICIPAÇÃO NA LUTA PELO NOSSOS INTERESSES”, e que não haja ganância, sei que é difícil, não posso dizer que o faria, mas politicamente a abdicação do bônus iria parar na imprensa marrom que possuímos, não teria como escapar só se os eleitos quisessem. Com esta atitude, vários gargalos: Resolução 26, RMI, Voto de Minerva e outros creio estariam solucionados ou em pauta.

Valim.
OBS: Sabe eu faria a abdicação do bônus pois ele não foi dado à toa. Não gosto de ser fraco, mostraria que eles não conseguem me comprar. E mais, sabendo que está nas minhas mãos as probabilidades de sucesso para os milhares de aposentados, se não fizesse não dormiria direito.

Adoro dormir, nem se for 3 horas, mas com a consciência tranquila daquilo que fiz certo, e com a obrigação de melhorar no dia seguinte, o que fiz de errado, pois medito antes de dormir.

Valim disse...

Medeiros,

Deste assunto podem até xingarem minha mãe, pois querem me ouvir e ouviram, ou me jogarem contra a Chapa 3, na qual julgo que lutei até o último momento por ela e vamos que vamos. O mundo dá volta!!!

Abraços Guerreiro, você esta me devendo duas coisa que lhe pedi e não me destes. Pelo menos uma, vai.

Guerreirão tu és forte, português manda catar coquinho, não precisa demonstrar nada a ninguém. Aqui não é ABL e sim lugar de idéias.

Valim.

Anônimo disse...

Emérito Mestre MEDEIROS:


Assim não dá! Será que ninguém nos ajuda? A Diretoria de Seguridade, está em franco ASSÉDIO MORAL contra nós aposentados. A última PATIFARIA perpetrada, é que estão BLOQUEANDO as solicitações de empréstimos junto ao ALFA CASH. Já vendi carro (popular), deixei de pagar a CASSI de 03 (três) filhos, etc.,. etc.,.
Pelo que conheço de vida, estão armando um POTENTE BARRIL DE POLVÓRA! Aguardem.

Anônimo disse...

O "mea culpa" do colega anônimo de 23/02/2015 22:30 é exemplar.
Parabéns pelo texto bastante elucidativo. Cansei também de instar com colegas aposentados para comparecerem às votações e pouco resultado obtive. Mas continuo incansável pois, como democrata incurável, sei que a mudança só ocorrerá pelo exercício pleno do voto nas pessoas certas. E, mais do que nunca, é preciso saber escolher em todos os níveis e momentos.
Repito: parabéns colega.

Anônimo disse...

Isso que a ALFACASH cobra juros exorbitantes (taxas superiores a 3% a.m), o que, convenhamos, é um absurdo para a modalidade de empréstimos consignados. Pois bem, mas se até essa agora, nos puxa o tapete. Esperar o quê, de quem, quando...???
Mas, enquanto isso, por favor senhores conselheiros, eleitos com o nosso voto e graças a isso, hoje muito bem remunerados: leiam o lamento do anônimo das 09:20 horas. É um colega de vocês, nosso, e com certeza, não é o único. Por favor, recorram ao mais fundo do íntimo, da alma de cada um de vocês e, ao menos, tentem fazer algo, ao menos tentem...!!! A situação é desesperadora...!!!

Edsomn disse...

O Medeiros GaÚcho tchei aqui no rio mando eu e não tem mais de meia duzia de machus para reclamar lá na previdência, na previ não sei!!!
Agora com mais de 20 milhões de votos sou capaz de ganhar as eleições e sem fazer campanha.... MEDEIROS UM DEZ PARA VC!!!!
VC EH UM CARA INTELIGENTE, GOSTO DE VC!!!
PEDE PARA OS DIRETORES PELO MENOS LIBERAR OS APOSENTADOS DAS CONTRIBUIÇÕES, QUE GRANDE AJUDA!!!

Anônimo disse...

jamais a PREVI vai suspender as prestações do ES. Essa cambada quer nos matar de fome.Salário gordo só para esses Diretores.

Anônimo disse...

Coitado do anõnimo das 9.20.Falta pouco para que eu chegue na situação dele. Fora Marcel.A culpa ê toda desse baixinho.
Lourival