VOCÊ VAI OU NÃO VAI ?

quinta-feira, 10 de março de 2016

E então ?  Você vai ou não vai no protesto de domingo ?  Vai continuar inerte sentado na poltrona ?  Vai continuar assistindo este país ir pro brejo ?  Vai compactuar com a roubalheira institucionalizada e com o aparelhamento do Estado ?  Vai deixar eles se apoderarem do dinheiro que você economizou durante toda a vida para garantir uma aposentadoria tranquila ?  Vai pagar o prejuízo e o déficit das contas do seu próprio bolso ?  Vai tirar de onde ?  Vai cortar na carne enquanto eles desfrutam de privilégios, bônus e penduricalhos ?  Enquanto eles compram pedalinhos, sítios e triplex ?

E então ?  Você vai ou não vai ? Você sabe que essa história da BANCOOP é verdadeira, que o Vaccari está metido nela até o pescoço, que esse escândalo foi anterior ao mensalão, que sete mil famílias foram prejudicadas, que os recursos foram desviados criminosamente, que tinha e tem gente poderosa metida no esquema, que a denúncia do Ministério Público de São Paulo, embora possa parecer inoportuna face a Lava Jato, é consistente e vem resgatar uma dívida com os bancários, afinal a Bancoop era vinculada ao Sindicato dos Bancários de São Paulo, se não me engano.
 
E então ?  Você vai ou não vai ?  Você sabe que a PREVI fez operação com a BANCOOP ?  Sabe, sim, isso já foi noticiado mais de uma vez.  A PREVI investiu na BANCOOP.  Quem foi que intermediou a negociação com a diretoria da Previ, então presidida por Sergio Rosa ?  Será que foi o Vaccari ?  Por acaso o Berzoini ?  Essa operação foi questionada por mim e pelo meu suplente Luiz Carlos Teixeira no Conselho Fiscal. Fizemos um auê enorme. Manifestamos nossa inconformidade e indignação. Consideramos que era atípica, havia risco demasiado e que havia conflito de interesses. Lembra Teixeira ?  Depois que veio a público a Previ deu explicações. Houve dificuldade para recuperar o dinheiro do investimento. Parece que no final se conseguiu cobrar tudo. Graças à pressão das associações. Mas esse episódio tem um significado maior. E´ um sinal evidente de que nosso fundo de pensão esteve envolvido com uma empresa suspeita de negócios duvidosos, uma empresa do esquema da OAS, do esquema das propinas. Não sei como isso não foi lembrado na CPI.

E então ?  Você vai ou não vai ?  Você se lembra do Henrique Pizzolatto ?  Diretor da Previ, Diretor de Marketing do BB, Presidente do Conselho Deliberativo da Previ ?  O Pizzolatto que fugiu para a Italia, comprou imóveis na Espanha, e agora está preso num recinto confortável, exigência dele, e aguarda o indulto de Natal ? Se lembra de que ele desviou setenta milhões da Visanet ?  Se lembra que ele foi denunciado por usar indevidamente o cartão corporativo da Previ ?

E então ? Me dirijo a você colega, a você aposentado ou pensionista, a você que sabe tudo o que está acontecendo debaixo do teu nariz, que pode pagar caro por isso.  Você, colega, vai ou não vai ?  Você sabe que se você não fôr, ELA fica ?  Você quer isso ?  Quer que continue esse Governo de 40 Ministros ?  ELA e os quarenta ?  Para o desemprego piorar, a insegurança aumentar, a inflação ficar insuportável, a saúde descambar, as aposentadorias e as pensões sumirem do mapa ?  Uma presidenta que tem apenas oito por cento de satisfação popular, que está refém e isolada no palácio, que, assim como seu antecessor, não sabe de nada que se passa de errado ao seu redor, que tem uma cegueira deliberada. Vai continuar sentado na cadeira, lendo jornal, passivamente. Ou vai ser protagonista dessa mudança ?

Então, você vai ou não vai ? Se fosse no ano passado talvez tudo já estivesse solucionado e nos trilhos de um outro caminho. Está com medo da chuva, de ser chamado de coxinha, de ser hostilizado pela outra manifestação da CUT marcada para o mesmo dia, com medo do confronto e de represália ? Ou não vai só por comodismo ? Por achar que não é com você ?

Tenha uma única certeza. Se você não fôr, ELA ficará.

OU VOCÉ VAI OU ELA FICA.

Eu vou.

36 comentários:

Anônimo disse...

Sensacional, dr. Medeiros

Anônimo disse...

Esta convocação do dr. Medeiros tem que ser distribuida e circular nas redes.

vê disse...

Eu vou sim!

Jeanne disse...

Eu também vou!
jeanne

Anônimo disse...

Esse é o dr. Medeiros que eu conheço e aprendi a admirar. Voltou com força total. Estava com saudades dele. Bravos.

Mario G

Anônimo disse...

Eu não ia, mas agora, após esse chamamento espetacular, eu vou.

Adherbal

Anônimo disse...

Eu também vou.

Terezinha

Anônimo disse...

Uma postagem histórica e inspirada. Deve ser compartilhada.

Vasconcellos

Anônimo disse...

Você voltou, querido. Te amo.

Anônimo disse...

Dr. Medeiros

Eu também não ia, mas agora vou. Estou tirando minha camiseta do armário e minha bandeira.

Nestor

Anônimo disse...

Muito bem Zé

Medeiros disse...

Obrigado pelos apoios. O blog está bombando. Podem compartilhar.

Anônimo disse...

Claro que vamos Medeirão. Vamos que vamos contigo sempre.

Anônimo disse...

Com certeza vamos.

Flavio

Anônimo disse...

E´ agora ou nunca. Já durou demais. Se o Lula for para a Casa Civil aí mesmo que a Casa cai.

Jair Mário Bork disse...

Sou colorado, mas quero gritar: "Até a pé nós iremos".

Esse teu desabafo, Dr. Medeiros, deveria ser impresso e distribuído em panfletagem, nos semáforos. Pena que não dá mais tempo.

Vamos que vamos

joao trindade disse...

Vou e levo um porrete disfarçado de bengala.
Se o caldo entornar levo um comigo.
É tudo ou nada, gente !

Anônimo disse...

Medeirinhos,

Estava com medinho mas vc me convenceu

Georgette

Anônimo disse...

Eu não quero sofrer redução da aposentadoria nem pagar o prejuizo ou deficit que eu não gerei. Eu vou e vou protestar bem alto com essa pouca vergonha.

Anônimo disse...

Vamos deixar o medo de lado e o comodismo e vamos pras ruas, gente !

Adelaide

Medeiros disse...

O blog está batendo recorde de acessos e de compartilhamentos. Ainda bem que o pessoal está atento. Fiz minha parte. Estou de consciencia tranquila. Faça a sua também. Divulgue e compareça no protesto. Ela não tem mais condições de governar. A plástica, o regime alimentar e as pedalads de bicicleta tiraram toda a energia e o discernimento.

Humberto disse...

Medeiros, independentemente de tua autorização, já fiz a divulgação da matéria junto aos meus contatos aqui em Caxias do Sul e outras cidades. Creio que já passou da hora de nos aposentados tomarmos uma posição vigorosa em defesa de nossos legítimos interesses.

Infelizmente, parte considerável dos pos-laborais fica na moita, aguardado que outros se exponham, que lutem por todos nós. Cada um tem, obrigatoriamente, de fazer sua parte, de divulgar tua mensagem junto aos demais colegas, mas e principalmente, participar desse evento do próximo domingo, 13/03.

Chegou a hora, não dá mais para esperar para ver como e que fica. Então, vamos a luta, depois não adianta ficar reclamando.

Humberto - Caxias do Sul

Riba Ponte disse...

Também vou, Dr. Medeiros. Salvemos o Brasil!

Paulo Segundo disse...

Bahhh!Boa!!!!

Anônimo disse...

Eu vou, ora se vou. Chega dessa palhaçada, esse governo já acabou.

Cecília Estivallet disse...

É o mínimo que podemos fazer, comparecer e assumir a responsabilidade dos destinos de nossas vidas.

joao trindade disse...

Irei e convoco quem não esteja acamado ou hospitalizado e puder andar que o faça.
Creio que estamos a um passo de entregar o Brasil aos comunistas, pois nesse sentido as forças do mal estão agindo.
Não podemos perder a vez e, se preciso, dar a vida para tentar salvar o que restou para nossos descendentes.

Anônimo disse...

Delator de Gleisi incrimina líder do governo, ex-ministro Carlos Gabas e ex-presidente da Câmara

O ex-vereador petista Alexandre Romano, conhecido como Chambinho e delator da senadora petista Gleisi Hoffmann, listou em seus depoimentos de colaboração à Justiça como petistas das mais diversas matizes - de um então ministro de Estado ao atual líder do governo na Câmara dos Deputados - embolsaram dinheiro e receberam benesses a partir de favores políticos e desvio de recursos em estatais. A força-tarefa da Operação Lava Jato escancarou o esquema de corrupção instalado na Petrobras, mas os tentáculos do propinoduto chegaram a outras esferas da administração pública, como estatais do setor elétrico, os Correios, empresa que já tinha sido o estopim do escândalo do mensalão, e instituições financeiras, como o Banco do Nordeste.
Chambinho se tornou alvo da Lava Jato em meados de 2015, depois de a força-tarefa do Ministério Público ter mapeado que o advogado e ex-vereador arrecadou mais de 50 milhões de reais em propina a partir de contratos de empréstimos consignados no Ministério do Planejamento. O esquema criminoso, que teve início em meados de 2010, envolve empresas do grupo Consist e pagamentos de vantagens por meio de empresas de fachada e inclui a emissão de notas fiscais falsificadas para desvio de dinheiro público. Mas não é só.
Na delação premiada de Alexandre Romano, homologada recentemente pela Justiça, há detalhes de transações escusas que, muito em breve, darão muita dor de cabeça a figuras coroadas do partido. Aos investigadores, Chambinho disse, por exemplo, como dinheiro de origem ilícita irrigou o caixa dois da campanha da senadora e ex-ministra Gleisi Hoffmann (PT-PR). Parte do dinheiro, revelou ele, saiu de um contrato milionário firmado nos Correios - estatal vinculada ao Ministério das Comunicações, comandado durante anos pelo marido da petista, o também ex-ministro Paulo Bernardo. O próprio Bernardo é citado como beneficiário de dinheiro sujo repassado pelo advogado paranaense Guilherme Gonçalves, também investigado. O dinheiro, como revelou a coluna Radar, chegou à campanha de Gleisi por meio de um contrato fictício firmado com um escritório de advocacia. Quem recebeu a bolada, em nome da campanha, foi Leones Dall'Agnol, ex-chefe de gabinete de Gleisi e de Paulo Bernardo. Por Gleisi ter foro privilegiado, as investigações contra ela estão no Supremo Tribunal Federal (STF).
Outro petista conhecido que sai mal da delação premiada de Chambinho é o deputado gaúcho Marco Maia (PT), ex-presidente da Câmara dos Deputados. Ao Ministério Público Federal, Chambinho relatou em minúcias como comprou, com dinheiro de propina, um apartamento para Marco Maia em um condomínio de luxo em Miami, nos Estados Unidos. A transação foi revelada no ano passado por VEJA. Na ocasião, o deputado negou ser o dono do imóvel, mantido até recentemente em nome do próprio Chambinho. A partir da delação premiada, Marco Maia deverá ser alvo de uma investigação no Supremo.
Aliado de primeira hora da presidente Dilma Rousseff, Carlos Gabas, ex-ministro da Previdência e atual secretário especial da Previdência, também é citado na delação como destinatário das propinas. Chambinho contou que parte do dinheiro sujo que recebia era dividida com Gabas, um dos petistas da Esplanada dos Ministérios mais próximos da presidente - ele ganhou fama, tempos atrás, por ter levado Dilma para passear por Brasília na garupa de sua Harley-Davidson. Segundo Chambinho, o ex-ministro recebeu, durante quatro meses, repasses em dinheiro vivo que totalizaram cerca de 300.000 reais. De acordo com os depoimentos, os pacotes de dinheiro eram entregues pelo sócio de Chambinho a um parente de Gabas, que se encarregava de fazer os recursos chegarem ao ministro.

Anônimo disse...

CONTINUAÇÃO

No acordo de colaboração que fez com a Justiça, o delator também cita nominalmente o atual líder do governo na Câmara, o deputado cearense José Guimarães (CE). Segundo Chambinho, Guimarães valeu-se de sua influência para abrir as portas do Banco do Nordeste para ele e chegou a apresentá-lo um diretor do banco. O lobby do petista foi bem-sucedido e a transação, um empréstimo para construção de usinas, foi levada adiante. Depois de fazer a intermediação do negócio, Guimarães apresentou a fatura: cobrou uma "ajuda" de cerca de 100.000 reais, que foram pagos pelo delator.
Ao site de VEJA, Gabas, por meio de sua assessoria, disse que "nega peremptoriamente qualquer inferência [feita pelo delator] e que nunca recebeu nada nem dele nem de ninguém". Em nota, o líder do governo, José Guimarães, afirmou que tem "a consciência absolutamente tranquila" e que "jamais" se beneficiou de recurso público. "Meu trabalho como deputado pressupõe o diálogo com inúmeras instituições públicas, bem como atendimentos a diversos interlocutores de todas as esferas, conforme se pode acompanhar diariamente pela minha agenda, amplamente repercutida nas redes sociais e na própria imprensa. Uma acusação desse tipo revela oportunismo diante do conturbado momento político no país e a incessante tentativa de criminalizar o PT e o governo, bem como seus defensores e representantes. Adotarei todas as medidas cabíveis, dentro do Estado de Direito, para defender minha honra, contra a qual não tolerarei ataques sem fundamento", disse ele.
O deputado Marco Maia não atendeu os telefonemas da reportagem nem retornou os recados. A senadora Gleisi Hoffmann ainda não se manifestou.

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/delator-de-gleisi-incrimina-lider-do-governo-ex-ministro-carlos-gabas-e-ex-presidente-da-camara

teofilo antonio lameira de souza lameira disse...

Estou dentro. Teofilo Lameira.

Aristophanes disse...

Eu vou! Vou me dar este presente de aniversário, aos 85 anos, comemorando com milhões de brasileiros, a esperança de reconstruir o Brasil! Parlamentarismo, JÁ!

Medeiros disse...

Grande exemplo mestre Aristophanes. Tira uma foto e me manda. Abs

Anônimo disse...

Emérito Mestre MEDEIROS:


Vou atender ao Vosso CHAMAMENTO e VOU ÀS RUAS (acho que é melhor do que ir às armas).

Medeiros disse...

Colega anônimo

Eu não incito à violencia como outros bem mais graudos o fazem e por isso merecem ser recolhidos e vigiados. A manifestação é pacífica. Sem armas.

João Batista Costa Pereira disse...

Eatarei lá amanhã!

Anônimo disse...

Parlamentarismo so se tivermos partidos fortes.

Caso contrário descambaremos para aquela tentativa de remendo da década de 60 que acabou no regime militar...