TEMPOS CONFUSOS

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Perguntam porque sumi. Nada mais postei depois da matéria sobre o pagamento integral da anestesia na Cassi, que aliás gerou divulgação em todo o país.  Muita gente, como eu, nada sabia a respeito.


Bem, a explicação é que estou de férias na praia . Fevereiro é o meu mês de descanso.

Mas existe um outro motivo.  Estou realmente confuso com o que está acontecendo no país diante de nossas caras.

A nomeação de Moreira Franco , a indicação do Ministro da Justiça para o STF e o discurso de Lula no funeral de Sua esposa, me deixaram atônito.

Depois disso não sei o que nos espera.  Não vai ter reação ?

Nossos problemas menores, endividamento, suspensão de prazos, melhorias, atendimento na Cassi, etc, etc., com certeza dependem do arcabouço político que nos cerca e nos domina.

Sem ter um rumo aceitável e sem convicção não vamos a lugar nenhum.

Aliás nem estamos quase podendo sair de casa tal a insegurança que reina no país.

Em Porto Alegre é terrível a situação. Ontem três hoteis foram assaltados.

Aguardo, assim, algumas luzes para trazer informações seguras e debates profícuos ao blog.

O tempo é de cautela e muita reflexão.

8 comentários:

Anônimo disse...

Vivemos em sobressaltos, mas às vezes damos uns suspiros de alivio :

1) Temer NÃO nomeou ao STF a nossa algoz do Cesta-alimentação, nem o mentor que encomendou a decisão, a pedido do BB. Nomeou seu ministro, abrindo vaga para nova nomeação no ministério. Quem ficará no "seguro" da Lava-Jato ? tenho 2 palpites:

a)
b)

2) Aproveitamos Fevereiros, que dão praia boa, aqui no Sul...

Anônimo disse...

Não considero endividamento, suspensão de prazos, melhorias, atendimento na Cassi, não obstante o que vem acontecendo no país nestes últimos dias, como problemas menores.

Pedro Borges disse...

Tempos difíceis mesmo Doutor. Estou residindo em Guarapari-ES, a mais linda praia do estado. Jamais imaginei que, nos meus 75 anos de idade, ainda pudesse assistir às barbáries que estão sendo cometidas por parte da população, em face da greve da polícia militar. Mais de 90 assassinatos em 5 dias, roubos, furtos, assaltos, saques ao comércio, parece que chegamos a um limite inimaginável. Mesmo que existam razões para reclamar dos seus salários penso que a corporação não poderia nunca se aquartelar, usando os seus familiares nos portões, tentando justificar o injustificável. O dever do soldado é defender a população e todos sabem disto ao abraçar a carreira militar. As coisas que acontecem em nosso país nos dias atuais não são próprias de um povo civilizado. O Governo do Espírito Santo, ao contrário de tantas outras unidades, vem mantendo em dia as suas contas, é bem verdade com algum sacrifício dos seus funcionários, mas com pagamentos em dia. Sou mineiro mas aprendi a amar o Espírito Santo e o escolhi para morar em minha velhice, não me conformo que tudo que vem acontecendo. É muito triste.

padilha disse...


É Dr.Medeiros descançe mesmo, que o repouso do guerreiro é totalmente necessário. Esta acontecendo tanta coisa, que o que temos que fazer é orarmos para que Deus/Jesus, tenha misericórdia de nós, esteja na paz, tudo de bom. Mais para frente, pretendo comentar mais alguma coisa, lógico se o seu Blog e o senhor permitir.

Medeiros disse...

Desculpe pela expressão problemas menores. O que eu pretendi dizer é que tem problemas de ordem macroeconômica que se destacam no atual cenário nacional e terminam contaminando os de ordem microeconomica.

Anônimo disse...

Boas Férias, Dr.Medeiros !!!


Abs.

Janone

WILSON LUIZ disse...

SOBRE O EMPRÉSTIMO SIMPLES, NOSSO COMPANHEIRO ATÉ QUE A MORTE NOS SEPARE

Complementando a excelente matéria do colega Aristophanes, no blog do Ari Zanella, faço considerações sobre empréstimo que contraí, valor R$ 100.000,00, prazo 96 meses, em julho/2010.
Inicialmente, o de sempre, pagava-se a parcela e o saldo devedor aumentava, ele só começou a diminuir, gradativamente, a partir do 15º pagamento.

Na primeira parcela, o custo de correção, juros e FQM representou 1,78% sobre o saldo devedor, índice que vai diminuindo mês a mês, sendo de 0,73% no pagamento de janeiro/2017, quando foi paga a 69ª prestação; isto demonstra como são prejudicados os colegas obrigados a renovar com poucas parcelas pagas, justamente os mais necessitados.

Sobre a dúvida do colega sobre o que pode ocorrer no encerramento do contrato, no meu caso faltam 27 parcelas para a quitação total, mas pelo saldo devedor de janeiro/2017(R$ 33.717,00), o mesmo estará pago com mais 18 parcelas(R$ 1.933,00, que foi o valor abatido de capital, sendo prestação de R$ 2.179,00 menos encargos de R$ 246,00). Se a PREVI não aparecer com “contabilidade criativa”, terei pago 87 parcelas, e não 96.

Acredito que isto acontece por causa de distorção no sistema de cobrança, já que o ideal seria que o contrato fosse quitado, automaticamente, na última parcela contratada. Talvez se eles cobrassem menos atualização de saldo devedor no início do contrato e mais no fim, isto pudesse acontecer.

Anônimo disse...

Com a saída do Conselheiro Deliberativo indicado pelo BB, Paulo Roberto Lopes Ricci (que presidia tal Conselho até 14/2/2017), seu suplente, Carlos Alberto Araujo Netto assume.
Dos indicados do BB há duas vagas na suplência.
Escolhido pela PATROCINADORA para presidir o Conselho Deliberativo, O Sr.Walter Malieni Junior.