CARNAVAL CHEGANDO..."MAIS DE MIL PALHAÇOS..."

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

O Carnaval está batendo na porta. Os tamborins estão aquecendo. A folia vai começar na sexta e vai até quarta feira da próxima semana. O Brasil, país do carnaval, vai parar.

Em anos anteriores eu participava efetivamente do carnaval. Entrava em blocos. Desfilava em escolas de samba. De preferência na bateria, na ala das cuícas. Ia a bailes.  Agora estou mais calmo. Evito a violência e as drogas que rolam nas madrugadas. Neste ano irei para a praia. Vou quinta e retorno quarta.

Sei que a praxe é que tudo comece de verdade a partir da quarta feira de cinzas. Aí começa o ano, conforme o adágio popular.

Só que tem muita coisa acontecendo, que nos afeta.

Hoje, terca,  por exemplo, tem importantíssima reunião em Brasília sobre a CASSI.  Foram convocados os participantes da mesa de negociação com o BB.  Tem vários problemas envolvendo a CASSI.  Tem o resultado da consultoria, tem o prejuízo acumulado, que alguns calculam em 500 milhões, tem as resoluções recentemente baixadas pelo Governo, tem a indisposição do BB de assumir sua parte na solução, especialmente com relação aos aposentados.

As resoluções falam que serão respeitados os direitos adquiridos.  Mas temos que deixar as barbas de molho. Eu estou elaborando um documento que vai me proteger. Depois de pronto vou divulgar. Quem quiser aderir será benvindo.

Já fiquei sabendo que o BB vai adiantar 320 milhões para a CASSI a fim de evitar intervenção da ANS.  Breve vai sair comunicação oficial a respeito. Não teve outra saída para o BB.

As bolsas caíram de 85.000 para 81.000, com realização de lucros e mau humor externo com a elevação dos juros nos EEUU, mas hoje estavam se recuperando e chegando nos 84.000. A bolsa é importante para nós na Previ.  As ações da Vale, conforme foi divulgado, a partir deste mês começam a ser cotadas a valor de mercado. Antes era por valor econômico.  Já estiveram a R$ 44,00, hoje andavam a R$ 42,00.  Quanto mais valorizadas melhor para nós, pois poderão gerar o superávit que tanto ansiamos para sustentar as nossas reivindicações de melhorias e ter a necessária tranquilidade no findar de nossas existências.

Vamos entrar no clima carnavalesco ?  "Tanto riso, tanta alegria, mais de mil palhaços no salão". Não, não devemos aceitar vestir a fantasia de palhaço. Temos que ir para as ruas sem máscaras, sem o nariz de palhaço. Chega ! Não é ?

Um feliz carnaval para todos.  Após, os assuntos mais sérios começarão a ser debatidos.  Com certeza. Meu Deus, tem muita coisa. Nem sei por onde começar.

Vamos que vamos. Até.

19 comentários:

Édulo disse...

Amigo Medeiros, que bom que voltou. Sua presença é indispensável. Saúde e paz.

Anônimo disse...

Ótimo Retorno, queremos Você como nosso guia - e também quero me proteger. Avise-nos
Abração

Nildete disse...



Boa noite Doutor Medeiros


Suas postagens são importantes para nós. Um feliz retorno. Boa viagem e bom descanso .

Um abraço

WILSON LUIZ disse...



SUPERÁVIT X ATUARIAL

Tenho defendido, há algum tempo, que a meta atuarial de INPC mais 5% a.a. é excessiva, tendo em vista que o passivo da PREVI(nossos benefícios atuais e futuros) são corrigidos, unicamente, pelo depauperado INPC; parece que o presidente Gueitiro também concorda.
Só discordamos em um ponto, eu acho que não é necessário aumentar a reserva matemática, e ele quer usar futuros superávits para fazer a redução.
Temos que considerar, também, a necessidade da reserva de contingência de 25% ser recomposta antes de ser concedido qualquer benefício extra aos associados.
Utilizando-se superávits para reduzir o atuarial, quem garantirá que os balanços não serão manipulados?

Vamos ficar de olho.

P.S. – alguém lembre ao presidente que “o peixe morre pela boca”; falando em zerar o déficit até março, ele pode virar sushi, deve ter levado um susto com a queda generalizada das bolsas segunda-feira passada

Anônimo disse...

Que prazer !!!!
O Sr: Medeiros de Volta , encantando nossos dias
Obrigado .
Vamos que vamod

Medeiros disse...

Conforme inseri no texto, recebi a notícia em primeira mão de que o BB vai adiantar 320 milhões imediatamente para a CASSI a fim de evitar intervenção da ANS. Achei boa notícia. Não teve outro jeito.

Ademir Martins disse...

com relação ao abaixo, desde já informo que fico no aguardo para aderir às suas ações, muito mais que necessárias, são urgentes:::
"Eu estou elaborando um documento que vai me proteger. Depois de pronto vou divulgar. Quem quiser aderir será benvindo.""

Anônimo disse...

Emérito Dr. Medeiros,

Tempos estranhos que estamos vivendo. Anita irá se pronunciar sobre o Brasil em Harward.
Detesto carnaval. O povo deveria ter essa mesma disposição para sair nas ruas exigindo que o dinheiro dos impostos fosse empregado na saúde, segurança e educação principalmente. Só acredito que o quadro mudará com uma intervenção militar antes das eleições.
Bom descanso na praia e espero que tenha sol e "refrigerante" gelado

Muita saúde honrado cidadão

Maria Marli Tomasoni-aposentada Bal.Camboriu SC disse...

Obrigada Dr.Medeiros!por sua decisão de ativar seu blog!sua presença é um presente para nós!além de informações importantes, sua visão e experiências de vida contém muita sabedoria!Que bom que o Sr.seguiu seu coração!só bravos guerreiros é que tem esta coragem e persistência!e vamos que vamos seguindo frente sempre!abraços

Lena disse...

Que maravilha Dr. Medeiros! Estou muito feliz com a sua volta. Sai mais não, tá legal? Nós precisamos muito do senhor e do Ari. Que Deus proteja a todos.

Abração.

Cade Araujo disse...

É muito bom ler as noticias disponibilizadas por ti. Tens muita credibilidade entre nós. Vais descansar a mente e refletir sobre como continuar a nos ajudar. Seja bem vindo, amigo.
Cadé

Jose Roberto Eiras Henriques disse...

Medeiros,

CASSI - Resolução CGPAR 23 de 18 de Janeiro de 2018 – estabelece diretrizes e parâmetros para o custeio das empresas estatais federais sobre benefícios de assistência à saúde aos empregados.
Sobre essa resolução as entidades que nos representam, pelo que tenho obsevado em suas publicações, estão dando ênfase apenas em relação ao Art. 3º que estabelece limite na participação das estatais no custeio de autogestão.
Em meu entendimento, além do Artigo 3º também devemos nos preocupar para os itens abaixo:
- Limita a participação das empresas estatais federais no custeio na modalidade autogestão (Art. 3º);
- Estabelece paridade nas contribuições (participantes e patrocinadores) (§ 3º do Art. 3º.);
- Para os atuais participantes do Plano de Associados da CASSI nada muda – (Art. 8º);
- Respeitado o direito adquirido, futuros aposentados não terão direito ao benefício de assistência à saúde (Art. 8º);
- Condiciona a oferta de benefício de assistência à saúde, na modalidade autogestão (Art. 9º);
- No caso da CASSI, fechamento do Plano de Associados – (Art. 9º e 11º);
Limita a negociação do benefício à saúde nos Acordos Coletivos de Trabalho – ACT (Art. 15º);
- Estabelece prazo de quarenta e oito meses para as empresas adequarem seus normativos em conformidade com essa Resolução (Art. 16º e 17°).

Anônimo disse...

Comissão parlamentar de inquérito que investigou financiamentos do banco de fomento deve encerrar suas atividades após o carnaval

Daniel Carvalho, O Estado de S.Paulo

07 Fevereiro 2016 | 05h00

A CPI criada em agosto do ano passado para investigar suspeitas de irregularidades envolvendo financiamentos do BNDES pode terminar, após o carnaval, sem indiciar os principais personagens do caso. O relator da comissão, deputado José Rocha (PR-BA), vai apresentar seu parecer no próximo dia 16, mas diz não ter elementos para pedir o indiciamento do presidente do banco, Luciano Coutinho, e da jornalista Carolina de Oliveira, mulher do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT).

Ao Estado, Rocha disse também não saber se incluirá no seu relatório referências ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que teria intermediado negócios entre o banco e empreiteiras. Lula consta em um dos quatro sub-relatórios apresentados na semana passada.

Com base nas suspeitas sobre a prática de tráfico de influência por parte de Lula, a deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) propôs uma “quarentena” de oito anos para a prática de lobby por agentes públicos.

Fonte:http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,relator-de-cpi-do-bndes-rejeita-indiciamentos,10000015348

A INSISTÊNCIA NA NOMEAÇÃO DA FILHA DO HOMEM QUE "TIROU A ROUPA DO REI". FOI SUB-RELATORA DA CPI DO BNDS. TEM QUE NOMEAR DE QUALQUER JEITO ...

Anônimo disse...

Dr Medeiros,

O Ibovespa caiu de novo e agora está nos 81.000 pontos. Vai acontecer um crase na bolsa ? E aí ?

Medeiros disse...

Está baixa já era prevista pelos analistas que calculam que o Ibovespa vai até os 79.000 e aí terá um novo patamar de resistência. O momento é de instabilidade. Depois do carnaval o cenário vai ficar mais claro. Temos que aguardar.

Jair Mário Bork disse...

Bom dia, professor Medeiros.
A tal notícia de que o BB estaria adiantando 320 milhoes para a CASSI, de início achei uma notícia alvissareira,mas após pesquisar, concluí que trata-se de antecipação de recursos que o BB pagaria nos próximos 4 anos, contribuindo para a manutenção das reservas legais até o final de 2018. E depois? Ao longo dos próximos 4 anos, arrecadando menos e com as despesas em ascensão, não é difícil prognosticar um futuro negro para a nossa CASSI. Que Deus salve, não só o Rei, mas a todos nós.

Anônimo disse...

A deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ), que é uma das sub-relatoras da CPI do BNDES, apresentará um relatório no qual acusará o ex-presidente Lula de atuar para favorecer empresas brasileiras no exterior com a obtenção de recursos no banco público. O relatório será apresentado em fevereiro, na volta do recesso parlamentar.

Entre outros casos citados no documento, a que EXPRESSO teve acesso, Cristiane registra um suposto lobby de Lula em favor da mineradora Vale, em Moçambique. Segundo o relatório, Lula “esteve envolvido na negociação que favorecia a empresa brasileira em Moçambique, onde ajudou a empresa a conquistar a exploração da maior mina de carvão do mundo – a mina de Moatize, em 2009 – muito embora as autoridades moçambicanas tivessem expressado preocupação com a ‘inexperiência na exploração de carvão’ por parte da companhia brasileira”.

Cristiane Brasil vai sugerir, ainda, que o BNDES passe a contratar auditorias externas independentes para acompanhar as obras financiadas. Isso porque o banco, de acordo com ela, não faz o acompanhamento, confiando nas consultorias contratadas pelas próprias empreiteiras.

A deputada deu o seguinte título ao relatório.“BNDES: transformado em Robin Hood às avessas”, numa referência ao arqueiro que roubava dos ricos para entregar aos pobres.

Fonte:http://epoca.globo.com/tempo/expresso/noticia/2015/12/em-relatorio-integrante-da-cpi-do-bndes-diz-que-lula-favoreceu-vale-em-mocambique.html

Anônimo disse...

Previc está de olho em valor de benefício pago pela Fapes
Publicado em 10/02/2018 - 18:10 Vicente NunesEconomia

A Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) anda intrigada com o valor médio dos benefícios pagos pela Fapes, o fundo dos empregados do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES): mais de R$ 40 mil por mês.

A preocupação faz sentido. O benefício pago pela Fapes é oito vezes maior do que a média registrada no sistema, de R$ 5.137, como mostra a Abrapp, associação que reúne os fundos de pensão.

A Fapes, como se sabe, está sob supervisão permanente da Previc, órgão responsável por regular e fiscalizar as entidades fechadas de previdência complementar. E obrigou os participantes a contribuírem com uma taxa extra para cobrir o rombo acumulado nos últimos anos.

Quem acompanha o dia a dia da Fapes garante que o clima na fundação nunca foi tão ruim.

Brasília, 18h10min

Fonte:http://blogs.correiobraziliense.com.br/vicente/previc-esta-de-olho-em-valor-de-beneficio-pago-pela-fapes/

E LÁ NO FUNDO DA PENSÃO DA DONA ZEFA? NÃO VAI ÁGUA NA MORINGA NÃO?

Medeiros disse...

Parabéns Rosalina pelo retorno do blog. Está ótimo e com excelente direcionamento. Meus votos são de pleno sucesso. Você merece mais o que qualquer outro.