PREVI E CASSI

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Passou o susto da gripe A, consegui tomar o antibiótico por quatorze dias, sinto me renovado para retornar ao trabalho.


Na Previ participei na quarta feira passada do seminário sobre políticas de investimentos. Fui cedo de manhã, levantei as quatro para pegar o voo das seis e retornei à noite no voo das vinte horas, chegando em Porto Alegre as vinte e usa horas. Cansado, doído, mas acho que valeu a pena, pois os temas tratados no seminário foram relevantes, como vocês podem conferir no site da Previ.

Hoje assisti a uma interessante palestra sobre a judicializacao na Cassi e participei de um debate construtivo com o médico palestrante.  A ideia é tentar sempre uma solucão administrativa antes de ajuizar uma ação ou de denunciar para a ANS.  Há um canal aberto para diálogo e entendimento. Tem que ser evitada a indústria que se formou para a obtenção de liminares.

Entretanto é preciso que seja respeitado o direito garantido pela Constituição para que todo cidadão tenha acesso à Justiça. Às vezes só esse caminho consegue obter resultado. Essa questão da judicializacao é delicada e tem que ser tratada com muita cautela e respeito. Não pode ser considerada , porexemplo, como um tiro no pé, nem como uma predominância do individual sobre o coletivo.Vamos voltar ao assunto com dados concretos.

Tenho observado nas redes sociais algumas manifestações preocupantes a respeito da situação financeira de colegas aposentados e pensionistas, que, apertados, estão inclusive requerendo o cancelamento da Capec, uma coisa que considero inconcebível nessa altura de nossas vidas, quando está próximo o dia que o pecúlio será utilizado. Mas cada um sabe onde aperta o sapato e se estão cancelando certamente é por alguma razão muito séria.

Bom, como viram a vida continua. Estou trabalhando dobrado para compensar o tempo perdido.

12 comentários:

Anônimo disse...

O que poderia ser feito, seria uma devolução do valor provisionado para pagamento da capec. Por exemplo, quem quisesse cancelar receberia um percentual do valor que iria receber de acordo com a idade atual e com a idade média dos óbitos. De novo isso me parece com o primeiro PDV onde quem aderiu só recebeu a sua parte da contribuição ficando a contribuição patronal para a PREVI.Já a partir do 2° PDV recebia tudo, a sua contribuição e a a patronal.

Titi Maravilha disse...

Alguma novidade que venha
trazer alentos ao aposentados? Estamos necessitados de algo que nos faça a sorrir ou pelos pelos nos dê uma trégua em relação a tantos aflitos. UM abraçõ, saúde.

Anônimo disse...

Com o cancelamento ou diminuição do valor pago a título de CAPEC, quem deve estar tremendamente feliz é a Previ, pois não precisará pagar nada quando o participante vier a falecer! Recolheu o dinheiro durante a vida destes aposentados e agora ganha de mão beijada.
Lamentável, para dizer o mínimo.

joao trindade disse...

Dr. Medeiros,

Bom vê-lo de volta, recuperado e, como o vírus da gripe é mutante e está ativo como agente oportunista, não baixe a guarda (chás de ervas, muita água e alimentação saudável são sempre bem vindas, como já sugerido ao prof. Ari Zanella). Os tempos estão sempre solicitando nossa precaução. Saúde e paz.

Anônimo disse...

A Previ deve estar tão feliz com a saída dos aposentados da Capec que não faz nenhum esforço para retê-los. Não vi nada nas "notícias" que faça alguma menção ao assunto.

Anônimo disse...

Quem é mais antigo vai lembrar que houve época em que para ter acesso a um empréstimo simples maior havia a necessidade de contratar um pecúlio além do ordinário (I, II etc). Lembram-se? Ou seja: a Previ fez venda casada para aumentar o caixa da Capec. Agora não precisa mais disto e pode descartar quem desiste.

sss disse...

Isso da desistência da CAPEC e perder tudo é horrível, monstruoso. Alguma coisa precisa ser feita, URGENTE!!!

Anônimo disse...

Tenho convicção que nem os netos dos meus tetranetos verão o desfecho da Ação 1/3 IR PREVI

Anônimo disse...

O Site da Previ esbanja novidades em suas noticias, todos os dias temos um fato novo(KKKKKKKK)

Anônimo disse...

Lamentável que gestões desastrosas, em todos os âmbitos, têm-nos levado repetidas vezes à penúria. Quando se é novo tudo não passa de contratempos. Agora, no crepúsculo da existência, portador de doença grave, se não autorizarem exames indispensáveis, vou atrás da liminar, e ninguém vai me impedir. Triste fim, no país do espertos. Daqueles que "sabem mais" e que agora se fingem de mortos para não serem percebidos, até pela Lava-Jato. Não vou pedir "por favor", menos ainda "Esmolas". Vou fazer valer meu direito. Se não tiver lastro problema não é meu, quem desviou, e geriu mal não fui eu, muito pelo contrário. Inúmeras vezes perseguido porque não tinha "Perfil" para isso, para aquilo, etc e tal. Esse tal perfil que está sendo sistematicamente condenado pelos tribunais e lotando nossos presídios. Estes cretinos, onde estão? Eu sei onde estão. Estão desfrutando do meu suor e de tantos outras vítimas.Parasitas!Enriquecimento ilícito é crime!!! No BB tem muito disso!Conheço uns tantos!

Anônimo disse...

Estamos órfãos de pai e mãe e abandonados à própria sorte. SMJ .

Anônimo disse...

Absurdo conviver com esse quadro. Continuamos sonhando com representantes que fiquem, atuem resolvam ou amenizam as dificuldades por que passam os "assistidos"...CARIM, CAPEC, ES, atuam em favor de quem mesmo. Avaliem encargos, metodologia de cálculos e efeitos. No sertão algum diriam : "me compre um Jegue"... Ademário