REFLEXOS DA CRISE NOS EUROPEUS

sábado, 2 de junho de 2012

Acho interessante registrar alguns aspectos que observei na viagem que realizei por Portugal, Açores, Espanha e França.


Sempre me preocupei mais com as pessoas do que com as coisas e os fatos.

A crise repercutiu na maneira de ser dos europeus, especialmente no trabalho que desempenham.

Como estão insatisfeitos e mal remunerados executam suas tarefas básicas e funcionais com má vontade e mau humor, tratando os turistas pessimamente, sem se lembrar que o turismo ainda é das poucas indústrias que salvam o continente.

Atendentes dos aeroportos não tem nenhuma consideração nem respeito com os idosos.  Guardas de trânsito mostram-se intransigentes e não dão informação confiável. Recepcionistas de hoteis e de locadoras de veículos revelam-se desatenciosos.  Motoristas circulam  ranzinzas e imprudentes. 

Alguns exemplos.

Vendo que eu estava atrasado para pegar o voo Lisboa/Madri a fiscalização, uma moça e um moço de boa aparência, detêve-me para uma vistoria minuciosa e demorada, divertindo-se com isso e fazendo gozação.  

Guarda de trânsito em Fátima impedia-me deliberadamente de ter acesso a meu hotel, mandava-me circular e gozava com a situação. Tive que mostrar firmeza e só consegui meu intento desafiando-o.

Em Caiscais após pagar conta em um restaurante, onde dei cinco euros de gorgeta, em cima de vinte euros de despesa, o dono me cobrou já na rua mais quatro euros que o garçon havia olvidado. Pode ?

Em Estoril,  a pizza veio crua e como o espetáculo do cassino estava na hora, em vez de descontar da conta, falou-me que no dia seguinte eu poderia comer outra pizza por conta, sabendo que lá não retornaria, pois estava indo para Lisboa. Cadê a antiga seriedade ?

Tive duas malas extraviadas do voo Lisboa/Madri, pela Air Europe, cuidado com essa companhia aerea.  Uma foi entregue no último dia, em Bordeaux, toda rôta, e a outra eu recebi aqui no Brasil. Enrolaram-me o tempo todo.

Houve uma greve programada dos operadores aéreos em Lisboa e a companhia foi incapaz de me comunicar ou de reprogramar o meu voo adequadamente.

Mas não quer dizer que só tivemos dissabores nessa área pessoal. Não. Tivemos também pessoas maravilhosas que se desdobraram em nos atender bem e compensar o mau humor acima relatado. Mas predominou a sensação de que os europeus estão de mal com a vida e isso se reflete no atendimento que dão aos estrangeiros.  Até senti um ar de inveja de nós, brasileiros.

Quem diria, não ?

A verdade é que para viajar pela Europa atualmente é necessário uma boa dose de paciência e um espírito esportivo muito grande para enfrentar as vicissitudes que se apresentam a todo instante.

Faço esse registro com muito pesar, pois guardo lindas recordações do continente europeu e de sua gente.


8 comentários:

Anônimo disse...

Dr. Medeiros,
Ecoa em diversos blogs sobre a Previ sua soberba, ao dizer que quem se aliasse ao sr. venceria as eleições da Previ. Fico me perguntando...o sr. é inteligente, como pode fazer declaração tão pretensiosa?
Obs: este não é um comentário ofensivo. Apenas informativo e opinativo.
Abr

Medeiros disse...

Já expliquei o que eu, provocativamente, desejei expressar.

O fato de ter ecoado em diversos blogs, como voce informa, demonstra que minha afirmativa teve sucesso e arrancou os resultados esperados.

Quem me conhece sabe que foi uma afirmação com endereço certo e que não foi sem sentido.

A eleição foi perdida pela soberba de quem organizou as chapas, não pela minha.

As tres chapas principais estavam encasteladas na Previ, pois possuiam vários componentes pertencendo ao conselho deliberativo e fiscal, além da diretoria. Com essa situação, ficou difícil fazer oposição.

As eleições são passadas. Os perdedores choram a oportunidade perdida.

Vamos tratar de temas mais amenos.

Vou falar sobre a viagem que fiz à
Europa.

Profº Ari Zanella disse...

Amigo Medeiros,

Você mesmo apontou com uma das causas da queda do Flores o descuidado com as aplicações em bolsa de valores. Como o seu blog tem grande penetração na Previ, não seria bom aconselhar o novo presidente a cortar algumas aplicações no mercado acionário (até pela crise que já bateu à porta) e direcioná-las, por exemplo, à elevação do teto do ES?
Penso que assim, atenderia os dois lados da moeda.
Forte abraço.

Jorge Teixeira - Araruama (RJ) disse...

Colega Medeiros,
Penso que não se pode deixar de explorar a experiência de quem já esteve lá dentro da Previ, ocupando cargo diretivo de relevância, e demonstra ser ainda um profundo conhecedor das entranhas do nosso fundo de pensão. Raros são os que detêm essa condição e interagem com os associados do “PB-1”. À vista do exposto volto ao assunto eleições Previ-2012 entendendo que devemos nos concentrar nas promessas de campanha da chapa vencedora que são:
01) aumentar o teto de benefícios para 100% da remuneração na ativa:
02) incorporar o Bet como benefício permanente;
03) reduzir o valor da parcela previ;
04) elevar o valor das pensões;
05) criar novo benefício baseado na PLR;
06) manter as contribuições suspensas
07) antecipar reajuste dos aposentados para janeiro;
08) reduzir as despesas administrativas;
09) estabelecer como teto o salário de diretor;
10) exigir do banco pagamento do Bet sobre a verba P220;
11) cobrar pagamento do Bet do grupo 67
12) preservação automática do salário de participação;
13) revisar anualmente o empréstimo simples; e
14) aumentar o valor do pecúlio da Capec.
As quatorze promessas acima elencadas foram afiançadas por todos os integrantes da chapa “6” e retiradas de informativo impresso, em meu poder, distribuído pelos seus integrantes. Todos sabemos que qualquer alteração no “PB-1” carece de manifestação inicial do patrocinador, que ainda detém o famigerado voto de minerva, e dos demais órgãos regulamentares envolvidos no processo. O trâmite é longo e a coisa não é fácil. Para que não se criem falsas expectativas em todos aqueles que seriam os beneficiários finais dessas alterações, peço a gentileza de, na sua avaliação, indicar quais são as promessas factíveis de serem atendidas e revertidas em benefícios, permanentes ou temporários, para todos os aposentados e as pensionistas do “PB-1”. Ficarei no aguardo de sua breve, superimportante e oportuna manifestação.

Anônimo disse...

Prezado Medeiros.

A chapa 06 que venceu as eleições não prometeu melhorias no ES-PREVI.

Sabemos que houve na última revisão o parâmetro do aumento dos nossos benefícios para futuras revisões então lhe pergunto:

Será que não vamos ter aumento ou apenas a reposição da inflação em torno de 5%? como fica a situação o governo quer mais crédito no mercado domestico,esta não seria uma das saídas aumento no prazo e limites maiores.

Na prática estamos em uma situação muito difícil,e já estamos na metade do ano de 2012.

Anônimo disse...

Prezado Medeiros,
Gostaria de que o colega engrossasse as fileiras das poucas associaçoes que estão fazendo pressao para que seja alterada minuta gestada no CNPC e que fala da saida de patrocinador.Na forma como está redigida, ela é profundamente prejudicial aos interesses dos aposentados e pensionistas da PREVI.O assunto é gravissimo, como já falou o colega Ruy Brito,, inclusive tendo escrito carta ao moin. Garibaldi, assinada pela presidente da FAABB.Não podemos ficar esperando passivamente, enquanto é tomada uma medida tao desastrosa contra os nossos interesses.Não podemos achar que eles não iriam tão longe...Foi essa passividade que fez aparecer a famigerada res. 026.

WILSON LUIZ disse...

Caro Jorge de Araruama, 3 de junho,11:47 hs.
Pode ter certeza que eles não pouparão esforços para implantar a proposta 1, elevação do teto de benefícios para 100%, pois isto elevará a aposentadoria de diretores da PREVI e do BB em mais uns 4 mil reais.Tem também outra malandragem, a proposta 9 prevê que o teto seja o salário de diretor, que é livremente estabelecido pelos conselhos deliberativos da PREVI e do BB.
Quanto às demais, o BET é uma questão matemática, será pago enquanto houver saldo no fundo específico; vejo alguma chance na permanência da suspensão das contribuições, pois isto interessa muito ao Banco.
As outras, a chance de sua implantação são mínimas; infelizmente, não cumprimento de promessas não é crime, basta ver o "memorando de entendimentos" de 2 anos atrás.

Anônimo disse...

Vá para Gramado Medeiros! Mais barato e será bem atendido pelos seus irmãos gaúchos nos cafés coloniais. Na europa somos cucarachas