ADIN SERÁ AJUIZADA DIA 10 DE AGOSTO ( EM PRIMEIRA MÃO )

domingo, 7 de agosto de 2011

Uma das minhas fontes consultadas não pediu sigilo. As outras, sim. De maneira que posso anunciar, mais uma vez em primeira mão, que a ADIN da Contraf/Cut e Anapar será ajuizada no dia 10 deste mes. A história sobre a contraordem da Presidenta Dilma foi uma farsa. Ninguém confirmou. Existe consenso sobre a medida. Os desagrados, como o do Ministério da Fazenda, são isolados, segundo consta. Afinal, com a aposentadoria de Ellen Gracie fica mais forte a posição do Governo Federal no STF.

O encontro de hoje, segunda feira, à noite em Belo Horizonte, patrocinado pelo grupo heterogêneo de Debates sobre a Previ, liderado por colega da ativa, gerente de uma agencia do BB naquela capital, servirá como ´palco para o anúncio oficial a ser feito pelo Sasseron e pela Claudia Ricaldone, presidente da ANAPAR, em grande estilo.  Aproveitarão a presença de Isa Musa Noronha e de Celia Larichia, da FAABB e da AAFBB.  O presidente da ANABB, Emilio, não confirmou a presença.  Outras altas autoridades são aguardadas, especialmente da área sindical.

Os debates de hoje à noite se constituirão no aval que os patrocinadores da ação pretendem invocar a título de aprovação final da medida, uma espécie de plebiscito, como acontece com os assuntos da PREVI. Tudo será devidamente gravado e filmado para documentar o acontecimento.

A petição não será divulgada previamente, nem submetida ao plenário, muito menos aos dirigentes das nossas entidades,  quanto mais a uma comissão de experts.  No entendimento majoritário deles, não há necessidade, pois seus advogados esbanjam competencia jurídica para o mister e ficariam ofendidos, mas houve quem discordasse. Achavam que devia acontecer o envolvimento de todas as partes interessadas no processo, para que depois, em caso de insucesso, não houvessem reclamações.

Portanto, faço aqui uma postagem de advertência, que poderá ser facilmente desmentida ou ridicularizada, mas que considero um dever de consciencia meu para que os nossos participantes na reunião, especialmente a presidente da FAABB, Isa Musa Noronha, não sejam surpreendidos no evento. Importante atentar para as observações judiciosas feitas aqui no blog em comentários de vários colegas, especialmente do João Rossi Neto, bem como do Raposo,  distribuida em correspondencia da Unapp. Já estamos velhos para passar por ingênuos.  Melhor que nos acusem de desconfiados ou incrédulos.

Em resumo, a reunião de hoje à noite em BH não é para debater a ADIN contra a resolução 26.  E´ para convalidar a ADIN que vai ser ajuizada no dia 10.  Entenderam ?

Dessa forma, não sei se grito BINGO, se manifesto alegria ou tristeza, se jogo fogos de artifício ou decreto luto. Continuo achando tudo muito estranho, embora os colegas garantam as boas intenções do grupo. Tomara que eu esteja equivocado.  Mas tem aquele ditado famoso. O diabo ...

Me provem que estou errado. Vou adorar.

De qualquer maneira , depois de tres longos anos, chega ao fim a novela da ADIN da resolução 26.  Agora inicia uma nova novela no Judiciário. Porque não estou tão otimista ?  Acho que estou ficando velho mesmo. Será ?

DELENDA CARTHAGO - NÃO SOMOS INGÊNUOS, RESPEITEM NOSSA EXPERIENCIA. ADIM PRÁ VALER.

36 comentários:

Anônimo disse...

É Dr.Medeiros, vamos estamos apreensivos...
Cruzar os desos é preciso...para que essa ADIN seja bem fundamentada...e obtenha o êxito que esperamos...

Abs.

Janone.

Anônimo disse...

Meu caro Medeiros, acho que, ao contrário do seu pensamento, nós vamos continuar sendo ingênuos, pois foi assim que o Banco nos criou. Foi na vontade de ser o pai da criança no caso de conseguir algo melhor em futuras negociações, ou a mando do Banco que essas mesmas pessoas entregaram metade do nosso superávit ao patrocinador, e quase ninguém mais se lembra ou comenta. A mesma coisa vai acontecer no caso de um insucesso com uma ADIN mal feita, mal elaborada, com a finalidade de uma derrota para o governo, mandante de campo no STF. Essas mesmas pessoas vão, novamente, jogar "farinha" no ventilador, salpicar todo mundo e o pior, vamos esquecer novamente e voltar a chorar por um empréstimo menos danoso, que jamais vai nos tirar da miséria. Vamos abrir os olhos pois o diabo...

Anônimo disse...

Prezado Medeiros,
Você não teria condições de dar uma olhada nessa petição preventivamente...?
ADIN que tenha o toque do Sasseron...não sei,não...
Como ninguem é dono da verdade,seria bom que uma comissao formada por colegas experientes examinassem o documento...

Anônimo disse...

Dr. Medeiros,
Será que a ADIN, se ajuizada, surtirá os efeitos sobre a Resolução 26 ? Gostaria de saber sua opinião, por favor.
CELSO BERNARDES
FORMIGA/MG

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Caro Medeiros,

Seria de todo recomendável que a Petição Inicial da propositura da ADIN fosse disponibilizada amanhã, aos participantes da Reunião do “Grupo de Estudos da PREVI”. Serviria para análise dos que lidam com o assunto ainda em tempo da detecção de inconsistências e, do nosso lado, para compararmos com aquela que encomendamos ao Escritório Sylvio Manhães Barreto para servir à ANAPAR.

Somente não divulgamos integralmente a nossa Petição em respeito ao princípio dos Direitos Autorais, pois entendemos que cabe aos seus autores a quebra do sigilo, e para não atrapalhar os bons ofícios em andamento. Mas lembramos que um original está bem guardado com os nossos Advogados e a AAPPREVI dispõe de cópia autenticada para exibição posterior - se nos imputarem responsabilidade por eventuais desenquadramentos apontados.

Vale lembrar que esse segredo alimentado pelo "Grupo" consiste em um despropósito. Uma vez marcada a protocolização da ADIN, afigura-se uma questão de horas sua disponibilidade ao público através do Cartório competente. Mas aí nada poderá ser feito em termos de cortes ou emendas, pois, como bem lembrou João Rossi Neto, basta uma pequenina expressão latina mal colocada para por tudo a perder. Que dirá o resto.

Trata-se do exercício de bom senso o exame por parte do maior número possível de doutores versados no assunto. Negar isto é escorregar para o campo da dúvida. Afinal, o desenvolvimento que se pretende diz respeito aos 120.000 participantes do PB1, e não pode ser definido por “meia dúzia de seis” vaidosos guardiões.

Também, se foi utilizada a peça elaborada pela Assessoria Jurídica da AAPPREVI, isso somente nos trará satisfação por termos contribuído de alguma forma para ajudar no deslinde da pendência.

Atenciosamente,

Marcos Cordeiro de Andrade
Presidente da AAPPREVI

Anônimo disse...

Olá MEDEIROS.

Eu acho que qualquer medida a ser tomada para anulação de alguns artidos parasitas inseridos na Res. 26 é totalmente cabível e viável..

Uma das formas mais rápidas, a meu ver, seria mesmo o projeto de decreto legislativo com a finalidade de sustar os artigos ilegais da referida portaria.


Até mesmo por que o judiciário está abarrotado de demandas oriundas de centenas de descalabros senis do executivo.

Uma simples Portaria de um orgão subalterno do MPAS altera texto de uma lei federal.

Só em país tupuniquin e vendido para corjas de políticos sujos é que nos cidadãos assitimos isso ao vivo e a cores.

Que seja pelo judiciário ou pelo legislativo o importante é se resolva mais uma ilegalidade praticada pelo BB e seus capangas.

Vamos ver se o Paulo Paim vai encarar esse pendega petista.

VEJAM O VÍDEO DA AUDIÊNCIA PÚBLICA NO SENADO FEDERAL..

http://www.youtube.com/watch?v=m8hE_SzAXRk&feature=related

Copie e cole na barra de endereços.

Anônimo disse...

É isso aí Dr. Medeiros, nós sempre contamos com o senhor. Nosso grande João Rossi, mais uma vez nos brindando com excelente texto. E o nosso Marcos Cordeiro, sempre vigilante em prol dos aposentados e pensionistas.Dr. Medeiros iremos lhe eleger para o Conselho Deliberativo, mas da PREVI em 2012.E o grande João Rossi, será nosso Diretor de Seguridade da Previ em 2012.Caros aposentados, pensionistas e ativos do Plano1, vamos eleger esses baluartes, que realmente lutam em nosso favor.
Abraços Mariano

Anônimo disse...

ADIN EM 10/08 , mas que maravilha colega Medeiros, enfim pode ser que ate o fim deste mes tenhamos mais boas noticias, ate acho que vao mesmo melhorar tambem o ES, vou ser otimista, coisa que sempre em agosto nao sou, vamos que vamos!


Viana

Anônimo disse...

Colegas, qual o prazo médio do julglamento de uma ADIN ?

Nossa Justiça é "devagar quase parando". Se demorar muito, talvez não estaremos vivos até lá.

Anônimo disse...

Fosse eu um advogado, ficaria ofendido em ver que colegas aqui acreditam que a petição da ADIN pode ter sido escrita de modo a falhar, ou seja: propositalmente para perder. Acham mesmo que um advogado coloca seu nome e prestigio profissional sob risco escrevendo uma peça para perder? É ofensivo isso. Não sei como o Doutor Medeiros, um advogado respeitável e de renome nacional, não se insurge contra tais insinuações maldosas de gente que faz política com o fígado ou morre de inveja do fato de ser a Central Sindical, a maior delas, a mais importante, pois é da CUT e não uma associaçãozinha qualquer a ter a legitimidade de propor uma ADIN.

Anônimo disse...

NOTÍCIA DE HOJE NO SITE DO TST:
Bancário integra auxílio-alimentação à complementação de aposentadoria.

Anônimo disse...

Dr. Medeiros,
A FARSA da ADIN tem de ser desmascarada antes que seja tarde!
Repassei este seu Post e comentário do colega Marcos Cordeiro, aos colegas de minha lista de contatos.
Que outros também divulguem!
Não podemos ficar de braços cruzados, só assistindo, e deixando que façam o jogo dos poderosos!

Medeiros disse...

Nessa questão de petição eu não sou presunçoso, muito antes pelo contrário. As minhas petições, como foi a do protesto, quando tem alcance social, eu submeto a grandes juristas antes de ajuizar. As vezes até pago honorários. No caso do protesto, submeti a um ex Ministro do STF e a um ex presidente do TJRS. Mas respeito aqueles que possam se sentir ofendidos por desconfiarem de sua capacidade profissional. Acontece que aí eles assumem uma baita responsabilidade. Estou torcendo para que tudo dê certo, mas não posso afastar de mim uma certa estranheza e desconfiança. E não é por se tratgar de uma grande central sindical. Respeito muito os sindicatos e tenho vários amigos sindicalistas. Entretanto, não tem como desconhecer o que aconteceu ultimamente quando os sindicatgos deixaram de exercer sua função e passaram a fazedr política partidária. Vamos ver o que acontecerá.

carlosdomini disse...

Anônimo,

Este vídeo deveria estar no Jornal Naciona. Parabéns Rui Brito -Vc. me incentivou com sua fala em não esmorecer

Medeiros disse...

E´, de fato, o Rui Brito, de quem sou grande admirador e amigo, foi brilhante em sua participação na audiencia pública. Foi incisivo e claro em suas colocações. Prestou um grande serviço à nossa causa. Parabéns Rui. Faço-lhe um convite para participar tambem do blog com seus preciosos comentários.

João Rossi Neto disse...

CONDIÇÃO PRIORITÁRIA.

Sem querer ser repetitivo e simplesmente com a intenção de contribuir para resguardar direitos, sem a mínima intenção de ensinar nada a ninguém, sobretudo, porque os advogados que vão patrocinador a ADIN são dotados de elevado saber jurídico, julgo importante lembrar que os R$ 7.5 bilhões objeto da disputa entre as partes, tiveram destinação específica, ou seja, foram distribuídos ao patrocinador por força da Resolução MPS-CGPC-26/2008, de modo que, em caso de reversão, com a anulação dos atos jurídicos praticados durante a vigência dessa Resolução, eles não deverão retornar para a PREVI, mas sim canalizados aos participantes e assistidos, com o objetivo de seguirem o mesmo caminho da outra metade (50%) dos superávits técnicos que foi pulverizada na melhoria dos benefícios, em 2010.
Originalmente os 100% dos referidos superávits da PREVI são de propriedade dos aposentados e se positivada a extinção da Resolução, nada mais justo que devolver aos verdadeiros proprietários os 50%, hoje sob a guarda do BB, como forma de corrigir a injustiça, pois, a distribuição feita em 2010 foi parcial devido à imposição do BB e da PREVIC que forçaram à aplicação da Resolução 26/2008, como condição para o patrocinador dar anuência ao acordo, num ato ditatorial e leonino.
Em face da crise financeira mundial em curso, perdendo a ação, possivelmente, a título de revanchismo, o BB vai tentar vetar o nosso acesso a esse dinheiro, argumentando com o cenário econômico desfavorável, motivo pelo qual, por prudência e proativamente, seria interessante antecipar e neutralizar essa possível ameaça.
Para tanto, postular-se-ia, de pronto, no texto da petição, que o Julgador deixe consignado na sentença que exarar, determinação no sentido de que os R$ 7.5 bilhões não voltem para os cofres da PREVI, mas que sejam convertidos em melhoria nos benefícios dos participantes e assistidos, para integralização dos 100% dos superávits técnicos, seus em virtude da condição pétrea insculpida no artigo 20 da Lei Complementar 109/2001.

Medeiros disse...

A Bolsa chegou na minha previsão, 50.000 pontos. Vou começar a analisar as minhas compras. Tem quem ache que o fundo do poço está nos 40.000 ou 35.000. Vou examinar. Mas começo a me entusiasmar pelas compras do que ficou barato. Só não viu que isso ia acontecer o diretor de investimentos da Previ e o Presidente Flores. Há pouco se vangloriaram de terem examinado o cenário internacional no encontro de conselheiros em Sauípe. E ninguem alertou para essa crise ? No próximo encontro me convidem para palestrante. Quanta incompetencia!

Profº Ari Zanella disse...

Sr. Medeiros,

Gostaria de sua manifestação sobre a notícia dada pelo Anônimo das 11:03:
"BANCÁRIO INTEGRA AUXÍLIO-ALIMENTAÇÃO À COMPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA" contido hoje no site do TST "http://www.tst.gov.br"
Não é caso semelhante à Cesta-Alimentação? O Tribunal ratificou que não é verba indenizatória.
Isto não PACIFICA o entendimento da questão posto que é decisão do TST? Em outra feita, o senhor havia comentado que a lide estava longe da pacificação.

João Rossi Neto disse...

Colegas,

Enviei cópia do meu post intitulado, Condição Prioritária, de hoje, às 11:59 hs, para a Sra. Isa Musa. A minha preocupação reside no fato de que, neste momento, não temos três superávits consecutivos para determinar a revisão obrigatória do plano de benefícios da PREVI. Então, por se tratar de Revisão Voluntária, veio o meu temor ao veto por parte do patrocinador. Daí, aquela assertiva: "É melhor prevenir a remediar".
A propósito, acho infundada qualquer tipo de ilação a uma eventual fragilidade na petição que será utilizada para ajuizar a ADIN, por isso, descarto as conjecturas feitas nesse sentido.




Prezado Sr Rossi

Se a Sra Cláudia, da ANAPAR, vier mesmo a BH para a reunião de hoje, repassarei a ela essa observação.

Grata
isa Musa

Anônimo disse...

Dr. Medeiros a bolsa já está abaixo dos 50.000 pontos.Que queda!Esta semana podemos esperar ventos bravios e mares tempestuosos!

Paulo Segundo Viçosa-MG

Anônimo disse...

DR. Medeiros, caso tudo dê certo, quanto tempo demora para julgamento de uma ADIN.O que tenho certeza é que a justiça é muito lenta.

Anônimo disse...

Prezado Medeiros,
A PREVI corre risco de ter deficit em 2011 se esta crise persistir, sem perspectiva de solução, e a bolsa não mostrar capacidade recuperação até o final do ano? Ou é muito cedo para fazer conjecturas sobre o assunto?

Medeiros disse...

E´ muito cedo para se saber a extensão da crise. Vai haver reação. Parece que o ponto de resistencia está nos 45.000 ou 42.000. Vamos aguardar . Pode ser um bom momento para comprar ações de novo. Bobo foi quem não vendeu aos 70.000 ou 65.000. Eu vendi.

A ADIN demora sim. A tramitação é lenta. E tem fila.

Anônimo disse...

Dr Medeiros, com todo o respeito ao senhor, mas eu acho que o "buraco" na bolsa é mais embaixo.E se não forem tomadas precauções, a PREVi em breve estará discutindo não superávits, mas déficts e meios de arcar com a ingerência do governo em nosso fundo de pensão, já que mais que 65% estão investidos em renda váriavel e só hoje a bolsa caiu mais de 8%, sem prespectiva de melhoras na semana.

Anônimo disse...

Tivemos um colega - que foi gerente de várias agências aqui em nosso estado - que ajuizou uma ação contra o BB para pagamento de diferenças salariais.
O processo se arrastou por anos... e ele sempre aguardando, esperançoso. Depois de uma vida regalada, proporcionada pelo excelente salário (na época), tudo desmoronou: separou-se litigiosamente, desfez uma sociedade comercial grande que tinha como sócios a ex-esposa e os filhos. Tudo desandou...Estava numa situação de total insolvência. Mas sempre fazendo planos de 'limpar' o nome quando a a indenização saisse.
Esperou em vão: o processo tramitou durante DEZENOVE anos e a indenização só foi paga quase um ano depois da morte dele, vítima de um câncer. Os filhos e a ex-mulher dividiram o dinheiro...
Esse é o retrato do judiciário brasileiro. Casos como este há aos milhares nes País...
Isso me faz pensar na ADIN )Ação direta de Inconstitucionalidade). Quando será que teremos uma resposta do Judiciário?
JUSTIÇA TARDIA É UMA FORMA CÍNICA DE INJUSTIÇA!

Profº Ari Zanella disse...

Sr. Medeiros,

Ao que consta o senhor apenas responde sobre bolsa e Adin.
Mas reafirmo a indagação feita hoje às 12:46 sobre o TST considerar o auxílio-alimentação verba REMUNERATÓRIA, não INDENIZATÓRIA. Vamos que vamos! Não gosto de ficar sem resposta.

Anônimo disse...

Dr. Medeiros

Com as incertezas do conteúdo da ADIN e mesmo com tudo de acordo ela demorará tempo indeterminado para ter despacho final na justiça. Espero que todas as observações alertadas pelos tão brilhantes colegas Marcos Cordeiro e Rossi tenham sido acatadas na condução da ADIN.
Vamos aguardar que alguma coisa de positivo saia da reunião de BH, hoje à noite.

Anônimo disse...

Caro Medeiros, para os felizardos que teem dinheiro disponível, para aplicar na Bolsa aproveitando a acentuada queda e portanto com os preços baixos das ações, quais ações que sua bola da cristal sugere como bom investimento à curto prazo.Aguardo seus palpites.

ANTONIO CARLOS FERREIRA MACEDO disse...

boa noite sr medeiros, a ADIN tem fila como o sr. afirma, mas como somos aposentados e uma grande parte sexagenaria, não teríamos preferencia????

João Rossi Neto disse...

Sr. Ari Zanella,

Tomei conhecimento do seu comentário no blog do Marcos a meu respeito, onde começa tecendo elogios falsos, hipócritas e maldosos para depois, distorcer o que foi dito no meu texto.
Sua interpretação foi mal calibrada e o juízo de valor emitido não espelha a realidade dos fatos.
Sempre disse e continuo afirmando que precisamos ter uma petição segura, estruturada sem deixar brechas para que à ADIN seja coroada de pleno êxito.
A prova disso, veja no seu próprio habitat (blog do Marcos), no post da Presidente da FAABB, colega Isa Musa, desta data, às 11h14min, quando ela deixou patente que tem levado as minhas sugestões de alertas a Presidente da ANAPAR visando imprimir o máximo de zelo na terapia jurídica, a fim de que os direitos dos participantes e assistidos sejam respeitados e resguardados, mediante um trabalho jurídico sem furos. Eficaz e competente.
Destarte, quando me referi às ilações de fragilidade que poderiam inserir na petição, disse que as descartava, pois, estavam sendo feitas sem embasamento técnico, sem conhecimento de causa e sem provas. Nunca, em momento algum, sequer acenei com a possibilidade de empregar uma petição divorciada da boa técnica jurídica. Acredito no trabalho e na competência dos operadores do Direito que vão conduzir a ADIN.
Isto posto, não existe contradição alguma e tudo não passa de uma interpretação mal assimilada e capciosa, cujo propósito é mesquinho e não contribui e nem acrescenta nada de útil ao nosso esforço, muito pelo contrário, é uma atitude desagregadora e tendenciosa para o mal. Se quer sair jogando pedras em avião, que o faça sem incomodar quem está trabalhando de forma objetiva e altruísta. Desculpe-me pelo desabafo, mas tem hora que as pessoas passam da conta e as suas tolices empurra-nos para a indelicadeza.Cuidado com os seus devaneios.
Um abraço de Tamanduá.

Anônimo disse...

Estimado Dr.Medeiros, respeitando o assunto do momento ADIN, mas espero que tambem nao tenhamos esquecido a melhoria no ES, pois para as PENSIONISTAS, nesta segunda metade do ano, infelizmente é vital esta melhoria, esperamos que ainda neste mes ja se tenha uma novidade que atenda aos nossos anseios, é tudo que se espera de positivo para 2011, porque ao meu ver 2011 nao tera gosto de vitorias para nós.
Caminhamos a passos largo para o fim de mais um ano, e a sensacao que fomos enganados é muito grande.
Que vergonha e que tristeza nao Dr. Medeiros??
Que venho um boa melhoria no ES, so restou isto mesmo!!

Amelia

Profº Ari Zanella disse...

Direito de resposta:

Sr. João Rossi Neto,

Educamente, como é próprio de um professor, que lhe dizer que meus elogios não são falsos nem tampouco hipócritas. São de fato verdadeiros. Vossa Excia. é quem os deturpa. Quanto à sua conclusão no texto enviado a Da. Isa Musa do qual me servi para fazer meu comentário, de fato deveria conter explicação no rodapé pois o entendimento que se chega ao lê-lo outro não é senão aquele que cheguei. Vou reproduzi-lo para que todos entendam:

"A propósito, acho infundada qualquer tipo de ilação a uma eventual fragilidade na petição que será utilizada para ajuizar a ADIN, por isso, descarto as conjecturas feitas nesse sentido."

Mas, depois de ler vossa bela explanação, talvez um pouco exacerbada, daquilo que realmente V. Excia. quis dizer, devo igualmente pedir-vos desculpas pela minha má interpretação dizendo-vos entrementes que é devido à minha baixa escolarização.
Sobretudo, embora não acredite nas minhas palavras, vos dizer que tenho muita esperança no vosso trabalho altruísta e apesar dos pesares, vos dizer ainda que acredito com extremo otimismo que tudo que Vossa Excelência está a ajudar todos nos do PB1 converter-se-á muito brevemente em benfazejos frutos.

João Rossi Neto disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Caro colega Medeiros, avaliando todo este quadro de promessas quebradas e tudo que ja vi e principalmente li ate o momento, so resta-me dizer, que tambem acho que noticia boa para 2011, somente o realinhamento do ES, alias, diga-se de passagem, ja deveria estar na pauta urgentemente, para no maximo em Setembro estar liberado o novo limite.
Fazer oque? Nossos beneficios estagnados, nosso superavit ludibriado, nosso realinhamento foi para as CUCUIAS, no meio de todo este BLA, BLA, BLA, vou ter que pelo menos desta vez pegar um ES que nao enforque-me e ir tirar uma merecisas ferias, porque ninguem é de ferro.
Resta saber se vao mesmo oferecer um ES que valha a pena ou vem mais aperto por ai?

Guilherme

jeanne disse...

Medeiros, e a reunião de ontem, teve alguma noticia?Abraços, Jeanne.

Anônimo disse...

Dr. Medeiros -

Sei de seus inúmeros afazeres cotidianos e mais , no momento, sua atenção voltada para a ADIN.

Mas ainda pedimos sua atenção ao fato dos aposentados com restrições cadastrais no Banco do Brasil - impedidos ao acesso a crédito de toda natureza - inclusive adiantamento do 13. salário.

Operações de crédito sempre disponibilizadas pelo BB, hoje com a exigência do cadastro sem mácula.

Na semana passada li comentários de diversos colegas sobre o tema e o senhor ficou de dar uma pesquisada.