ATUALIZANDO ALGUMAS NOTÍCIAS DE INTERESSE

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Muita informação rolando na internet.  Necessário atualizar algumas notícias. Outras foram respondidas nos próprios comentários, como a respeito da ORPAG, do Imposto de Renda, etc.

Sobre a campanha para reprovar as contas da Previ do exercício de 2013.  Acho que foi uma informação equivocada ou brincadeira de mau gosto.  Desde a intervenção e o novo estatuto baixado naquela época que extinguiu o quadro social, não existe mais votação das contas da PREVI.  O que há é apenas uma apresentação do balanço de resultados feita pela diretoria que aproveita a oportunidade para fazer turismo pelo país ou propaganda eleitoral, efetuando gastos desnecessários.

Sobre a petição inicial da ação civil pública explico que a mesma será aperfeiçoada com a inclusão do parecer do Ministro Celso Mello e talvez outras sugestões apresentadas pelo João Rossi Neto e Edgardo, devendo ser ajuizada em Brasília na próxima semana, segundo informações recebidas do dr. Wagner Gusmão e de Isa Musa Noronha.

Sobre a ação contra a suspensão do BET ajuizada pela AFABB PR em novembro, aconteceu um sério impasse quando o juiz indeferiu a assistência judiciária gratuita solicitada e determinou que as custas iniciais fossem pagas sobre o valor da causa, calculado conforme um ano de contribuições.  Houve agravo, que não foi aceito. O Judiciário não tem facilitado as coisas para nós. Não aceita o argumento de que  uma associação sem fins lucrativos tenha direito a AJG. Assim fica difícil ingressar coletivamente. Estou pensando em ações individuais para quem tenha benefício pouco expressivo e obtenha a AJG.

Sobre o pedido que a AFABB RS fez à PREVI de que aqueles que já dispunham de suspensão do pagamento do ES nos meses de janeiro e fevereiro, na modalidade escolhida, tivesse autorizada a suspensão também por tres meses, o que equivaleria a março, abril e maio, a PREVI não concordou, concedendo apenas mais o mes de março (um mes em vez de tres).

Sobre se a decisão da suspensão do BET foi do conselho deliberativo, a informação que tenho é de que foi apenas da diretoria, que julgou ter atribuições suficientes para tal. Estou procurando confirmação.

Por enquanto é só.  Hoje terminaram os meus exames e estou liberado para voltar ao batente.  Semana que vem temos muito trabalho pela frente.  Agradeço, mais uma vez, as manifestações de apoio.  Continuo achando tudo muito parado ou atrasado sobre as eleições.  Quem está se mexendo é a Contraf/Cut .  Uma pena.  Mas não tá morto quem peleia.  Não podemos se entregá pra os homens. De jeito nenhum.  Amigos e companheiros, após o choque do dia 20, vamos acordar e nos mobilizar ?

59 comentários:

João Rossi Neto disse...

Depois dos acontecimentos desastrosos divulgados pela Diretoria Executiva da PREVI (corte do BET e volta das contribuições), entendo que temos somente dois caminhos a seguir:

1 – Impetrar, com a máxima urgência, ação judicial contra a Resolução 26/2008, por ser o instrumento mais grave que atenta contra as nossas finanças, a começar pela instituição do benefício especial temporário e o fecho com a “Reversão de Valores”, ambos não previstos no texto da Lei Complementar 109/2001. Sobre esse assunto temos notícia de que a Ação Civil Pública vai ser protocolizada na próxima semana;

2 - Fazer pressão sobre os parlamentares da Câmara Federal para aprovação do PLS 58/03, de autoria do Senador Paulo Paim (PT-RS). Esse Projeto tem por escopo a recomposição dos benefícios (INSS) de quem recebe acima de um salário-mínimo (piso). Ao longo dos anos as perdas foram acentuadas em consequência dos efeitos inflacionários, chegando ao absurdo do trabalhador que se aposentou com o equivalente a seis salários-mínimos e, hoje, não recebe nem três salários-mínimos. A tese defendida pelo Senador Paim é de retroagir à data da aposentadoria, apurar o número de salários-mínimos deferidos e fazer a recomposição pelo valor do salário-mínimo em vigor, metodologia justa e honesta para reparar as perdas.

Entendo que são remotíssimas as possibilidades de recuperação do nosso poder de compra através de superávits, por razões óbvias (mau desempenho da Bovespa e com perspectivas desanimadoras).

Assim, caso o PLS 58/03 fosse aprovado e havendo a recomposição nos moldes alinhados no Projeto, a nossa perda com o BET e retorno da contribuição seria praticamente anulada.

Unknown disse...

Dr. Medeiros,

O senhor menciona que (resumi) "na ação BET da AFABB/PR o juiz determinou que as custas iniciais fossem pagas sobre o valor da causa, calculado conforme um ano de contribuições. Houve agravo, que não foi aceito."
Li, contudo, no blog do colega Edgardo, que o cálculo não seria sobre um ano de contribuições, mas sim sobre os benefícios recebidos.
Fiquei estarrecido pois acredito que exista erro em alguma das decisões.
Vejamos:
- contribuição de R$ 15,00 x 12 meses x 500 sócios = R$ 90.000,00
- benefício médio de R$ 5.000,00 x 12 x 500 sócios = R$ 30 milhões.
Lembro que em uma ação IR na ANABB esta solicitou depósito prévio de R$ 300,00 para fazer face às custas iniciais. A juíza concedeu liminar restringindo porém a restituição à prescrição quinquenal e eu já à época estava isento do IR por doença grave e nada iria receber. Então solicitei a exclusão da demanda, sendo que a ANABB aceitou minha ponderação e devolveu o valor do depósito.
Com certeza nesse caso da AFABB/PR deve existir engano e que merece ser examinado e reparado de imediato.

Luiz Faraco

Anônimo disse...

BNDES aprova R$ 10 bi para construção de sondas da Sete Brasil

Do total, 8,8 bilhões de reais serão financiados à Sete Brasil pelo BNDES, enquanto outros 1,2 bilhão de reais serão investidos pelo braço de participações da instituição, o BNDESPar.

As nove sondas, que serão as primeiras a serem entregues, entre 2015 e 2016, segundo nota do BNDES, estão sendo construídas em cinco estaleiros brasileiros: Jurong Aracruz (ES), Estaleiro Atlântico Sul (PE), BrasFels(RJ), Estaleiro Rio Grande (RS) e Estaleiro Enseada Paraguaçu (BA).

"O financiamento do BNDES ajudará a impulsionar o desenvolvimento da indústria de construção naval e da cadeia nacional de fornecedores do setor de óleo e gás, além de contribuir para o atendimento da política de conteúdo local estabelecida pelo governo federal no desenvolvimento de campos de produção de petróleo (conteúdo local mínimo crescente de 55% a 65%)", disse o BNDES.

A Sete Brasil tem como acionistas o Fundo de Investimento em Participações (FIP Sondas), com 95% do capital, e a própria Petrobras, com 5%.

Por sua vez, o FIP Sondas reúne os maiores investidores institucionais do país, incluindo quatro fundos de pensão (Petros, Funcef, Previ e Valia), três bancos de investimentos privados (BTG Pactual, Santander e Bradesco), o FI-FGTS, o fundo de private equity americano EIG e outros investidores locais.

Jair Mário Bork disse...

Sobre a ação contra a resolução 26, acho ótima e temos que nos concentrar nela que, no meu ver, é a mais importante. Já a ação contra a suspensão do BET, no meu modesto entender, considero um tiro no pé, pois além das despesas com as custas iniciais, pode ser que algum juiz determine uma tutela antecipada. Tudo bem, recebemos o BET durante meses, ou anos, e lá na frente perdemos a ação, o que também, no meu modesto entender, é provável. Aí sim a vaca vai pro brejo. Mas se conseguirmos derrubar a resolução 26, só com a parcela paga ao BB,(7,5 bi) que ele teria que devolver, teríamos novamente o BET, e por vários anos.

HELENO PINTO NOBRE disse...


OBRIGADO ; TAMBÉM COLEGA JOSÉ MEDEIROS E DESEJAMOS DE CORAÇÃO ; TODOS OS QUE APRENDERAM A LER AS TUAS INFORMAÇÕES E QUE POSSAS RECUPERAR A TUA SAÚDE; ESTAMOS TAMBÉM NECESSITANDO DE TUDO O QUE POSSAS FAZER PARA NOS AJUDAR .!

SABEMOS QUE OS ANOS VÃO PASSANDO E O PESO DO TEMPO VEM CHEGANDO.

SOMENTE PODEMOS AGRADECER TODO ESTE "PIQUE"; E AINDA BEM QUE TE MANTENS UMA PESSOA BEM CONSERVADA.
ACHO QUE NÃO TENS TIDO TEMPO SE É QUE AINDA JOGAS O TENIS QUE PRATICAVAS NA AABB AI DE PORTO ALEGRE ;
SAÚDE COLEGA E COMPANHEIRO DE LUTAS;

OBRIGADO ; HPN . SEMPRE DEVEMOS MUITO A VOCÊS QUE TEM NOS AJUDADO A LUTAR; POR TODOS NÓS .!!!!

Anônimo disse...

Sempre providencial. Sua resenha é oportuna e corrige alguns desvios. Muito obrigado Sra. Isa Musa por atender aos reclamos em relação à Petição. Por outro lado, é de se lamentar a conduta do judiciário que com sua postura dificulta a vida de idosos.

Anônimo disse...

Realmente grande colega de luta Medeiros, por enquanto o choque ainda sera anestesiado pela suspensão do ES, mas quando chegar o mês de maio a terrível realidade vira a tona, e o impacto no nosso orçamento mensal financeiro sera como um "tsunami", eu já disse no blog do professor Ari, que caso eu queira continuar a proporcionar um bem estar maior para minha família sem o Bet e com estes reajustes a conta gotas, corro risco de entrar para um SERASA ou SPC.
Na minha calculadora não sobra mais para nenhuma despesa extra, esta TUDO com destino certo.
Agora, em maio, a coisa vai ficar FEIA de verdade, acho sem exageros que a Previ vai criar em breve uma nova legião de endividados maior que já esta neste momento.
Estamos num TITANIC afundando aos poucos.

Viana

Alcides Mauricio disse...

A ANABB não nos dá a mínima atenção - resposta automática - sem que o destinatário tome conhecimento


Resposta da pergunta enviada para o site da ANABB
De:faq@anabb.org.br Para:guisemog@zipmail.com.br Cópia:Cópia oculta:Assunto:Resposta da pergunta enviada para o site da ANABBData:17/01/2014 07:33
Sua resposta foi postada para o seu tema de interesse no Sistema de duvidas do site ANABB.

Pergunta:
Previ/BET - suspensão dos débitos das parcelas dos empréstimos CDCS - Solicitamos dessa Associação gestões junto ao Banco do Brasil no sentido de suspender, por um período de 6 meses, débitos dos CDCs já a partir desse mês, beneficiando a todos os aposentados e pensionistas do PB1 - a exemplo do que fez a Previ com o ES, possibilitando assim que possamos enfrentar a difícil situação em que nos encontramos com a extinção do BET e com a volta das contribuições.

Resposta:
Prezado Alcides, ainda não tem nenhuma ação judicial , ou medida nesse sentido no que diz respeito ao BET. A ANABB está em busca constante do melhor para os seus associados, inclusive realizou reunião com a PREVI para discutirem o fim do beneficio. Segue link extraído com dados da reunião http://www.anabb.org.br/mostraPagina.asp?codServico=4&codPagina=47498 Agradecemos o seu contato.

Nossos sinceros votos de que o Natal seja um momento de paz, esperança e reflexão; irradiando luz, saúde e prosperidade sobre o Ano Novo que se aproxima. Feliz 2014!

Anônimo disse...

Dr. Medeiros,
Sobre a ação suspensão do BET me conce da a inicial que a protocolizo incontinenti em minha defesa de forma individual.
Zewelto (e-mail josewelto@uol.com.br)

Roberto Martines 8670089-8 disse...

Dr. Medeiros pode contar com meu voto e meu trabalho pedindo voto para voce na minha regiao.

Alcides Maurício disse...

e-mail enviado ao BB-Presi hj
Solicitamos autorizar a suspensão dos débitos das parcelas dos CDCs, por um período de 6 meses, a exemplo da Previ com a sus- pensão do ES, possibilitando, assim, que possamos enfrentar a situação decorrente da extinção do BET e da volta das contribuições, evitando a inadimplência em massa.
Confiantes no alto espírito de compreensão e solidariedade da Diretoria do BB, aguardamos com ansiedade a aprovação de nossa solicitação.
Atenciosamente.

Anônimo disse...

Agora vai cair a ficha desses que estavam sentados , acomodados em suas poltronas,Acordem aposentados!

Anônimo disse...

Dr. Medeiros, recebo bruto o valor de R$ 14.168,72 e o líquido deste mes foi R$ 705,59, sendo R$ 8.900,00 de empréstimos consignados. Claro que não consigo viver com isso. Há casos de colegas que entraram com ação para que o débito de consignações fosse apenas de 30% sobre o salário. O senhor acha isso viável?
Não vou assinar por motivos óbvios.
Um abraço.

Anônimo disse...

Atualizando o que corre na rede, veja Dr., que há no site/blog do GIBA 1, uma nota sobre a Previ. Diz tal nota que a Previ não está conseguindo fechar o balanço 2013, por um rombo de 4 bi, por conta de aplicações em ações e em empresas.
Será só "fofoca" ? Nossos representantes do conselho fiscal poderiam esclarecer alguma coisa.
De notícia ruim, o pote está cheio.

Anônimo disse...

os blogs estao falando sobre a previ.coturno noturno,gente decente, temos q participar,em alguns,ateh q nos defendermos...........sobre a res 26,o bco nunca vai devolver o dinheiro.temos q salvar o q temos,a meu ver,pedir detalhamento aa previ sobre os investimentos em Belo Monte (???????),estradas(??????),etc....

Anônimo disse...

Governo investiga conta de Pizzolato em banco da Suíça

Andreza Matais, Felipe Recondo e Jamil Chade | Agência Estado
Tags: mensalão Pizzolato Suíça @estadaoconteudo
[Recomendar]
comentários (1)
-A A+

Autoridades brasileiras e da Suíça investigam uma conta secreta operada por Henrique Pizzolato, o ex-diretor do Banco do Brasil que fugiu do País após ter a prisão decretada pelo Supremo Tribunal Federal pela condenação no julgamento do mensalão. Suspeita-se que a conta aberta num banco suíço teria saldo de quase 2 milhões de euros. Ela foi movimentada após a fuga de Pizzolato, há cerca de dois meses, segundo investigadores brasileiros e suíços. O saldo, contudo, não está zerado.

De acordo com informações apuradas pela reportagem, para o governo brasileiro a conta no exterior mostra que a fuga de Pizzolato foi "muito bem planejada". A Polícia Federal já tem certeza de que o ex-diretor do BB foi mesmo para a Itália, mas não tem recebido cooperação da polícia do país europeu, única que poderia aprofundar as investigações sobre o seu paradeiro.

Pizzolato possui dupla cidadania, o que garante a ele o direito de permanecer na Itália. Tratado entre Brasil e a nação europeia não permite extradição de quem tem dupla cidadania.

Até o fim do ano passado, a PF ainda trabalhava com a hipótese de Pizzolato estar até mesmo no Brasil. Ele teria solicitado em país que faz fronteira com o Brasil uma autorização de retorno para a Itália e não um novo passaporte. Ele viajou acompanhado da mulher, Andrea Haas. A operação de fuga foi revelada pelo jornal O Estado de S.Paulo.

A investigação sobre Pizzolato é tocada pela recém-criada coordenação de rastreamento e captura da Polícia Federal, ainda não formalizada, mas já responsável por cuidar da situação do ex-diretor do Banco do Brasil. Uma equipe de seis policiais trabalha no caso. A PF também conta com a ajuda da Interpol, organização internacional que reúne polícias de vários países. A Procuradoria-Geral da República e a PF mantêm o assunto sob sigilo.

Na Suíça, fontes da polícia e da Justiça local confirmaram à reportagem o trabalho conjunto com as autoridades brasileiras. O foco é traçar o caminho exato do dinheiro de Pizzolato. Diplomatas do Brasil disseram que, nas últimas semanas, uma "intensa troca" de cartas e comunicações entre Brasília e Berna foi registrada sobre esse assunto.

Resistência

Apesar de Brasil e Suíça manterem um acordo de cooperação judicial, o pedido de ajuda de Brasília aos suíços enfrentou uma certa resistência inicial para ser atendido. Isso porque o suposto crime não teria ocorrido na Suíça e não existiria provas na Justiça local de que o dinheiro movimentado fosse fruto de corrupção.

O que permitiu a cooperação foi o fato de o nome de Pizzolato ter entrado na lista da Interpol. Com isso, as autoridades da Suíça também foram levadas a colaborar com um caso de alguém que já havia sido julgado e condenado em última instância. O sinal verde para a cooperação foi dado, mas com a condição de que o papel das autoridades suíças não fosse revelado inicialmente.

O pedido de ajuda do Brasil foi tratado pelo Escritório Federal da Polícia, conhecido como Fedpol. Uma vez recebido, o departamento lançou uma busca nos cantões suíços, obrigou bancos a buscar o nome de Pizzolato e conseguiu identificar a movimentação na área que seria de responsabilidade legal de Genebra.

O ex-diretor do Banco do Brasil foi condenado a 12 anos e 7 meses de prisão pelo Supremo pelos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção passiva e peculato. As investigações mostraram que ele recebeu R$ 326 mil de propina para favorecer uma das empresas de Marcos Valério em contratos com o Banco do Brasil. Como ex-diretor do banco, Pizzolato teria participado do desvio de aproximadamente R$ 74 milhões do Fundo Visanet para alimentar o esquema. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Anônimo disse...

Dr. Medeiros
Saude


No comentário de 13.46
esta a chave do MEDO e da Responsabilidade. Fechar balanço.
fecha, mas com aquele PREJUIZO provável. E agora Jose ?
60.000 p/ 50.000 ? O BB também ?
Abrs.

Mario

Anônimo disse...

Colega das 12:30,

Você me lembra aquela música da Claudia Barroso:
"Quem mandou você gastar..."
Ou aqulea do João Paulo e Daniel:
"Estoi endividado..."

fernando disse...

D. Medeiros, escutei nestes dias, na Rádio Bandeirantes Porto Alegre, uma entrevista com o Senador Paulo Paim. Se sente constrangido, nao sabe o que mais falar. Aprovou no Senado, aumento real para quem ganha mais que o minimo e o fim do fator previdenciario. Os projetos então encalhados na Cãmara, para votação. Será que estão aguardando para mais perto das eleições?

jose welto disse...


Seguindo o João Rossi mandei o meu desabafo a Presidenta Dilma. Pode não dar em nada. Mas fiz a minha parte. Vejam:
Presidenta Dilma,
Com a PREVI assaltando dos seus assistidos R$ 7,5 bilhões e repassando ao Banco do Brasil, tomo a liberdade, um borra bosta de um aposentado que sou, de lhe dizer que nós contribuímos muito para o PT desancar o PSDB do poder.
Digo-lhe que o PSDB fez intervenção na PREVI e não devolveu o superávit. Já o PT fez intervenção branca e cometeu o roubo, através da resolução 26/2008 CGPC, Essa afronta terá troco.
O PSDB já o conhecemos. O PT é pior. Vamos à terceira opção sem saber se presta. Mas, para desancar o PT e a corja do BB e da PREVI, diuturnamente, vamos colocar o bloco na rua e trabalhar contra sua candidatura .
O motivo é justo. Não só porque nos atacou frontalmente. É porque o PT vem contrariando todo linha programática que defendia. É porque o nível de corrupção é o mesmo dos outros partidos. É porque a política de saúde e segurança é lastimável. É porque o índice de inflação vem sendo manipulado.
Os funcionários da ativa do BB se encontra trabalhando em senzalas. Que o diga o MPT, que vem ajuizando ACPs contra a instituição em vários estados da federação.
Pense bem! Com vocês no poder a conta já está sendo paga. Quando outro governo abrir as caixas pretas dessas estatais muitos Pizolattos surgirão. Falo, assim, em razão de que chegamos a denunciar os arroubos desse senhor, e o PT fez vista grossa. E deu no que deu.
Até as eleições senhora Presidenta.
Zewelto

Anônimo disse...

Sinceramente, me desculpem colegas, mas vai continuar tudo como está. Ou seja: Vão continuar "metendo a mão na PREVI, seja para pagar os "executivos" com salários absurdos ou o BB contabilizando sua parte total no superavit e nós apenas uma fração. Me desculpem a franqueza, mas a ação civil pública contra a resolução 26 não vai dar em nada, por um simples motivo: deveria ter sido ajuizada há muito tempo.

Anônimo disse...

AOS COLEGAS ENDIVIDADOS e especialmente ao colega anônimo de hoje, 17 de janeiro de 2014 12:30,

Veja só, você tem um bom salário bruto, mas consumido pelas consignações. Infelizmente também não vou poder me identificar, pois o meu comentário envolve questões muito particulares e familiares.

Meu salário bruto não se aproxima do seu, mas a sua dificuldade é bem semelhante à minha.

E eu ainda tinha um agravante na minha situação: no dia 20, recebia o crédito da PREVI, imediatamente o banco lançava os débitos automáticos na minha conta corrente, todos relativos às prestações dos CDCs. Não me sobrava quase nada para as despesas do mês.

Procurei um escritório de advocacia, com um corpo de 5 advogados, todos conhecidos e amigos. Relatei a eles toda a minha situação e mostrei-lhes a documentação comprovando o meu relato.

Minha intenção era pedir para limitar os descontos no meu contracheque em 30%. Eles simplesmente concluíram que a melhor opção era pedir minha insolvência civil. Achei radical, mas foi o que eles fizeram.

Conclusão, por uma liminar, em quinze dias o juiz declarou a minha insolvência e mandou suspender todos os descontos no meu contracheque e na minha conta corrente. Conclusão: a PREVI me desconta somente o IR, CAPEC e CASSI, e o banco parou de lançar qualquer débito em minha conta.

Na sentença, o juiz mandou que eu fizesse um depósito judicial correspondente a 30% dos meus ganhos mensais para compor um fundo de onde sairá o pagamento dos credores.

E assim já está funcionando desde novembro. Pelo menos estou com 70% do meu salário.

Finalmente, digo que é uma solução radical e chata, chega a ser constrangedora, mas não tinha outra saída, eu estava abaixo do fundo do poço.

Espero que estas informações possam ajudar a muitos colegas endividados, como eu.

Anônimo disse...


Caro Medeiros
Sem dúvida, você reúne-se experiência e tradição para sedr candidato à CASSI ou previ. Mas
como fica a FAABB nessa história de unificação de oposições. Por que ela está sendo ignorada? Em nenhum momento você e os comentaristas acionaram a FAABB.

Anônimo disse...

Colega das 12:30
Sinceramente, com um bruto de 14 mil e um líquido de 705, sinceramente, não podes reclamar de que tuas dificuldades são por causa da PREVI. Apenas 5% dos brasileiros ganham um bruto de 14 mil reais. Se você se excedeu nos empréstimos, agora aguente o rojão. Você, na minha opinião, é um sujeito que não soube controlar tuas despesas. Pelo que deduzi do teu perfil, se por acaso recebestes um bruto de 50 mil, estaríamos na mesma situação, pois simplesmente nao sabes administrar tuas finanças.MMantenho-me no anonimato, para que não me xingues.

Anônimo disse...

Concordo com um comentário que escreveram, eu também já comecei a sentir na "pele" o impacto da falta do BET no meu orçamento mensal, eu ganhava R$1000,00 extras, que agora fazem grande falta na hora do meu supermercado, tive que cortar vários itens da alimentação, tenho que reconhecer que também já estou ficando desanimado com tudo.
Ainda bem que estou com saúde plena, porque conheço colegas que além de estarem sentindo o mesmo impacto nas contas e na alimentação, tem que comprar remédios, deve ser mesmo um começo de ano dos mais amargos.
A Previ acha que somente suspender parcelas do ES é a única coisa que pode fazer, quero ver também quando chegar o mês de maio, nem imagino o que vai acontecer quando começar a faltar valores para cobrirmos nossas despesas familiares.
Eu não tenho duvidas que do jeito que a situação esta e caso se agrave, a próxima novembrada vai ser um tanto agitada no prédio da Previ. Os diretores vao ter que sair correndo por alguma porta dos fundos...
Profecia anunciada!!

Daniel Pereira

antonia disse...

D. Duda,
Estais no lugar errado, teu terreiro tem o fundo Preto.

José Humberto disse...

Prezado Medeiros, bom dia!
Saúde e paz para você e família. Bom fim de semana!

Anônimo disse...

Prezado Dr. Medeiros, falou-se muito no início da "Suspensão do BET" que a liminar seria o caminho mais adequado para suspender a suspensão do pagamento do BET. Você poderia me informar se a liminar foi acatada? Qual foi o efeito da liminar? Ocorreu agravo ou outra interposição de recurso? Ou não houve a liminar?! E por quê? Obrigado!

Anônimo disse...

1- Suponha que na abertura da Bolsa no dia 2 de janeiro uma pessoa tenha comprado dois ativos com seus valores de abertura no mês para um investimento a curto prazo: PETR4 a 17,16, VALE5 a 32.80.

Hoje (17/01), após o fechamento do mercado, o capital desta pessoa estaria na seguinte situação com a parcial acumulada do mês de janeiro:

IBOV (-4,53%)

BAIXA PETR4: 15.51 (-9.58%)
BAIXA VALE5: 30.02 (-8.57%)

Os valores são reais, mas a situação é apenas um exemplo, mas vale a pena refletir qual ativo hoje é mais arriscado...

2- Para o assessor de investimentos da Monte Bravo Investimentos, Bruno Madruga, apesar da alta (14/01), o índice segue em tendência de queda. “A tendência do Ibovespa é claramente baixista, com perdas de fundos importantes para a análise técnica do mercado. O que vemos nesta seção (14/01) é mais um repique após a queda da véspera.”

3- Assim, VALESKA e PETRUSKA são apenas pirâmides, construídas pelos governos, em 2002 e 2000, respectivamente, com grana do FGTS. Entretanto, nas pirâmides, os primeiros a vender são os únicos que ganham... EM OUTROS TERMOS, aquela cotação que você vê nos jornais num passa de uma forma necessariamente passageira. Consequentemente, quanto mais tempo você fica comprado nestas SAFADAS, mais você PERDE...

4- Ademais, Petruska e Valeska, nos últimos vinte e quatro anos, violaram a simples identidade matemática de que a valorização da riqueza global tem de ser igual ao crescimento do PIB. Esta discrepância entre a inflação exuberante da esfera financeira, mormente aquela mais acentuada ainda em Petruska e Valeska, e o crescimento mais moderado da economia real, é o cerne do problema. Entretanto esta “gordura” já começou a ser queimada, como podemos ver pelos gráficos de cinco anos destes dois títulos. A nosso ver, Petruska e Valores num passam de pirâmides, pois a liquidez é apenas uma ilusão coletiva.

5- Assim, repiques acontecem para dar jogo, ou atrasar a queda por vir, ou ainda, tentar mascarar a psicologia do mercado. Assim, os mercados num são aquilo que parecem ser. Neste sentido, ter o índice Ibovespa como referencial para aumentos de aposentadorias e pensões parece nos lusitano. Desculpem-me os portugas amigos... Vocês num tem nada de burraldos... mas eu precisava encontrar uma palavra para ilustrar o significado de algo...

Anônimo disse...

Dr. Medeiros,vamos reinvindicar junto ao BB a suspensão da cobrança das parcelas dos CDCs pelo menos por 6 meses. O BB aguenta, recebeu muito dinheiro da Preivi (NOSSO). Mariano Branquinho

Anônimo disse...

Não estou entendendo. A Res. 26 é de 2008 e até agora estão falando em entrar com ação judicial contra a mesma. Seis anos depois. É verdade mesmo ou é brincadeira. Em seis anos ninguém tomou nenhuma providência. Estou falando de nossas associações. Me parece que estão de brincadeirinha com a gente e não vai acontecer nada. Continuaremos a reclamar e vai ficar só nisso. Nova diretoria na PREVI formada pela CONTRAF/CUT. Mais maracutaia e nos blogs só gente chorando. Já está ficando chato.

Anônimo disse...

Prezado Doutor Medeiros, em primeiro lugar parabéns pela luta e pela garra. É de líderes assim que precisamos. Como advogado, ainda exercendo a profissão, gostaria de esclarecer aos colegas que os 30% de desconto nos vencimentos incidem também sobre as parcelas debitadas na conta corrente daqueles que têm empréstimos no Banco do Brasil. Há, nesse sentido Jurisprudência consolidada e nosso ordenamento jurídico não permite desconto de mais de 30% do salário, seja via folha de pagamento, seja via conta -corrente.Para aqueles que não podem contratar advogado, sugiro que a ação seja proposta nos Tribunais de Pequenas Causas,-Juizado Especial Cível- bastando para isso que o interessado se apresente, sem advogado, mas com toda a documentação necessária, solicitando, outrossim que o Juiz conceda uma medida liminar (antecipação de tutela) salvaguardado os 70% do salário, enquanto se discute a ação.o desconto de 30% do salário é regulado pelo paragrafo 2ºda Lei 10.820/2.003, 45 da Lei 8.1112/90 e 8º do Decreto 6.386/2.008.Que fique registrado, ainda, que, mesmo nos casos de autorização, os descontos não podem ultrapassar o patamar de 30% sobre o salário, conforme vem decidindo pacificamente o Superior Tribunal de Justiça.

Anônimo disse...

Prezado Doutor Medeiros, em primeiro lugar parabéns pela luta e pela garra. É de líderes assim que precisamos. Como advogado, ainda exercendo a profissão, gostaria de esclarecer aos colegas que os 30% de desconto nos vencimentos incidem também sobre as parcelas debitadas na conta corrente daqueles que têm empréstimos no Banco do Brasil. Há, nesse sentido Jurisprudência consolidada e nosso ordenamento jurídico não permite desconto de mais de 30% do salário, seja via folha de pagamento, seja via conta -corrente.Para aqueles que não podem contratar advogado, sugiro que a ação seja proposta nos Tribunais de Pequenas Causas,-Juizado Especial Cível- bastando para isso que o interessado se apresente, sem advogado, mas com toda a documentação necessária, solicitando, outrossim que o Juiz conceda uma medida liminar (antecipação de tutela) salvaguardado os 70% do salário, enquanto se discute a ação.o desconto de 30% do salário é regulado pelo paragrafo 2ºda Lei 10.820/2.003, 45 da Lei 8.1112/90 e 8º do Decreto 6.386/2.008.Que fique registrado, ainda, que, mesmo nos casos de autorização, os descontos não podem ultrapassar o patamar de 30% sobre o salário, conforme vem decidindo pacificamente o Superior Tribunal de Justiça.

Anônimo disse...

Recebi sexta-feira (17) "Comunicado Importante" enviando pela PREVI sob
o fim do BET.
Quanta insensibilidade...
há algo de importante nisso tudo?
Por que não usar a expressão urgente ou coisa semelhante?
Veja como são fariseus hipócritas.
Mas quem viver, verá a ruína de todos esses irresponsáveis e cínicos que além de tirar o BET ainda zobam da desgraça alheia.
- aposentada

Anônimo disse...

Meu salário líquido antes do fim do Bet era de 4.800. Agora vai ser de 4.300.

Não me aposentei como gerente. Nunca quis ser gerente e não gostava de substituir gerente.

Resumo: vivo de acordo com o que ganho. Graças a Deus não tenho dívidas. Tenho casa própria, carro bom e uma poupança pras emergências. Tudo fruto do meu trabalho no BB, nada de herança.

Que Deus continue me dando inteligência, saúde e simplicidade pois consigo viver melhor que muitos dos meus colegas que ganham 3 vêzes mais.

Estou comentando isto pra alertar o pessoal que é mais simples e saudável viver conforme o que recebem e não de aparências.

É muito importante também enriquecer o seu espírito, seja de que religião você for. Isto vai te confortar e te dar novas soluções pros problemas.

Que Deus proteja a todos nós e em especial ao Dr. Medeiros !
Amém!

Anônimo disse...

Dr. Medeiros, vamos solicitAR ao Banco que suspenda a cobrança dos CDCs pelo menos por 6 meses. O Banco, pode, tem muito dinheiro da Previ (nosso)Aguardamos com ansiedade. Abs. seu cabo eleitoral Mariano Branquinho

Anônimo disse...

Não acredito que haja esforço, nem que haja interesse no repatriamento do Pizolato.

Anônimo disse...

CHAMADA GERAL ! CHAPA PARA A PREVI JÁ !

Anônimo disse...

Dr. Medeiros,
Insisto. Vamos colaborar com o endividados.
A sua associação poderia disponibilizar a petição dos 30% de desconto na fopag. Muitos ajuizariam no JEC e sairiam da chibata dos juros altos.
Outra petição seria a do RETORNO do BET.
Esse tipo de ação faz com certeza a o BB e a PREVI rever certas atitudes.
O mais é muito blá-blá que faz parte perder as esperanças.
E a turma dos sindicatos sabem que não somos unidos e dispersos.
Ação Dr. Medeiros!!!!

Jair Mário Bork disse...

Ao anônimo das 01,42
Percebe-se que você é uma pessoa com os pés no chão, que adaptas tua vida com o que ganhas, e isso te conduziu a uma vida mais tranquila, sem frustrações. Meu perfil é meio parecido com o teu. Sempre dizia à minha esposa que uma pessoa econômica não é aquela que só compra coisas baratas, mas aquela que gasta menos do que ganha. Fiquei feliz, nesse início de domingo ensolarado, ao ver nesse blog pelo menos um depoimento sereno, sem revolta ou desespero. Que DEUS te conserve e abençoe, não só a ti, mas a todos os colegas e em especial ao Dr. Medeiros que nos proporciona a oportunidade de trocarmos idéias neste Blog.

Anônimo disse...

Sabedoria milenar.
Parece Confúcio.
Monotonia e nunca uma emoção.
Sem ray-ban ou Armani. Só pernambucanas.

Anônimo disse...

NÃO SERIA O CASO DE ALGUMA AÇÃO COLETIVA, mandando a PREVI SUSPENDER TODOS OS DESCONTOS NO CONTRACHEQUE E O BB TAMBEM NA CONTA CORRENTE QUE FOSSE SUPERIOR AOS 30% DOS PROVENTOS BRUTOS MENOS OS DESCONTOS OBRIGATORIOS POR LEI INSS, IR.

Anônimo disse...

Vamos virar o feitiço contra o feiticeiro, basta pedir a limitação dos 30% conforme a lei determina. O BB e a PREVI NÃO CUMPREM A LEI QUE LIMITA OS DESCONTOS EM 305. SE EMPRESTARAM SEM OBSEERVAREM A LEI, PROBLEMA DA PREVI E DO BB, DA COOPERFORTE, DO SATELITE ESPORTE CLUBE, DA POUPEX.

Anônimo disse...

Postei anteriormente que recebo pouco mais de 700 reais liquidos e fui apedrejado pelos comentarios do dia 18/01 as 02:31 e pelo do dia 19/1 a 01:42. Respondo aos dois: Ao primeiro, digo que ele não sabe nada da minha vida para me dar conselhos. Não tem a menor idéia do que aconteceu comigo e o que tive que fazer para sobreviver. Ao segundo, que disse que nunca foi nada no BB e hoje vive com o que ganha, digo-lhe que você nunca foi nada no BB e não é nada agora.

Anônimo disse...

Acredito que a melhor solução seria uma ação coletiva contra a PREVI e contra o BB nos casos dos cdc que eles realizam e saber se eles observam esta regra dos 30% ? Só isso resolveria rapidamente os problemas dos aposentados ou funcionarios endividados e colocaria eles na condição de réus ao não obedeceram a lei que determina: 30% no maximo de emprestimos.

Anônimo disse...

Ao anonimo das 21,45 hs, colega me informe não teria como alguma associação entrar com ação coletiva contra a PREVI DE MODO A ELA OBEDECER A LEI QUE DETERMINA O LIMITE DE 30% DE DESCONTOS FOLHA DE PAGAMENTO E TAMBEM CONTRA O BB NO CASO DOS 30% JÁ ESTAREM ESGOTADOS DEVIDOS AO DESCONTOS EM FOLHA DE PAGAMENTO. QUEM EMPRESTOU SEM OBSERVAR A LEI É QUEM DEVE SOFRER AS CONSEQUENCIAS DOS SEUS ATOS. ACHO QUE ISTO RESOLVERIA A QUESTÃO DO ENDIVIDAMENTE E COLOCARIA NO COLO DELES, NO CASO PREVI/BB/COOPERFORTE E DE TODOS QUE SE APROVEITAM DOS COLEGAS APOSENTADOS. AO INVES DE FICAR SOLICITANDO SUSPENSÃO DE PRESTAÇÕES E OS JUROS SENDO ACUMULADOS, ELES É QUE IRIAM CORRER ATRAS E OFERECER TODO TIPO DE FACILIDADES DE ALONGAMENTO DO PRAZO AO INVES DE SEREM OBRIGADOS A COLOCAREM NOS BALANÇOS OS PREJUIZOS. ENVIEI SUGESTÃO A COOPERFORTE PARA BAIXAR OS JUROS PORQUE RECLAMEI QUE COMO O CAPITAL DA COOPERFORTE É DOS ASSOCIADOS OS JUROS PODERIAM SEREM MAIS BAIXOS. ACHO QUE ESTA COLOCAÇÃO DOS 305 COMO LIMITE RESOLVERIA DEFINITIVAMENTE TODA ESTA QUESTÃO DO ENDIVIDAMENTO, OS ENDIVIDADOS FICARIAM COM 70% DO SALARIO LIVRE. ELES QUE EMPRESTARAM SEM OBSERVAR A LEI QUE SOFRAM AS CONSEQUENCIAS DA LEI.

Anônimo disse...

Dr. Medeiros esta lei do limite de 30% do endividamento não poderia ser aplicada a PREVI como gestora da folha de pagamento e ao BB/COOPERFORTE e demais descontos que são feito via folha de pagamento e conta corrente ? Se a lei diz que o limite é de 30% e a PREVI não aplica esta lei, no minimo a PREVI é culpada e o BB também por não observarem o cumprimento da lei, sugiro um estudo neste sentido que resolveria de vez todos os problemas dos aposentados que se encontram em situação financeira dificil e colocaria no colo de quem foi o responsavel direto pelo não cumprimento da LEI.

Anônimo disse...

Colegas,

Publico abaixo, entre aspas, teor de mensagem enviada ao REDE-SOS pelo colega Adilson Santos.

Mais claro do que isso é impossível. Trata-se de importante argumento, suficiente para fundamentar adicionalmente qualquer ação contra a RES.26.
Lydio


Mensagem do colega Adilson:

"Veja abaixo como se manifestou (não o desembagador) mas sim o Ministro do Supremo Tribunal Federal, sobre o assunto, não podemos nos esquecer do constante na decisão da ADI 4644-DF, do Supremo Tribunal Federal, da lavra e ensinamento do ilustre e eminente Ministro Celso que Melo, de 23.03.2012, onde em julgamento afirma

'..................................Portanto, não há dúvida de que a Resolução CGPC nº 26, de 29 de setembro de 2008, inovou em relação à Lei Complementar nº 109 , de 29 de maio de 2001, criando a opção de reversão de valores aos participantes e assistidos e aos patrocinadores, como forma de destinação da reserva especial. Em suma, a Resolução nº 26 , expedida apenas para dar eficácia à previsão legal da destinação da reserva especial constituída nas entidades fechadas, acabou por extrapolar o seu limite material regulador (grifo nosso)ao prever nova modalidade não prevista na legislação, a reversão, para o patrocinador e/ou participante, de valores integrantes do patrimônio dos planos de benefícios. Permitiu, portanto, ao invés da 'revisão do plano de benefícios' prevista na lei complementar, cujos efeitos direcionam-se necessariamente para o futuro (o plano deve ser revisado para que no futuro não seja gerado nem 'déficit', nem superávit desmesurado), surgisse uma reversão de valores que equivale à distribuição de lucro, com base no resultado dos investimentos obtidos nos exercícios passados. Vê-se, desse modo, que o eventual extravasamento dos limites materiais do diploma legislativo em causa (Lei Complementar nº 109 /2001), por parte do ato ora questionado, poderá configurar estado de direta insubordinação aos comandos da legislação.'

Quer melhor orientação do que esta. É isso mesmo, que você afirma, porque as entidades não aproveitam esse digno 'parecer'? Também não entendo."

Adilson

Anônimo disse...

PrezaDO medeiros,

"Veja abaixo como se manifestou (não o desembargador) mas sim o Ministro do Supremo Tribunal Federal, sobre o assunto, não podemos nos esquecer do constante na decisão da ADI 4644-DF, do Supremo Tribunal Federal, da lavra e ensinamento do ilustre e eminente Ministro Celso que Melo, de 23.03.2012, onde em julgamento afirma

'..................................Portanto, não há dúvida de que a Resolução CGPC nº 26, de 29 de setembro de 2008, inovou em relação à Lei Complementar nº 109 , de 29 de maio de 2001, criando a opção de reversão de valores aos participantes e assistidos e aos patrocinadores, como forma de destinação da reserva especial. Em suma, a Resolução nº 26 , expedida apenas para dar eficácia à previsão legal da destinação da reserva especial constituída nas entidades fechadas, acabou por extrapolar o seu limite material regulador (grifo nosso)ao prever nova modalidade não prevista na legislação, a reversão, para o patrocinador e/ou participante, de valores integrantes do patrimônio dos planos de benefícios. Permitiu, portanto, ao invés da 'revisão do plano de benefícios' prevista na lei complementar, cujos efeitos direcionam-se necessariamente para o futuro (o plano deve ser revisado para que no futuro não seja gerado nem 'déficit', nem superávit desmesurado), surgisse uma reversão de valores que equivale à distribuição de lucro, com base no resultado dos investimentos obtidos nos exercícios passados. Vê-se, desse modo, que o eventual extravasamento dos limites materiais do diploma legislativo em causa (Lei Complementar nº 109 /2001), por parte do ato ora questionado, poderá configurar estado de direta insubordinação aos comandos da legislação.'

Quer melhor orientação do que esta. É isso mesmo, que você afirma, porque as entidades não aproveitam esse digno 'parecer'? Também não entendo."

antonia disse...

Dr. Medeiros,
Com toda a sua experiência em pleitos,ajude-nos a aproveitar essa oportunidade. Vamos nos unir e procurar os melhores nomes para nos representar entre aqueles que tenham mais condições de DERROTAR a chapa da situação. Contamos com voce, Prof. Ari, Rossi e Cecília.
VAMOS QUE VAMOS!!!!

jose welto disse...

Dr. Medeiros,
Estou no aguardo da resposta do e-mail que lhe enviei.
É a respeito da margem 30%e do retorno do BET.

Anônimo disse...

O COLEGA AÍ ACIMA QUE GANHA 14 MIL E QUE VCS METERAM A LENHA. GANHO 22 BRUTOS E SOU DEVEDOR DE TUDO. BB, COOPERFORTE E CREDISCOOP, CASA E VÍDEO, CASAS BAHIA, E POR AÍ VAI. PERGUNTEM PARA MIM SE ESTOU PREOCUPADO?
DEVO E NÃO NEGO E SÓ PAGO QUANDO EU PUDER.


ABRAÇOS MEDEIROS.

Anônimo disse...

AO COLEGA DO DIA 19/1, 13:12hs
==============================

Fico triste em saber que pra você uma pessoa só tem valor no BB se ela for GERENTE.

Eu jamais diria que nunca fui nada no BB (palavras suas), só porque desde o começo tomei a decisão de não querer ser gerente.

Tenho plena certeza que fui muito útil ao Banco, à sociedade e aos meus colegas.

Entenda, foi minha opção de vida e não me arrependo nem um pouco.

Hoje estou em paz comigo e com todos a minha volta. Ao contrário do que você disse, sou "alguém" pra muitas pessoas, porque antes de querer ter um alto cargo eu queria ser feliz e fazer quem convive comigo também feliz.

Tenho caráter, personalidade própria. Não me deixo envolver pelo o que os outros pensam de mim. Tenho respeito, muito aliás, mas ninguém "faz a minha cabeça".

Sinceramente espero que sua situação econômica melhore, e que não te sintas perseguido porque minhas palavras não foram dirigidas especificamente pra você.

Mas numa coisa eu insisto: procure alimentar mais seu espírito. Quanto mais pura a sua alma ficar, mais bençãos a sua vida terá!

Em tempo ...
Agradeço ao colega Jair (eu não o conheço) pelo seu comentário do dia 19 às 11:48hs. Que Deus te abençõe também e a todos de sua família !

José Humberto disse...

Prezado Medeiros, bom dia!
Como é que você está de saúde? Espero que você esteja bem!

Fernando Lamas disse...

Ilustre Doutor Medeiros, saudações cordiais.
Bom dia a todos.

Inicialmente, eu considero os blogs da nossa comunidade, como rodas de amigos-A M I G O S-, onde, suponho, deva haver boas intenções, acolhimento e solidariedade. O colega(17.01, às 12:30h) veio até nos, creio, justamente, para isso e foi acolhido, mas recebeu, também, alguns comentários reprováveis, por colegas(02:31, 01:42 e Jair Mário)que, merecidamente, estão em situação controlada, equilibrada e serena. Não bastasse o mal-estar psicológico do endividado, recebe esses comentários, sobre os quais, pergunto: em que ajudaram, aliviaram/confortaram ou iluminaram a sua situção?
Não me levem a mal, esses colegas bem-sucedidos, mas eu sei, exatamente, o que sente o colega, pois se eu fosse uma empresa, haveria de vender tudo e fechar as portas.
Mas gente e família não fecham e viram arquivo morto, concordam?

Muito obrigado ao colega advogado(19:49 e 21:45). Contribuiu e acrescentou, positivamente. Mantenha contato, por favor.

Doutor Medeiros, felizmente, vejo muitos comentários que ecoam o que eu, há tempos, defendo e chamo de reestruturaração do contracheque: SOMENTE consignações obrigatórias(ES, Carim, Cassi, Capec e IRRF), tudo limitado a 30% do valor bruto.
A única resistência que imagino, pela PREVI, seja o recálculo do ES e da Carim.
Mas, passada a suspensão do ES, É A ÚNICA MANEIRA QUE VEJO, para manter a dignidade e estabilidade dos orçamentos de muitos, entre nós e amparados no que manda a Lei, conforme bem escreveu o nobre colega(19:49).

Com o meu melhor respeito e apreço, por todos.

PAZ E BEM!

Fernando Lamas
Valinhos(SP)

"Como fica bem a sabedoria, para os anciãos e o discernimento sábio, para as pessoas honradas.!"
Eclo 25,5.

Anônimo disse...

Que tal criarmos um Blog ou grupo de discussão com esse tema do endividamento?

A partir daí uma solução negociada com o BB e a Previ para reestruração das dívidas.

Isa Musa fala em 46% com esse problema. Um contigente grande que unido pode ter força de negociação.

Anônimo disse...

DrMedeiros,
A PREVI disse-me que hoje estaria à minha disposição o valor relativo a suspensão do ES via Orpag.Fui ao BB e o que estava realmente eram os proventos do mês.Será que no decorrer do expediente o dinheiro estárá lá? Já telefonei para a PREVI e não consegui nada. Está um caós.Os colegas que estão na minha situação poderiam comprovar o que estou dizendo.

Elenita disse...

Só pra avisar que a Previ fica no Rio de Janeiro e hj é FERIADO.

Anônimo disse...

Colega de 20 jan 12:00 hs

No site da PREVI consta que quem optou pela suspensão até as 15:00 h de 17.01.2014, o crédito (devolução) será efetuado em 21.01.2014.
Sugiro então aguardar até amanhã.